"Alerta sobre a tentativa expansionista do Japão"

18/04/2018

 
Nestes tempos, os navios Akizuki e Michishio da "Forças Marítimas de Autodefesa" do Japão está se movendo nas águas marítimas em todo o Sudeste da Ásia sob o disfarce de navegação em formação no mar.

Segundo foi registrado no ano passado, os navios das " Forças Marítimas de Autodefesa", realizada em 17 ocasiões o fornecimento de combustível a navios de guerra norte-americanos citando o "acordo de oferta mútuo de materiais e mão de obra" feita com os EUA.

Como é sabido de todos, o Japão foi desarmado após sua derrota na Segunda Guerra Mundial e é proibido por lei de exercer o "direito à autodefesa coletiva". Mas a nação insular expandiu o teatro de operações militares de suas "Forças de Autodefesa" a vastas áreas da Ásia e do mundo e preparou a base jurídica para desenvolver atividades militares agressivas em qualquer lugar do mundo sob a bandeira da "ajuda" para as tropas dos EUA e outros países aliados.

Em março passado, organizou o comando geral das forças terrestres responsável por dirigir forma unificada todas as unidades das "Forças Terrestres de Autodefesa" e fundou o corpo de mobilização anfíbio, especializada em operações de desembarque, sob a bandeira da " defesa das ilhas remotas no sudoeste".

O Japão descreve isso como uma medida para "melhorar a mobilidade diante do terrorismo ou do ataque de guerrilha", em troca do ataque terrestre e do sistema de defesa da Guerra Fria. Mas a sua verdadeira intenção é mobilizar os seus caprichos, tanto em casa e no exterior para "Forças de Autodefesa" para libertar-se das restrições impostas pela derrota na Segunda Guerra Mundial.

Recentemente, o corpo de mobilização anfíbio desenvolveu pela primeira vez um treinamento conjunto com o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA.

Os líderes japoneses tentar passar pela força o projeto de alteração da Constituição para estipular a existência do "Força de Autodefesa", no sentido de justificar a agressão exterior novamente, dizendo publicamente que "chegou o momento para avançar a emenda da Constituição". A camarilha de Abe fala por uma parte da "defesa exclusiva" e, por outro, modifica muito o seu conteúdo sob o pretexto da ameaça da China e de outros países.

Ela tolerou o exercício do "direito à autodefesa coletiva" modificando a interpretação da Constituição vigente, mantida pelos gabinetes anteriores. E incluiu no projeto de orçamento para 2018 as despesas para o plano de introdução de mísseis de cruzeiro de longo alcance e começou a examinar a posse da transportadora.

A ampliação das ações expansionistas do Japão no exterior, que conta com a ajuda dos EUA, causa grande preocupação para a sociedade internacional, incluindo os países da região.

Um site russo revelou que o Japão costumava usar a "ameaça coreana" para manter a China sob controle e agora pretende pressioná-la e jogar junto com os EUA o papel de liderança no Oceano Índico e no Pacífico. O porta-voz da Informação do Ministério da Defesa Nacional disse que a China precisava tomar mais cuidado sobre a tendência do Japão para desenvolver armas de ataque que excedem o nível de "defesa exclusiva".

No mundo de hoje que enfrenta a situação de mudança em direção à paz e estabilidade, a sanha expansionista do Japão, que parte de sua forma ultrapassada de pensar, trará consequências negativas. O mundo deve vigiar o expansionismo ultramarino do Japão.

 

Da KCNA (Korean Central News Agency)

 

Please reload

Leia também...

Fidel: "Roubo de cérebros"

17/01/2020

ILPS: 'Responder aos ataques fascistas na Índia!'

17/01/2020

"A construção do Estado norte-coreano"

13/01/2020

Mao: "Materialismo Dialético"

11/01/2020

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube