"A lenta agonia palestina"

03/04/2018

 

O extermínio da Palestina, começou muito antes da declaração de independência do Estado de Israel em 14 de maio de 1948, e, certamente, a responsabilidade por esta lenta agonia foram as políticas coloniais da Grã-Bretanha e França, executados pelo acordo Sykes- Picot (1916), a Declaração de Balfour (1917) e outros embustes diplomáticos, embora a invasão da Palestina tivesse começado no final do século XIX e início do XX.

As grandes projeções do czar russo Alexandre III, na tentativa de exterminar a perigosa semente do sionismo, forçaram milhares de judeus a deixar a Rússia e os países do Leste Europeu.

As duas primeiras grandes migrações ou Aliyah judaica da Palestina, estenderam-se de 1882 a 1903, quando as comunidades Yishuv passando de 24.000 para 50.000, o segundo entre 1904 e 1914 dobrou o número total de judeus na Palestina 85 mil, o que provocou as queixas dos palestinos.

A Comissão King-Crane, criado pelo presidente dos Estados Unidos Woodrow Wilson em 1919 tinha a missão de visitar a Palestina e outros territórios árabes "top-down", e recebeu mais de 220 reclamações sobre os planos de assentamentos sionistas na Palestina , embora já então como aconteceu até o presente momento os protestos palestinos não foram atendidos. Entre 1919 e 1921, a imigração judaica para a Palestina atingiria cerca de 20.000 pessoas. Com a intenção de sacudir a comunidade judaica da Inglaterra, Winston Churchill antissemita declarado, escreveu em 1922: "A Palestina é tão judaica como a Inglaterra é inglesa". O que sem dúvida provocou, que entre os anos 1922 e 1926 o total de sionistas que desembarcaram ilegalmente para as terras palestinas fosse superior a setenta mil.

O ataque traiçoeiro perpetrado contra a aldeia palestina de Deir Yassin em abril de 1948, que deixou centenas de mortos, realizado pela gangues sionistas Irgun (Organização Militar Nacional na Terra de Israel) e Lechi (Lutadores para a Liberdade de Israel), apenas foi o preâmbulo das políticas sionistas que já foram multiplicados por milhares gerando centenas de milhares, mas um par de milhões, e os inúmeros conflitos, guerras e ataques, até que aconteceu na manhã de sexta-feira passada, 30, no qual eficaz o exército de ocupação sionista, abriu fogo contra cerca de 17 mil civis e manifestantes desarmados, que vieram para a fronteira do enclave sionista de cinco pontos diferentes de coluna Gaza: Rafha e Khan Younis, no sul, El-Bureij para Leste da capital de Gaza, no centro, e Jabalia, no norte.

A repressão deixou 16 mortos e 2 mil feridos, todos palestinos, com o impacto de balas de franco-atiradores postados em trincheiras do outro lado da fronteira. Enquanto outros foram tratados em diferentes centros de saúde por inalação de gás lacrimogêneo lançado pelo exército. Na brutal repressão policial houve estréia judaica um drone, onde uma dúzia de granadas de gás lacrimogéneo foram lançadas contra os manifestantes, de uma altura de 10 a 20 metros.

Este fato só anuncia uma nova escalada que poderia terminar com novos bombardeios da aviação sionista contra a população civil de Gaza, como aconteceu em 2014.

 

A manifestação convocada pelo movimento islâmico Hamas, como parte da campanha de protesto chamada "Longa Marcha do Retorno", que coincide com a lembrança de "Dia da Terra", no qual foram mortos seis camponeses palestinos na Galiléia em 1976 protestando contra o confisco de suas terras, será estendida até o Nakba (Catástrofe), em 15 de maio, que marca a expulsão de mais de 700.000 agricultores de suas terras e propriedades e o início do genocídio palestino e a expropriação de seus territórios ancestrais nas mãos das forças sionistas apoiadas pelos britânicos na época e pelos Estados Unidos hoje.

Tanto o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) Portugal, António Guterres e a chefe da diplomacia da União Europeia (UE) Alta Representante da diplomacia da União Europeia (UE), a italiana Federica Mogherini, solicitou uma investigação profunda e imparcial dos acontecimentos da última sexta-feira, mas, como toda a atenção à provocação de Israel, ficará impune. Por sua parte, os Estados Unidos limitaram-se a uma declaração de circunstância em que expressam seu "pesar profundo" e o pedido de "medidas para reduzir as tensões".

Apesar das ordens de Israel e dos Estados Unidos, para adiar a reunião para sábado, com a desculpa de Páscoa, na noite de sexta-feira mesmo o Conselho de Segurança das Nações Unidas reuniu sem a assistência de qualquer delegado de Israel.

A Turquia e membros da Liga Árabe, por sua vez, denunciaram Israel por "uso desproporcional da força" e classificou como "resposta feroz" para o ataque sionista.

Enquanto a organização judaica B'Tselem (Centro de Informação Israelense para os Direitos Humanos nos Territórios Ocupados) emitiu um comunicado alertando o governo sionista que "Gaza não é um campo de batalha e atirar nos manifestantes em crime ".

O que virá já é conhecido.

O regime teocrático sionista declarou que não se retirar de suas posições os manifestantes serão reprimidos, e que mesmo "poderia ir mais longe", que refere-se à última operação sionista contra Gaza de 2014 em que mais 40 dias intensos de bombardeio mataram quase 3 mil pessoas, das quais cerca de 800 eram crianças.

A longa ocupação sionista na Palestina está perto de completar 70 anos, onde a brutalidade e o vandalismo só podem ser comparados à Alemanha nazista.

Além da destruição física da nação palestina, onde eles demoliram milhares de cidades e aldeias, e começando coalho antigos olivais, o enclave sionista tornou-se a única nação no mundo a reconhecer a tortura como legal, da qual menores não são excluídos.

Neste século Tel-Aviv, assassinou mais de 3500 crianças e feriu cerca de 13 mil menores enquanto detiveram e prenderam ilegalmente quase um milhão de palestinos, dos quais 95% foram agredidos e torturados. Atualmente, há cerca de 6.500 civis presos em prisões sionistas, incluindo 300 crianças e cerca de 60 mulheres e meninas. Desde a Segunda Intifada 2000 crianças foram detidas no primeiro ano e outras 700 para cada ano subsequente.

Este novo "incidente" vai dar oportunidade para o genocida Benjamin Netanyahu fazer avançar a sua política de aniquilação das poucas posições palestinas e continuar em frente com novos assentamentos, sem a qual a opinião pública mundial, bem como organizações internacionais como as Nações Unidas, que apenas observam "escandalizadas" a lenta agonia palestina.

 

Por Guadi Calvo

Do Resumen Medio Oriente

 

 

Please reload

Leia também...

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

"O papel das mulheres na defesa de Stalingrado"

13/11/2019

Lenin: "Sobre os Sindicatos, o momento atual e os erros de Trotsky"

13/11/2019

URC: "Sobre o Golpe de Estado imperialista na Bolívia"

12/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube