"O Corredor Vermelho na Índia"

20/06/2017

 

Em 1967 uma grande insurreição de operários e camponeses da região de Naxalbari (e por isso que os revolucionários maoístas indianos são denominados naxalitas) se levantava contra a opressão feudal e as castas nobres e aristocráticas da região.

 

Empunhando armas rudimentares - paus, foices e facões - se levantaram contra o Estado indiano, que respondeu com uma repressão atroz que custou milhares de vidas e arrasou povoados e vilarejos inteiros, cujos habitantes tiveram que fugir ou se esconder nas florestas próximas.

 

Desde então, a influência da insurreição tem sido crescente, até a condição atual onde dominam um largo corredor – conhecido como “Corredor Vermelho” – que se estende por mais de 60 distritos, desde as fronteiras do norte do Himalaya com o Nepal, passando pela costa ocidental do Estado de Karnataka, até o mar da Arábia.

 

Nas zonas libertas sob o controle dos naxalitas, os governos populares locais se orientam e se guiam pelo princípio de conseguir o bem-estar da população, combatendo a miséria, o atraso e a opressão que historicamente sofrem as comunidades locais submetidas ao domínio das castas superiores, às antigas nobrezas feudais agora convertidas nas novas classes dos senhores de terras e que controlam os governos regionais indianos.

 

Os naxalitas promovem a construção de hospitais; a prestação de serviços médicos para as aldeias mais remotas, mediante o método inspirado na revolução chinesa dos “médicos descalços”; a alfabetização em condições de igualdade para meninos e meninas; o fomento da organização popular e a participação democrática do povo na vida política através dos bairros, distritos e aldeias; bem como a organização de serviços de seguridade pública e reforma agrária.

 

Nos últimos anos, soma-se uma conscientização das massas sobre as questões relacionadas à preservação do meio ambiente, dos recursos naturais e agrícolas das florestas, que estão sendo literalmente dizimados por inúmeras concessões que os governos locais e regionais – em troca de gordas comissões e propinas – estão concedendo aos monopólios imperialistas para a exploração mineral do subsolo indiano, repleto de riquezas naturais.

 

A situação atual que atravessa a Índia vai muito além das imagens e análises que vemos diariamente em torno da capacidade do país em converter-se em potência mundial. O descontentamento popular em torno do sistema sócio-político existente, qualificada como “a democracia mais populosa do mundo”, vem aumentando. O desenvolvimento desigual na Índia também está contribuindo para que as pautas dos naxalitas encontrem cada vez mais eco entre os diferentes setores da sociedade. Assim, aumenta sua influência entre os críticos do sistema de castas, que caracteriza o semifeudalismo que impera em zonas rurais da Índia; os camponeses castigados pelo processo de privatização da terra promovido pela economia globalizada; e as massas de pessoas desalojadas pelos macro projetos desenvolvimentistas, incluso partes das classes médias, cada vez mais deslocadas dos centros do poder e privados da influência que tiveram no passado.

 

Ante esta realidade, as respostas do governo indiano oscilam entre tentativas de ocultar ou minimizar a importância do movimento naxalita, até os métodos repressivos mais sinistros. A criação de milícias paramilitares, como o “Salwa Judum”, são claros expoentes desta política.

 

Do blog Odio de Clase

 

Please reload

Leia também...

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

"O papel das mulheres na defesa de Stalingrado"

13/11/2019

Lenin: "Sobre os Sindicatos, o momento atual e os erros de Trotsky"

13/11/2019

URC: "Sobre o Golpe de Estado imperialista na Bolívia"

12/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube