"Bogotazo, peronismo... e nisso chegou Fidel"

09/04/2018

 

9 de abril de 1948, início do Bogotazo. Jorge Eliecer Gatian, advogado, líder popular de origem liberal e oligárquico iluminado pregando certeza em ser vencedor das próximas eleições presidenciais, é assassinado nas ruas de Bogotá e revolta social violenta que se espalha como fogo em toda parte ao meio o século XX para tudo o que acontecerá na Colômbia desde então. Alguns anos antes, na Argentina, em 1945, o nacionalista coronel Juan Domingo Perón, de grande influência sobre a classe operária crescente, é preso e uma rebelião popular irrompe em 17 de outubro, o que também divide em dois o século XX para o país do Sul. Ambos os fatos – um testemunhado, o outro acompanhado com interesse por um jovem líder estudantil cubano, ainda com a barba rala – enquadrado em um contexto histórico favorável para o surgimento de movimentos populares como resultado do processo de substituição de importação na sequência da crise internacional de 1930 e os modelos de estado de bem-estar; Esses movimentos adquirem um caráter anti-imperialista na medida em que os Estados Unidos pretendem estender seus tentáculos no continente após a Segunda Guerra Mundial.

Naqueles anos, Lázaro Cárdenas expropriou empresas estrangeiras de petróleo no México; Getúlio Vargas promove a industrialização e, com ela, a sindicalização dos trabalhadores no Brasil; e Paz Estensoro permite a entrada de novos setores populares na política na Bolívia com seu nacionalismo revolucionário. Colômbia, com o assassinato de Gaitán, perdeu a oportunidade de experimentar o seu próprio "nacionalismo popular" do Estado e, por outro lado, mergulhou em "La Violencia", que ainda marca vida política do país.

No entanto, como aconteceu com os movimentos populares, o gaitanismo em si tornou-se uma parte constituinte da identidade política do povo colombiano, mesmo com toda a sua complexidade dramática assumido por setores da esquerda (criticamente segundo alguns) e também reivindicado por setores paramilitares de direita, como as ainda atuais Forças de Autodefesa Gaitanistas. O mesmo aconteceu com outros movimentos populares do século XX, por exemplo peronismo, que poderia abrigar seus "formações especiais" que lutaram de armas na mão pelo socialismo enquanto também pariu a sinistra e anticomunista Aliança Argentina, organização paraestatal encarregado de aniquilar a ala esquerda do próprio movimento peronista. Mas a comparação está esgotada e a apreciação histórica torna-se muito mais benevolente com a figura de Gaitán e muito mais complexa com a figura de Perón. Porque o assassinato de um desencadeou a rebelião como um último ato da vida, incapaz de ver materializado seu acesso ao governo e sujeitando assim o juízo de não de suas propostas, mas a capacidade – ou não – de realizá-los. Enquanto Perón foi libertado como resultado da mobilização popular e teve que enfrentar o desafio de implementar o projeto, ele mesmo passou por uma nova experiência de governo nos anos 70, em um mundo completamente outra que mostrou incapacidade de compreender.

E nisso chegou Fidel
Quem entendeu perfeitamente seu momento histórico foi o jovem estudante Fidel Castro, que visitou a Colômbia no dia 9 de abril, quando tudo desmoronou. "Eu era uma mistura de indivíduo quixotesco, romântico e sonhador", disse anos depois em que se tornaria líder da Revolução Cubana e uma das figuras mundiais mais transcendentes do século XX. "Havia em mim algumas misturas de sonhos socialistas martianos, bolivarianos e utópicos. Naquela época era muito difícil para mim explicar por que a América tinha concebido seus grandes e extraordinários emancipadores se apartava  tanto da realidade dolorosa que tinha quase vinte repúblicas divididas, fracas e pobres ", disse ele.

Dez anos depois, o Movimento de 26 de julho, fundado por Fidel, já estaria em plena ação revolucionária em seu país, preparando as ofensivas finais para tomar o poder. Mas em 1948 ele ainda faltaria ao jovem Castro experimentar o curso de governos populares, cada vez mais assediados pelos Estados Unidos, como Jacobo Arbenz na Guatemala, cuja expulsão conheceu Che na sua terra, tirar conclusões no mesmo sentido, e o peronismo, ao qual Fidel durante esses anos também prestou atenção. "A hostilidade que os Estados Unidos manifestaram em relação ao movimento peronista instintivamente fez olhar para movimento de Perón com certa simpatia. Naqueles dias, circularam entre os alunos inúmeros discursos de Peron em folhetos destinados a trabalhadores, com os seus argumentos nacionalistas, seus apelos para as massas, a sua luta contra os oligarcas ", recordou o líder da Revolução Cubana.

A derrubada do governo popular da Guatemala em 1954 e do peronismo em 1955 alimentou a convicção revolucionária de Fidel e aquela geração de jovens barbudos. Conheciam e estudavam a história de seu país para transformá-la, mas também a de toda a América Latina, convencida da máxima bolivariana "Nosso país é a América".

 

O Bogotazo, assim como os governos nacionais, populares e anti-imperialistas de meados do século passado alimentaram o novo ciclo de lutas revolucionárias, do qual a Revolução Cubana foi a mais alta expressão. Fidel e seu povo, aprendendo com a história, assumiram o desafio de dar um passo à frente nas lutas emancipatórias de nosso continente: quando tiveram a oportunidade de conduzir os destinos de seu povo através do controle do Estado, não ficaram na metade do caminho e tentaram mudar a história a partir das raízes, apostando no socialismo.

 

por Pablo Solana, correspondente do Resumen latinoamericano

 

 

Please reload

Leia também...

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

18/11/2019

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

15/11/2019

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

"O papel das mulheres na defesa de Stalingrado"

13/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube