"Violência, um vulcão em erupção na República Democrática do Congo"

16/01/2018


A violência continua na República Democrática do Congo (RDC) como um vulcão em erupção, com fontes que alimentam e ameaçam transformar o país em um estado falido.

Hoje, pelo menos quatro focos de violência são visíveis na RDC, a maioria no leste e no centro do país, embora a tempestade já tenha atingido a capital, Kinshasa, onde as principais instituições públicas e da sociedade civil estão concentradas e tem papéis mais destacados em todo o cenário nacional.

Os problemas que afetam a RDC são múltiplos devido ao seu lugar em termos de espaço geográfico e geopolítico, onde a colonização belga causou um total de mais de um milhão e meio de mortes.

A República Democrática do Congo – presumivelmente o território mais diversificado em termos de riqueza em África – está passando por um mau momento, à medida que a pressão política ativa a cratera controlada da disputa sobre a presidência do Estado e agora a lava queima tudo.

Que a violência se espalha e afeta tanto os nacionais quanto os estrangeiros: o ano que terminou foi o mais letal para a Missão da ONU lá – Moncheng – que sofreu a perda de 15 capacetes azuis e relatou 53 feridos em um ataque das Forças Aliadas Ugandesas Democratas (ADF), considerado a pior agressão desse tipo sofrida por esta tropa de pacificadores.
 

Processo de Desestabilização
O que agora se observa é o estágio de um processo de desestabilização do Estado pós-colonial, que também acontece em outras áreas da África, mas no caso congolês é paradigmático, porque depois de ser um emblema da descolonização em 1960, o país afundou no pântano.

A independência neocolonial deixou uma estrutura dependente da exportação de matérias-primas, com uma mão-de-obra atrasada e uma elite que respondia em grande parte aos padrões da ex-metrópole, na Bélgica, e com ela às grandes potências ocidentais.

Esse país africano sob controle belga de 1908 a 1960, e que o rei Leopoldo II governou como uma "fazenda", ainda sofre as conseqeências desse período em suas distorções sociais, embora ilustra o processo de descolonização continental, um dos suas figuras mais notáveis, o nacionalista Patricio Emery Lumumba, assassinado em 1961.

Para vários historiadores, a morte de Lumumba atrasou em muitos anos a verdadeira independência do país. Esse crime – revelado mais tarde por seus algozes – deixou em claro os limites da democracia ocidental diante das reivindicações africanas de soberania e desenvolvimento.

Assim que a independência foi formalizada, o panorama já era complexo: as tropas amotinadas e as províncias de Katanga, com Moses Tshombe e Kasai del Sur, quebraram a aliança política estabelecida em torno da figura de Lumumba, e tudo caiu no caos.

A traição do congolês Moise Tshombe, Joseph Kasavubu (partido ABAKO, ABAKO) e Joseph Mobutu (mais tarde se tornaria Mobutu Sese Seko), para derrubar e assassinar o primeiro-ministro Lumumba, foi apoiado por asseclas do ex-governo colonial e de serviços secretos como os da CIA.

Esta trama – atrás da qual eram os interesses das empresas transnacionais – abriu um caminho sombrio na história da atual República Democrática do Congo, a era do mobutismo, que terminou em 1998, com o exílio em Marrocos do governante. No entanto, o fim de Mobutu Sese Seko não foi o da violência.

Ainda não chamava Zaire quando os guerrilheiros de Laurent Desiré Kabila e seus aliados, do Ruanda e do Uganda, entraram em Kinshasa e começaram a mudar a história do país, algo impossível no interesse de seus dois vizinhos, o que acabou por quebrar a associação e foi para a chamada guerra mundial africana.

Mais Violência
Atribui-se a oficial dos EUA, Madeleine Albrich, a identificação da guerra de 1998 como a primeira guerra mundial africana, quando os aliados de Kabila se voltaram contra ela e sua autoridade foi desafiada por uma rebelião apoiada por Ruanda, Uganda e em menor medida por Burundi.

Tropas do Zimbabue, Angola, Namíbia, Chade e Sudão apoiaram o novo governo de Kinshasa, que iniciou a devastadora guerra também conhecida como Segunda Guerra do Congo; O primeiro foi contra Mobutu.

Este conflito armado causou mais de um milhão de mortes e gerou consequências políticas, econômicas e sociais negativas, como as dificuldades de implementar modelos assimiláveis ​​de governança, levando em consideração as características de cada região e comunidade.

Da mesma forma, a infra-estrutura produtiva foi afetada, já deficiente na era colonial; a exploração das corporações transnacionais se intensificou e piorou socialmente o declínio do padrão de vida da população, bem como seus padrões de segurança humana. Além disso, mais gangues criminosas surgiram ao lado de facções com um perfil ideológico, entre outros aspectos.

Após a briga, Laurent Desiré Kabila, líder da oposição e talvez por sua carreira como político e guerrilheiro, presidente do país de 1997 a 2001, seja condenado a ser vítima da Guerra Fria em um continente que se encaminha para o neoliberalismo.

É importante lembrar como um elemento mais dos links que persistiram, que as autoridades belgas foram as primeiras a assinalar internacionalmente o assassinato do ex-presidente da guerrilha.

E agora?
Todas as variáveis ​​indicadas na história congolesa estão relacionadas a soluções de continuidade violentas, que respondem parcialmente a alguns desafios, mas não ofereceram uma opção definitiva para atender a dois requisitos: segurança e desenvolvimento.

Entre os acadêmicos, uma RDC instável é considerada benéfica para os poderes extra-regionais, porque o que acontece no território congolês afetará toda a África Central, os Grandes Lagos e até a região sul, que é, em suma, a maioria da área subsaariana.

O fortalecimento do desequilíbrio para manter um sujeito do Estado pode beneficiar as grandes capitais do mundo nesta era da tecnologia coltan (colombo-tantalite), da qual a República Democrática do Congo é o principal exportador do mundo e para cuja extração recebe pouco do comércio internacional.

A violência se intensifica novamente e agora o motivo da briga é a corrida de oposição contra o presidente, Joseph Kabila, apoiado pelas forças de segurança, mas criticado pela sociedade civil antes de um suposto terceiro mandato à frente do país, quando a Constituição aceita só dois.

Desde o final do ano passado, uma nova dose letal foi adicionada à pólvora e a oposição política – que acordou em dezembro de 2016 com o presidente a questão das eleições para 2017 – considera que o tempo que o ano acabou.

De acordo com estimativas, em média, cerca de 5.500 pessoas deixam suas casas todos os dias na RDC, onde mais de 70 facções armadas lutam pelo controle de recursos de maneira geral, o que os faz temer que o país passará de crise a catástrofe .

O Observatório de Deslocação Interna (IDMC) indicou que mais de 1,7 milhões de congoleses fugiram de suas casas em 2017 devido à insegurança, que colocou o total de pessoas deslocadas em quatro milhões, mais do que nos casos da Síria, do Iêmen e Sudão do Sul, que estão em guerra.

Conflitos foram organizados nas ruas entre manifestantes e policiais antidistúrbios que mataram, a maioria deles em Kinshasa, onde os eventos envolveram católicos devotos: 82 foram presos naquela capital e 41 no resto do país, informou a mídia.

O Comitê Laico de Coordenação da Igreja Católica organizou, em 31 de dezembro, a nível nacional, uma marcha para exigir a plena implementação do Acordo de Fim do Ano em todas as suas disposições, que enfrentou as forças públicas e que desencadeou tensões, o que na verdade, desconhecem sobre quando cessarão.



por Julio Morejón, Chefe do Escritório Editorial da África e Oriente Médio da Prensa Latina.

 

Please reload

Leia também...

URC: "Sobre o Golpe de Estado imperialista na Bolívia"

12/11/2019

Engels: "Marx e a Neue Rheinische Zeitung"

12/11/2019

O XX Congresso do PCUS e a crise no Partido Comunista do Brasil (PCB)

11/11/2019

Marx: "Carta a Pavel V. Annenkov"

11/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube