"Al-Shabaab manda na Somália"

07/04/2018

 

Os bandos fundamentalistas após quedas de coronel Gadaffi e Hosni Mubarak e aquecer o crescimento da al-Qaeda e Daesh através do financiamento da Arábia Saudita, Qatar e os Emirados Árabes Unidos, espalhar desmarcada pela Maghreb e praticamente toda a extensão do Sahel, do Oceano Índico ao Atlântico, estão agora se afastando e abroqueladas em geografias cada vez menores, como o Boko Haram na Nigéria ou múltiplas organizações que operam entre a Mauritânia, no sul da Argélia, norte do Mali, oeste do Níger, que, como visto nos resultados não poderiam forjar sua unidade sob a bandeira da Jamaat Nusrat al-Islam wa al-Muslimin (Frente de Apoio Islã e os muçulmanos) que em mais de um ano de integração, não foram capazes de articular uma resistência contra unidades francesas da Operação Barkhane, a presença fantasmagórica de tropas norte-americanas às vezes mais ou menos visiveis que aparecem na fronteira entre o Níger e Mali. Diante dessa realidade, só se reserva ações cada vez mais enlouquecidas e sanguinárias, que nada as aproxima da possibilidade de seu anseio final da criação do califado.

Neste mapa africano da derrota Wahhabi pelo colapso na Síria e no Iraque, o terrorismo fundamentalista tem apenas duas frentes consolidadas, por um lado o Afeganistão, onde o Talibã regula a guerra à sua vontade, uma guerra duas bandas de um lado o exército afegão, apoiado pelos EUA e outros limitado embora em crescimento do Daesh Khorasan não só tentar ganhar uma posição no Afeganistão, mas também sonha com o Paquistão, as ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central, Irã e Índia muçulmana.

A segunda frente mais ativa para o terrorismo é a Somália, onde as milícias al-Shabaab, após vários anos de declínio, depois de sua expulsão de Mogadíscio em 2011 e realizaram em 2012 seu juramento de lealdade a al-Qaeda global, ataque o governo somali, perpetrando atentados constantes e devastadores no coração da capital, o mais mortífero ocorreu em 14 de outubro, quando um caminhão-bomba explodiu a poucos quarteirões do palácio presidencial, deixando cerca de 600 mortos, mais de 230 feridos e cerca de 60 desaparecidos, desintegrados pelos efeitos do poder da explosão. Também nas zonas rurais, os ataques a quartéis tanto da Somália como da AMISON (Missão Africana na Somália) são cada vez mais frequentes e letais.

Em dezembro passado um comando suicida, oficial disfarçado, detonou entre vários bares de chá localizado em frente à "Academia de Polícia Geral Kahiye" em Mogadíscio, enquanto os estudantes estavam se preparando para ensaiar o desfile para o 74º aniversário da instituição. De acordo com a versão oficial, os mortos foram 18, enquanto o porta-voz do al-Shabaab elevou o número para 28.

O último ataque na capital somali ocorreu na última quarta-feira, 4 de abril, contra um escritório público no bairro de Wajadir, matando três policiais e quatro civis. Durante o mês de março, vários ataques explosivos foram registrados na capital, deixando cerca de trinta mortos em diferentes eventos, incluindo a explosão de um carro-bomba, ao ser detido por um posto policial a menos de 200 metros do palácio presidencial e perto do Parlamento, no domingo, 25, matando quatro pessoas, apenas algumas horas antes tinha havido um incidente semelhante também nos arredores da capital, onde os mortos eram dois soldados que inspecionaram um carro suspeito, detonados por controle remoto.

No dia 21, cerca de 20 pessoas foram mortas, enquanto 10 outras ficaram feridas devido à explosão de um carro-bomba perto do hotel Weheliye, na avenida Makka Almukarramah, em Mogadíscio.

Um interior cada vez mais sangrento
Desde 2007, a União Africana conjuntamente com a ONU implantou a Missão para a Somália (AMISON), composta por cerca de 22 mil homens dos exércitos do Quênia, Uganda, Etiópia, Djibouti e Burundi, que a princípio forçaram os terroristas a se retirar não só da capital e áreas próximas, mas muitas vilas e cidades costeiras, incluindo o porto estratégico de Kismayo, em 2012, embora al-Shabaab conseguiu permanecer ativo no Iraque central e do sul. A AMISON está se preparando para deixar o país em 2020, no ano passado cerca de mil tropas deixaram o país e para outubro a retirada de outros mil é esperada. Dadas as condições atuais, é altamente improvável que a retirada total de unidades africanas pode acontecer, mas é provável que uma força superior, liderado pelos Estados Unidos, tome o seu lugar, já que o país inteiro iria cair nas mãos de terroristas em apenas alguns meses.

 

As tropas da AMISON, mobilizadas no interior do país e compostas principalmente por tropas ugandesas, são frequentes vítimas dos ataques do al-Shabaab. Este último domingo, 1 de abril, houve vários ataques contra uma base da UPDF (Força de Defesa de Uganda) e sede do SNA (Forças Armadas somalis) em Qoryoley, Buula Mareer e Golwen na região costeira da Baixa Shabelle, cerca de 130 quilómetros a sudoeste da capital.

De acordo com Abdul Aziz Abu Musab, porta-voz da al-Shabaab, os ataques mataram cerca de 50 soldados e cerca de 14 fundamentalistas. Abu Musab disse que a operação foi uma retaliação pela morte de cerca de 30 de seus combatentes em um incidente recente. O grande número de vítimas das tropas de Uganda ocorreu pela falha na operação de retirada e de cobertura tropas da AMISON desde que seus milicianos haviam bloqueado as rotas de fuga com minas e bombas de carro. Após o ataque os mujahideen saquearam lojas e propriedades de civis, que tinham sido avisados ​​para não vender nada para aos militares.

De acordo com o porta-voz do wahhabistas o ataque à base de Uganda em Buula Mareer começou com a detonação de um carro-bomba na entrada do complexo militar, e um outro grande número de mortes ocorreu quando detonou um carro-bomba contra um comboio militar que estava em apoio de seus companheiros de uma base próxima.

Enquanto as autoridades dizem que os ataques foram apenas oito forças vítimas ugandenses, os terroristas afirmam que foram mortos 66. Além disso, detalhando que a 26ª Brigada do SNA recuperou 12 fuzis AK47, 20 propulsores de foguetes (RPG), 18 fuzis e uma metralhadora.

O presidente do Uganda, general Yoweri Museveni, só reconheceu a perda de quatro soldados e atribuiu a maioria dos mortos aos terroristas. Já no ano passado, a UPDF havia perdido uma dúzia de seus homens nas mãos do al-Shabaab.

Além disso, um recente relatório da ONU acusa forças quenianas da AMISON, por continuar a permitir a exportação de carvão da Somália, que a ONU proibiu em 2012 porque é uma das fontes de financiamento para al-Shabaab, para o qual recebe cerca de 10 milhões de dólares por ano. De acordo com o documento, dos 6 milhões de sacos de carvão que a Somália exporta anualmente, al-Shabaab, cobra dos caminhões que viajam para o porto de Kismayo "pedágios" importantes.

É surpreendente que os militares do Quênia sejam tão facilmente corrompidos com al-Shabaab, já que esta banda tem perpetrado inúmeras ações na fronteira com o Quênia, matando dezenas de seus compatriotas, além de ter feito duas de suas operações mais espetaculares no seu território. Inicialmente, foi em setembro de 2013 com a tomada do Westgate Mall, no centro de Nairobi, que deixou cerca de 70 civis mortos e quase completamente destruída do edifício e o assalto na Universidade de Garissa, onde executaram 147 pessoas em abril de 2015.

A Somália, desde 1991 tendo-se tornado o epítome do Estado falhado, é atormentada com um quadro sombrio de violência, a realidade confronta a escalada das ações terroristas e a ameaça da retirada da AMISON.

Seu presidente Mohamed "Farmaajo" Abdullahi, que assumiu o cargo em fevereiro de 2017, com a aprovação de Washington, e tinha vindo com a esperança de uma mudança radical, tanto política como socialmente país enfrenta al-Shabaab, que é o único que continua enviando na Somália.

por Guadi Calvo

Do Resumen Latinoamericano

 

Please reload

Leia também...

"Como Mao Tsé-tung estudava e investigava"

21/11/2019

"Para você, amado camarada"

19/11/2019

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

18/11/2019

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

15/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube