Huey P. Newton fala ao 'The Movement' sobre o Partido dos Panteras Negras em 1968

23/05/2017

 THE MOVEMENT: A questão do nacionalismo é uma questão vital no movimento negro hoje. Alguns fazem uma distinção entre nacionalismo cultural e nacionalismo revolucionário. Você gostaria de falar sobre as diferenças e nos dizer qual é a sua perspectiva?

HUEY P. NEWTON: Existem dois tipos de nacionalismo, o nacionalismo revolucionário e o nacionalismo reacionário. O nacionalismo revolucionário depende primeiramente de uma revolução popular que tenha como meta o povo no poder. Por isso, para ser um nacionalista revolucionário você teria necessariamente que ser um socialista. Se você é um nacionalista reacionário, você não é um socialista, e sua meta final é a opressão do povo. O nacionalismo cultural, ou nacionalismo de costela de porco, como eu chamo às vezes, é basicamente um problema de ter a perspectiva política errada. Ele parece ser uma reação, ao invés de responder à opressão política. Os nacionalistas culturais estão preocupados em retornar à velha cultura africana e, com isso, reconquistar sua identidade e liberdade. Em muitos casos, os nacionalistas culturais se alinham com um nacionalismo reacionário. Papa Doc, no Haiti, é um excelente exemplo de nacionalismo reacionário. Ele oprime o povo, mas promove a cultura africana. Ele é contra qualquer coisa que não seja negra, o que superficialmente parece muito bom, mas para ele é apenas uma maneira de enganar o povo. Ele só expulsou os racistas e os substitui por ele mesmo como opressor. Muitos dos nacionalistas nesse país parecem desejar os mesmos objetivos. O Black Panther Party, que é um grupo revolucionário do povo negro, percebe que temos que ter uma identidade. Temos que perceber nossa herança negra para nos dar força de ir adiante e progredir. Mas quanto a retornar à velha cultura africana, é desnecessário e desvantajoso em muitos pontos. Acreditamos que a cultura por si mesma não vai nos liberar. Vamos precisar de coisas mais fortes.

 

NACIONALISMO REVOLUCIONÁRIO

 

Um belo exemplo de nacionalismo revolucionário foi a revolução na Argélia, quando Ben Bella assumiu. Os franceses foram expulsos, mas foi uma revolução popular, porque o povo terminou no poder. Os líderes que assumiram não estavam interessados em razões de lucro, em que poderiam explorar o povo e mantê-lo num estado de escravidão. Eles nacionalizaram a indústria e semearam todos os lucros possíveis na comunidade. Em poucas palavras, é disso que se trata no socialismo.  Os representantes do povo exercem suas funções estritamente com a permissão do povo. A riqueza do país é controlada pelo povo e eles são consultados sempre que modificações nas indústrias são feitas. O Black Panther Party é um grupo nacionalista revolucionário e vemos uma contradição fundamental entre o capitalismo nesse país e os nossos interesses. Percebemos que esse país se tornou muito rico com a escravidão e que a escravidão é o capitalismo ao extremo. Nós temos dois males para combater: o capitalismo e o racismo. Devemos destruir tanto o racismo quanto o capitalismo.

 

MOVEMENT: A questão da unidade no interior da comunidade negra está diretamente relacionada com a questão do nacionalismo. Houveram algumas questões sobre isso, já que o Partido Pantera Negra Black Panther Party lançou candidatos contra outros candidatos negros nas eleições recentes na Califórnia. Qual é a sua posição sobre isso?

HUEY: Bem, uma coisa muito peculiar aconteceu. Historicamente, tínhamos o que Malcolm X chamava de negro da plantação e negro da casa. O negro da casa tinha alguns privilégios, um pouco mais. Ele ganhava as roupas usadas do senhor e não tinha que trabalhar tanto quanto o negro da plantação. Ele chegava a respeitar o senhor a tal ponto que ele se identificava com o senhor, porque ganhava algumas das sobras que os negros da plantação não ganhavam. E, por ter essa identidade com ele, ele via os interesses do senhor de escravos como sendo os seus interesses. Em alguns momentos ele chegaria até a proteger o senhor de escravos mais do que ele protegia a si mesmo. Malcolm argumenta que se a casa do senhor pegasse fogo, o negro da casa trabalharia mais duro do que o senhor para apagar o fogo e salvar a casa do senhor, enquanto o negro da plantação, os negros da plantação, estavam rezando para que a casa queimasse por inteiro. O negro da casa se identificava tanto com o senhor que quando ele ficava doente, o negro da casa diria, “Senhor, estamos doentes!”

 

BURGUESIA NEGRA

 

O Black Panther Party são os negros da plantação, e estamos esperando que o senhor morra quando ele ficar doente. A burguesia negra parece estar agindo no papel do negro da casa. Eles são pró-administração. Eles gostariam que algumas concessões fossem feitas, mas na configuração geral, eles tem um pouco mais de bens materiais, um pouco mais de vantagens, um pouco mais de privilégios do que os pobretões negros; a classe inferior. E, assim, eles se identificam com a estrutura de poder e veem os seus interesses como os interesses da estrutura de poder. Na verdade, ela é contrária aos seus interesses. O Black Panther Party foi forçado a traçar uma linha de demarcação. Somos por todos aqueles que são pelo avanço do interesse dos negros pobres, que representam por volta de 98% dos negros aqui na América. Não somos controlados pelos radicais brancos desse país, nem somos controlados pela burguesia negra. Temos uma mente própria e se a burguesia negra não puder se alinhar com nosso programa inteiro, então a burguesia negra se coloca como nossa inimiga. E serão tratados e atacados como tais.

 

MOVEMENT: O Black Panther Party teve um contato considerável com os radicais brancos desde seus primeiros dias. Qual é o papel desses radicais brancos, na sua perspectiva?

HUEY: Os radicais brancos desse país são a descendência dos filhos da besta que saqueou o mundo explorando todas as pessoas, se concentrando nas pessoas de cor. Eles são os filhos da besta que agora buscam se redimir, porque percebem que seus heróis anteriores, que eram senhores de escravos e assassinos, pregavam ideias que eram apenas fachadas para esconder a traição que infligiam no mundo. Eles estão virando as costas para seus pais.

 

O radical branco desse país, resistindo ao sistema, se torna de certo modo uma coisa abstrata, porque ele não é oprimido tanto quanto o povo negro é. Na verdade, a sua opressão é mais ou menos abstrata simplesmente porque ele não tem que viver em uma realidade de opressão.

 

O povo negro na América e as pessoas de cor em todo o mundo sofrem não apenas da exploração, mas sofrem também com o racismo. O povo negro na América, a colônia negra, é oprimido porque somos negros e somos explorados. Os brancos são rebeldes, muitos deles da classe média e quanto a qualquer opressão aberta, esse não é o caso. Então, eu chamo a sua rejeição do sistema de uma coisa mais ou menos abstrata. Eles estão procurando por novos heróis. Eles estão buscando limpar a hipocrisia que os seus pais deram ao mundo. Fazendo isso, eles veem as pessoas que estão realmente lutando por liberdade. Eles veem as pessoas que estão realmente defendendo a justiça e a igualdade e a paz por todo o mundo. Eles veem o povo do Vietnã, o povo da América Latina, o povo da Ásia, o povo da África e povo negro na colônia negra aqui na América.

 

REVOLUCIONÁRIOS BRANCOS

Isso coloca mais ou menos um problema, de muitas maneiras, para o revolucionário negro, especialmente para o nacionalista cultural. O nacionalista cultural não entende os revolucionários brancos porque ele não pode ver porque uma pessoa branca se voltaria contra o sistema. Então, ele pensa que talvez isso seja mais hipocrisia sendo plantada pelas pessoas brancas.

 

Pessoalmente, penso que existem muitos jovens revolucionários brancos que são sinceros em sua tentativa de se realinhar com a humanidade e tornar realidade os altos padrões morais que seus pais e antepassados apenas exprimiram. Buscando novos heróis, os jovens revolucionários brancos encontraram os heróis na colónia negra no país e nas colônias em todo o mundo.

 

Os jovens revolucionários brancos levantaram a exigência para que as tropas se retirassem do Vietnã, tirassem as mãos da América Latina, se retirassem da República Dominicana e também se retirassem da comunidade negra ou da colônia negra. Então, você tem uma situação em que os jovens revolucionários brancos estão tentando se identificar com os povos oprimidos das colônias e contra o explorador.

 

O problema surge, então, no papel que eles podem assumir. Como eles podem ajudar a colônia? Como eles podem ajudar o Black Panther Party ou qualquer outro grupo revolucionário? Eles podem ajudar os revolucionários negros, em primeiro lugar, simplesmente se afastando da ordem atual, e, em segundo lugar, escolhendo seus amigos. Por exemplo, eles têm a escolha de serem ou amigos de Lyndon Barnes Johnson ou de Fidel Castro. Amigos de Robert Kennedy ou amigos de Ho Chi Minh. E esses são opostos diretos. Amigos meus ou amigos de Johnson. Depois que fizerem essa escolha, então os revolucionários brancos têm um dever e uma responsabilidade de agir.

 

O sistema imperialista ou capitalista ocupa regiões. Ele ocupa o Vietnã agora. Eles o ocupam mandando soldados para lá, mandando policiais para lá. Os policiais ou soldados são apenas uma arma na mão da ordem. Eles tornam o racista seguro no seu racismo. A arma na mão da ordem torna a ordem segura em sua exploração. O primeiro problema parece ser remover a arma da mão da ordem. Até pouco tempo atrás o radical branco não via razão para entrar em confronto com os policiais em sua própria comunidade. A razão pela qual eu disse até pouco tempo atrás é porque há atrito agora no país entre os jovens revolucionários brancos e a polícia. Porque agora os revolucionários brancos estão tentando colocar algumas das suas ideias em ação, e há tensão. Dizemos que isso deve ser uma coisa permanente. O povo negro está sendo oprimido na colônia por policiais brancos, por racistas brancos. Estamos dizendo que eles devem se retirar. Percebemos que não é apenas o departamento policial de Oakland, mas as forças de segurança em geral. No dia 6 de abril não foi só o departamento de polícia de Oakland que emboscou os panteras. Foi o departamento de polícia de Oakland, o departamento de polícia de Emeryville e eu não me surpreenderia se houvessem mais outros. Quando os revolucionários brancos se mobilizaram para fechar o terminal do exército em outubro de 1965 não foi a polícia de Oakland por sua própria conta que tentou detê-los. Foram a polícia de Oakland, a polícia de Berkeley, a Patrulha Rodoviária, o Departamento do Xerife, e a guarda nacional que estavam a postos.

 

Então, vemos que eles são todos parte de uma força de segurança para proteger o status quo; para garantir que as instituições consigam executar seus objetivos. Eles estão aqui para proteger o sistema. No que me diz respeito, a única conclusão razoável seria primeiro perceber o inimigo, conceber um plano, e então quando alguma coisa acontecer na colônia negra – quando somos atacados e emboscados na colônia negra –, então os estudantes e intelectuais brancos revolucionários e todos os outros brancos que apoiam a colônia deveriam responder nos defendendo, atacando o inimigo em suas comunidades. A cada vez que formos atacados em nossa comunidade, deve haver uma reação dos revolucionários brancos; eles devem responder nos defendendo, atacando parte das forças de segurança. Parte dessa força de segurança que está determinada a executar os objetivos racistas das instituições americanas.

 

No que diz respeito ao nosso partido, o Black Panther Party é um partido totalmente negro, porque pensamos, como Malcolm X pensava, que não pode haver unidade entre brancos e negros até que primeiro exista unidade entre os negros. Temos um problema na colônia negra que é particular à colônia, mas estamos dispostos a aceitar ajuda do país desde que os radicais desse país percebam que temos, como Eldrige Cleaver diz em Soul on Ice, uma mente própria. Reconquistamos nossa mente, que foi tirada de nós, e vamos decidir as posições políticas e práticas que vamos tomar. Nós vamos fazer a teoria e executar a prática. É dever do revolucionário branco nos ajudar nisso. Então, o papel do radical desse país, e ele tem um papel, é primeiro escolher seus amigos e seus inimigos, e, depois de fazer isso, coisa que parece que ele já fez, então ele tem que não só rearticular seus desejos para reconquistar seus padrões morais e se realinhar com a humanidade, mas também colocar isso em prática atacando os protetores das instituições.

 

MOVEMENT: Você falou bastante de lidar com os protetores do sistema, as forças armadas. Você gostaria de elaborar mais a razão pela qual você coloca tanta ênfase nisso?

HUEY: As razões pelas quais penso muito na questão de lidar com os protetores do sistema são simplesmente que sem essa proteção do exército, da polícia, dos militares, as instituições não poderia continuar com seu racismo e sua exploração. Por exemplo, quando os vietnamitas expulsam as tropas americanas imperialistas do Vietnã, eles automaticamente fazem com que as instituições racistas e imperialistas da América parem de oprimir esse país em particular. O país não pode implementar seu programa racista sem armas. E as armas são o exército e a polícia. Se os militares forem desarmados no Vietnã, então os vietnamitas serão vitoriosos. Estamos na mesma situação aqui na América. Sempre que atacamos o sistema, a primeira coisa que os administradores fazem é mandar seus homens de armas. Se é uma greve pelo aluguel, por causa das habitações indecentes que temos, eles vão mandar a polícia para jogar os móveis pela janela. Eles mesmos não vêm. Eles mandam seus protetores. Então, para lidar com o explorador corrupto você vai ter que lidar com seu protetor, que é a polícia que recebe ordens dele. Isso é uma necessidade.

 

MOVEMENT: Você gostaria de ser mais específico em relação às condições que devem existir antes de uma aliança ou coalizão possa ser formada com grupos predominantemente brancos? Você poderia comentar em especial a sua aliança com o Peace and Freedom Party na Califórnia?

HUEY: Temos uma aliança com o Peace and Freedom Party. O Peace and Freedom Party apoiou nosso programa integralmente e esse é o critério para uma coalizão com o grupo revolucionário negro. Se eles não tivessem apoiado integralmente nosso programa, então não veríamos nenhuma razão para fazer uma aliança com eles, porque somos a realidade da opressão. Eles não são. Eles são apenas oprimidos de uma maneira abstrata; somos oprimidos de uma maneira real. Nós somos os verdadeiros escravos! Então, esse é um problema pelo qual passamos mais do que qualquer um, e é nosso problema de libertação. Assim, deveríamos decidir que medidas e que ferramentas e que programas usar para nos libertar. Muitos dos jovens revolucionários brancos percebem isso e eu não vejo razão para não ter uma coalizão com eles.

 

MOVEMENT: Outros grupos negros parecem sentir que por suas experiências passadas é impossível para eles trabalhar com brancos e é impossível formar alianças. Quais razões você vê para isso e você pensa que a história do Black Panther Party torna esse um problema menor?

HUEY: Sempre houve uma espécie de relação doentia no passado com os liberais brancos apoiando as pessoas negras que estavam tentando conquistar sua liberdade. Eu os chamo de liberais brancos porque eles são muito diferentes dos radicais brancos. A relação era que os brancos controlaram o SNCC por muito tempo. Desde o início do SNCC até recentemente, eles eram a mente do SNCC. Eles controlavam o programa do SNCC com dinheiro e eles controlavam a ideologia, ou as posições que o SNCC iria tomar. Os negros no SNCC eram completamente controlados programaticamente; eles não podiam fazer mais do que o que esses liberais brancos queriam que eles fizessem, o que não era muito. Então, os liberais brancos não estavam trabalhando pela autodeterminação da comunidade negra. Eles estavam interessados em algumas concessões de uma estrutura de poder. Eles sabotaram o programa do SNCC. Stokely Charmichael chegou e, percebendo isso, começou a seguir o programa de Malcolm X para o Black Power. Isso assustou muitos dos liberais brancos que estavam apoiando o SNCC. Os brancos tiveram medo quando Stokely veio com o Black Power e disse que o povo negro tinha uma mente própria e que o SNCC seria uma organização totalmente negra e que o SNCC buscaria a autodeterminação para a comunidade negra. Os liberais brancos retiraram seu apoio, deixando a organização financeiramente quebrada. Os negros que estavam na organização, Stokely e H. Rap Brown, ficaram com muita raiva dos liberais brancos que os estavam ajudando sob a aparência de serem sinceros. Eles não eram sinceros. O resultado foi que a liderança do SNCC se afastou dos liberais brancos, o que foi muito bom. Eu não penso que eles distinguiram o liberal branco e o revolucionário branco, porque o revolucionário branco também é branco e eles tem muito medo de ter qualquer contato com pessoas brancas. Até mesmo ao ponto de negar que os revolucionários brancos poderiam dar apoio, apoiando os programas do SNCC no país. Não fazendo programas, não sendo um membro da organização, mas simplesmente resistindo. Da mesma maneira que o povo vietnamita percebe que eles são apoiados sempre que outros povos oprimidos pelo mundo resistem. Porque isso ajuda a dividir as tropas. Isso drena o país militar e economicamente. Se os radicais desse país são sinceros, então isso definitivamente se somaria ao ataque que estamos fazendo à estrutura de poder. O programa do Black Panther Party é um programa em que reconhecemos que uma revolução no país definitivamente nos ajudaria e tem tudo a ver com nossa luta!

 

ODEIE O OPRESSOR

 

Penso que um dos maiores problemas do SNCC é que eles eram controlados pelo administrador tradicional: o administrador onipotente, a pessoa branca. Ele era a mente do SNCC. E então o SNCC reconquistou sua mente, mas acredito que ele perdeu sua perspectiva política. Penso que isso foi uma reação mais do que uma resposta. O Black Panther Party NUNCA foi controlado por pessoas brancas. O Black Panther Party sempre foi um grupo negro. Sempre tivemos uma integração de mente e corpo. Nunca fomos controlados por brancos, e, portanto, não tememos os radicais brancos desse país. Nossa aliança é a dos grupos organizados negros com os grupos organizados brancos. Logo que os grupos organizados brancos deixem de fazer as coisas que nos beneficiariam em nossa luta pela libertação, esse será nosso ponto de afastamento. Então, não sofremos com o complexo de cor de pele. Não odiamos pessoas brancas; odiamos o opressor. E se acontece de o opressor ser branco, o odiamos. Quando ele deixa de nos oprimir, não o odiamos mais. E nesse momento, na América, os senhores de escravos são um grupo branco. Estamos os expulsando do cargo com a revolução nesse país. Penso que a responsabilidade do revolucionário branco será nos ajudar nisso. E quanto somos atacados pela polícia ou pelos militares, então cabe ao revolucionário branco desse país atacar os assassinos e responder como respondemos, seguir nosso programa.

 

SENHORES DE ESCRAVOS

 

MOVEMENT: Você aponta que existe um processo psicológico que existe historicamente nas relações entre brancos e negros nos EUA, e que ele deve mudar no decorrer da luta revolucionária. Gostaria de falar sobre isso?

HUEY: Sim. A relação histórica entre o negro e o branco aqui na América foi a relação entre o escravo e o senhor; o senhor sendo a mente e o escravo o corpo. O escravo executaria as ordens que a mente exigia que ele executasse. Fazendo isso, o senhor roubava a virilidade do escravo, porque arrancava sua mente. Ele arrancava as mentes do povo negro. No processo, o senhor de escravos arrancava seu próprio corpo de si mesmo. Como Eldrige diz, o senhor de escravos se torna um administrador onipotente e o escravo se torna o servo supermasculino. Isso coloca o administrador onipotente na posição de controle ou no cargo principal, e o servo supermasculino na plantação. Toda a relação se desenvolveu de modo que o administrador onipotente e o servo supermasculino se tornam opostos. O escravo sendo um corpo muito forte fazendo todas as coisas práticas, todo o trabalho se torna bastante masculino. O administrador onipotente, no processo de remover a si mesmo de todas as funções corpóreas, percebe mais tarde que ele se emasculou. E isso é muito perturbador para ele. Então, o escravo perdeu a sua mente e o senhor de escravos seu corpo.

 

INVEJA DO PÊNIS

 

Isso fez com que o senhor de escravos tivesse muita inveja do escravo, porque ele imaginava o escravo como sendo mais homem, sendo sexualmente superior, porque o pênis é parte do corpo. O administrador onipotente baixou um decreto quando percebeu que seu plano para escravizar o homem negro tinha uma falha, quando descobriu que ele havia emasculado a si mesmo. Ele tentou atar o pênis do escravo. Ele tentou mostrar que o seu pênis poderia alcançar mais longe do que o do servo supermasculino. Ele disse “eu, o administrador onipotente, posso ter acesso à mulher negra”. O servo supermasculino então, teve uma atração psicológica pela mulher branca (a esquisita ultrafeminina) pela simples razão de que ela era fruto proibido. O administrador onipotente decretou que esse tipo de contato seria punido com a morte. Ao mesmo tempo, para reforçar seu desejo sexual, para confirmar sua virilidade, ele iria ao quartos dos escravos e teria relações sexuais com a mulher negra (a amazona autossuficiente). Não para se satisfazer, mas simplesmente para confirmar sua virilidade. Porque se ele conseguisse satisfazer a amazona autossuficiente, então ele estaria certo de que ele era um homem. Porque ele não tem um corpo, ele não tem um pênis, ele quer castrar psicologicamente o homem negro. O escravo estava constantemente buscando a unidade consigo mesmo: uma mente e um corpo. Ele sempre quis poder decidir, ganhar o respeito de sua mulher. Porque a mulher deseja alguém que possa controlar. Eu faço essa imagem para olharmos para o quadro geral do que está acontecendo agora. A estrutura do poder branco hoje na América se define como a mente. Eles querem o controle do mundo. Eles vão e saqueiam o mundo. Eles são os policiais do mundo, exercendo o controle especialmente em relação às pessoas de cor.

 

RE-CAPTURAR A MENTE

 

O homem branco não pode conquistar sua virilidade, não pode se unir com o corpo, porque o corpo é negro. O corpo simboliza a escravidão e a força. É uma coisa biológica da maneira como ele vê. O escravo está em uma situação muito mais vantajosa, porque não ser um homem integral sempre foi encarado como uma coisa psicológica. E é sempre mais fácil fazer uma transição psicológica do que uma biológica. Se ele conseguir recapturar sua mente, recapturar seus culhões, então ele vai perder todo o medo e será livre para determinar seu destino. É isso o que está acontecendo nesse momento com a rebelião dos povos oprimidos do mundo contra o controlador. Eles estão reconquistando sua mente, e estão dizendo que têm uma mente própria. Estão dizendo que querem liberdade para determinar o destino de nosso povo, unindo, assim, a mente e seus corpos. Eles estão pegando de volta a mente do administrador onipotente, o controlador, o explorador. Na América, o povo negro também está dizendo que têm uma mente própria. Temos que ter a liberdade de determinar nossos destinos. É uma coisa quase espiritual, essa unidade, essa harmonia. Essa unidade da mente e do corpo, essa unidade do homem consigo mesmo. Algumas palavras de ordem do Presidente Mao, eu acho, demonstram essa teoria de unir a mente com o corpo no homem. Um exemplo é seu chamado para que os intelectuais fossem ao campo. Os camponeses no campo são todos corpos; eles são trabalhadores. E ele mandou os intelectuais para lá porque a ditadura do proletariado não tem lugar para o administrador onipotente; não tem lugar para o explorador. Então, por isso, ele deve ir para o campo para reconquistar seu corpo; ele deve trabalhar. E realmente se faz um favor a ele, porque o povo o força a unir sua mente e seu corpo colocando os dois para trabalhar. E ao mesmo tempo, o intelectual ensina às pessoas ideologia política, ele as educa, unindo assim a mente e o corpo no camponês.

 

O GUERRILHEIRO

 

MOVEMENT: Você mencionou em outro momento que o guerrilheiro era o homem perfeito, e esse tipo de formulação parece se encaixar diretamente com o guerrilheiro como homem político. Gostaria de falar sobre isso?

HUEY: Sim. O guerrilheiro é um homem bastante singular. Isso se opõe às teorias marxistas-leninistas ortodoxas em que o partido controla o exército. O guerrilheiro não é apenas o guerreiro, o combatente militar; ele é também tanto o comandante militar quanto o teórico político. Debray diz “pobre da caneta sem as armas, pobres das armas sem a caneta”. A caneta sendo só uma extensão da mente, uma ferramenta para escrever conceitos, ideias. A arma é só uma extensão do corpo, a extensão de nossas presas que perdemos na evolução. Ela é a arma, as garras que perdemos, ela é o corpo. O guerrilheiro é o comandante militar e o teórico político, todos em um só. Na Bolívia, Che disse que ele teve muito pouca ajuda do Partido Comunista de lá. O Partido Comunista queria ser a mente, o Partido Comunista queria o controle total da atividade guerrilheira. Mas ainda assim, não estavam tomando parte no trabalho prático das guerrilhas. O guerrilheiro, por outro lado, não apenas está unido com ele mesmo, mas ele também tenta difundir isso pelo povo educando os camponeses, dando uma perspectiva política a eles, apontando coisas, os educando politicamente, e armando o povo. Portanto, o guerrilheiro está dando aos camponeses e operários uma mente. Porque eles já têm o corpo, e você tem uma unidade da mente e do corpo. O povo negro aqui na América, que por muito tempo tem sido operários, reconquistou sua mente, e agora temos uma unidade da mente e do corpo.

 

MOVEMENT: Você estaria disposto a estender essa fórmula nos termos dos radicais brancos; a dizer que uma das suas lutas hoje é para reconquistar seus corpos?

HUEY: Sim. Achei que tinha deixado isso claro. O radical branco desse país, ao se tornar um ativista, está tentando reconquistar seu corpo. Sendo um ativista e não o teórico tradicional que determina um plano, como o Partido Comunista tem tentado fazer desde muito tempo, o radical branco desse país está reconquistando seu corpo. A resistência dos radicais brancos em Berkeley durante as últimas três noites é uma boa indicação de que os radicais brancos estão no caminho certo. Eles identificaram seus inimigos. Os radicais brancos integraram a teoria e a prática. Eles perceberam que o sistema americano é o verdadeiro inimigo, mas para atacar o sistema americano eles precisam atacar o policial comum. Para atacar o sistema educacional, eles precisam atacar o professor comum. Assim como o povo vietnamita, para atacar o sistema americano, deve atacar o soldado comum. Os radicais brancos desse país agora estão reconquistando seus corpos e eles estão também reconhecendo que o homem negro tem uma mente e que ele é um homem.

 

MOVEMENT: Você gostaria de comentar sobre como essa compreensão psicológica nos ajuda na luta revolucionária?

HUEY: Você pode ver que, até recentemente, em suas declarações as pessoas negras que não haviam sido esclarecidas definiram o homem branco chamando-o de “o HOMEM”. “O Homem” está tomando a decisão, “O Homem” isso, “O Homem” aquilo. A mulher negra achava difícil respeitar o homem negro porque ele nem mesmo se definia como homem! Porque ele não tinha uma mente, porque a capacidade de tomar decisões estava fora dele. Mas o grupo de vanguarda, o Black Panther Party, juntamente com todos os grupos negros revolucionários, reconquistou nossas mentes e nossa virilidade. Assim, não definimos mais o administrador onipotente como “o Homem”, ou a autoridade como “o HOMEM”. Na verdade, o administrador onipotente, junto com todos os seus agentes de segurança, é menos do que um homem, porque NÓS os definimos como porcos! Eu acho que essa é uma coisa por si mesma revolucionária. Isso é poder político. Isso é o próprio poder. Na verdade, o que é o poder além da habilidade de definir os fenômenos e então fazê-los agir de uma determinada maneira? Quando as pessoas negras começam a definir as coisas e a fazer com que elas ajam da maneira desejada, então chamamos isso Black Power!

 

MOVEMENT: Você gostaria de falar mais sobre o que você quer dizer com Black Power?

HUEY: O Black Power é, na realidade, o poder do povo. O Programa Pantera Negra, o Poder Pantera, como chamamos, vai implementar esse poder do povo. Respeitamos toda a humanidade e pensamos que o povo devem controlar e determinar seus destinos. Elimine o controlador. Ter Black Power não humilha ou subjuga ninguém à escravidão ou à opressão. Black Power é dar poder ao povo que não teve o poder de determinar seu destino. Defendemos e ajudamos qualquer pessoa que estiver lutando para determinar seu destino. E isso independentemente da cor. Os vietnamitas dizem que o Vietnã deve poder determinar seu próprio destino. Poder do povo vietnamita. Também gritamos pelo poder do povo vietnamita. Os latinos estão falando de América Latina para os latino-americanos. Cuba si, Yanqui no. Não é que eles não queiram que os ianques não tenham nenhum poder, eles só não querem que os ianques não tenham poder sobre eles. Eles poder ter poder sobre eles mesmos. Nós na colônia negra na América queremos poder ter poder sobre nossos próprios destinos, e isso é Black Power.

 

MOVEMENT: Muitos radicais brancos são românticos em relação ao que Che disse: “na revolução, ou se ganha ou se morre”. Para muitos de nós, essa é uma questão abstrata ou teórica. Para você é uma questão real e gostaríamos que você falasse um pouco sobre o que pensa sobre isso.

HUEY: Sim. O revolucionário não enxerga acordos. Não vamos fazer acordos porque os problema é muito básico. Se transigimos uma vírgula, vamos estar vendendo nossa liberdade. Estaremos vendendo a revolução. E nos recusamos a continuar escravos. Como Eldridge diz em Soul on Ice, “um escravo que morre de causas naturais não irá mover duas moscas mortas na balança da eternidade”. No que nos diz respeito, preferimos estar mortos a continuar na escravidão em que estamos. Uma vez que fazemos acordos, não estamos fazendo acordos apenas com nossa liberdade, mas também com nossa humanidade. Percebemos que estamos indo contra um país altamente tecnológico, e percebemos que eles não são apenas tigres de papel, como Mao diz, mas tigres reais, porque eles têm a capacidade de chacinar muitas pessoas. Mas a longo prazo, eles se mostrarão tigres de papel, porque não estão alinhados com a humanidade; eles estão divorciados do povo. Sabermos que nosso inimigo é muito poderoso e que nossa humanidade está em jogo, mas sentimos que é necessário sermos vitoriosos para nos reconquistar, reconquistas nossa humanidade. E esse é o ponto fundamental. Então, ou nós fazemos isso ou não teremos liberdade alguma. Ou vencemos ou vamos morrer tentando vencer.

 

O ESTADO DE ESPÍRITO DO POVO NEGRO

 

MOVEMENT: Como você caracterizaria o estado de espírito do povo  negro na América hoje? Elas estão desencantadas, esperando uma fatia maior do bolo, ou excluídas, não querendo se integrar em uma casa em chamas, não querendo se integrar na Babilônia? O que você pensa que será preciso para que elas se tornem excluídas e revolucionárias?

HUEY: Eu ia dizer desiludidas, mas não penso que em algum momento tivemos a ilusão de que tínhamos liberdade nesse país. Essa sociedade é definitivamente uma sociedade decadente e percebemos isso. As pessoas negras estão percebendo cada vez mais. Não podemos conquistar nossa liberdade no sistema atual; o sistema que está executando seus planos de racismo institucionalizado. A questão é o que teremos que fazer para estimulá-las para a revolução. Eu penso que isso já está sendo feito. É uma questão de tempo para nós, agora, educá-las em relação a um programa a mostrar a elas o caminho para a libertação. O Black Panther Party é o farol de luz que aponta para o povo negro o caminho para a libertação. Vocês noticiam as insurreições que têm acontecido por todo o país, em Watts, Newark, Detroit. Elas foram todas respostas do povo exigindo que tenham a liberdade de determinar seu destino, rejeitando a exploração. Agora, o Black Panther Party não pensa que as revoltas ou insurreições tradicionais que aconteceram sejam a resposta. É verdade que elas são contra a ordem, que elas foram contra a ordem e a opressão em suas comunidades, mas elas eram desorganizadas. No entanto, o povo negro aprendeu com cada uma dessas insurreições. Elas aprenderam com Watts. Estou certo de que o povo em Detroit foi educado pelo que aconteceu em Watts. Talvez essa tenha sido a educação errada. Ela meio que errou o alvo. Não era bem a prática correta, mas o povo foi educado pela prática. O povo de Detroit seguiu o exemplo do povo de Watts, eles só adicionaram um exame cuidadoso a ele. O povo de Detroit aprendeu que o caminho para causar danos à administração é fazer coquetéis molotov e ir às ruas em grande número. Então, isso foi um caso de aprendizado. A palavra de ordem era “Burn, baby, burn”. As pessoas foram educadas pela prátia e ela se espalhou pelo país. As pessoas foram ensinadas a resistir, mas talvez de maneira incorreta.

 

EDUCAR PELA PRÁTICA

 

O que temos que fazer como uma vanguarda da revolução, é corrigir isso pela prática. A grande maioria do povo negro ou é analfabeto ou semianalfabeto. Eles não leem. Eles precisam de uma ação para se guiar. E isso é verdade em qualquer povo colonizado. A mesma coisa aconteceu em Cuba, em que foi preciso que doze homens com a liderança de Che e Fidel fossem para as montanhas e então atacassem a administração corrupta; para atacar o exército que eram os protetores e exploradores de Cuba. Eles poderiam ter panfletado na comunidade e poderiam ter escrito livros, mas o povo não responderia. Eles tiveram que agir e o povo pode ver e ouvir sobre isso e assim se educaram sobre como responder à opressão. Nesse país, os revolucionários negros têm que dar um exemplo. Não podemos fazer as mesmas coisas que foram feitas em Cuba, porque Cuba é Cuba e os EUA são os EUA. Cuba tem muitos territórios para proteger a guerrilha. Esse país é fundamentalmente urbano. Temos que pensar em novas soluções para compensar o poder da tecnologia e da comunicação desse país; a sua habilidade de se comunicar muito rapidamente por telefones e telégrafos, e por aí vai. Temos soluções para esses problemas, e elas serão colocadas em uso. E não quero entrar nos detalhes disso, mas vamos educar pela prática. E temos que nos engajar na práticapara fazer com que o povo leia nossa literatura. Porque ele não é de modo algum atraído pelas leituras nesse país; há leitura demais. Muitos livros deixam uma pessoa cansada.

 

AMEAÇA DOS REFORMADORES

 

MOVEMENT: Kennedy, antes da sua morte, e em menor grau Rockefeller e Lindsay e outros liberais da ordem, têm falado de reformar para dar ao povo negro uma fatia maior do bolo e, com isso, parar qualquer movimento revolucionário em desenvolvimento. Gostaria de falar sobre isso?

HUEY: Eu diria o seguinte: se um Kennedy ou Lindsay ou qualquer outro pudesse dar moradias decentes para o nosso povo, se ele pudesse dar pleno emprego para o nosso povo com um alto padrão, se ele pudesse dar total controle ao povo negro para determinar o destino de sua comunidade, se ele pudesse dar julgamentos justos no sistema legal entregando a estrutura para a comunidade, se ele pudesse dar um fim à exploração dos povos por todo o mundo, se ele pudesse fazer todas essas coisas, então eles já teriam resolvido os problemas. Mas eu não acredito que no sistema atual, no capitalismo, eles possam resolver esses problemas.

 

O povo deve ter o controle

Eu não acho que o povo negro deva ser enganadas pelas suas falações, porque todos os que assumem um cargo prometem a mesma coisa. Eles prometem pleno emprego, moradias decentes, a Grande Sociedade, a Nova Fronteira. Todos esses nomes, mas nenhum ganho real. Nenhum efeito é sentido na comunidade negra, e o povo negro está cansado de se decepcionar e ser enganado. O povo deve ter o controle total dos meios de produção. Pequenos negócios negros não podem competir com a General Motors. Isso está fora de questão. A General Motors nos roubou e explorou a troco de nada por séculos e pegou nosso dinheiro e montou fábricas e se tornou gorda e rica e então fala em nos dar algumas migalhas. Queremos controle total. Não estamos interessados em ninguém prometendo que os proprietários privados vão de repente se tornar seres humanos e dar essas coisas para nossa comunidade. Isso nunca aconteceu e, baseado em evidências empíricas, não esperamos que eles se tornem budistas da noite pro dia.

 

MOVEMENT: Colocamos essa questão não porque pensamos que essas reformas são possíveis, mas para expor suas ideias sobre os efeitos que essas tentativas de reforma podem ter no desenvolvimento da luta revolucionária.

HUEY: Penso que as reformas não colocam nenhuma ameaça real. A revolução sempre esteve nas mãos dos jovens. Os jovens sempre herdam a revolução. A população jovem está crescendo em um ritmo muito rápido e eles estão muito incomodados com as autoridades. Eles querem o controle. Duvido que no atual sistema possa ser lançado qualquer tipo de programa que consiga comprar todos esses jovens. Eles não conseguiram fazer isso com o programa para a pobreza, a grande sociedade, etc. Esse país nunca conseguiu empregar todo o seu povo simplesmente porque ele está interessado demais na propriedade privada e no lucro. Um programa para a pobreza maior é simplesmente o que ele diz ser, um programa para manter as pessoas na pobreza. Então, não penso que exista uma ameaça real das reformas.

 

MOVEMENT: Gostaria de dizer alguma coisa sobre a organização dos Panteras, especialmente em termos de juventude?

HUEY: Os Panteras representam uma seção transversal da comunidade negra. Temos pessoas mais velhas, assim como pessoas mais novas. As pessoas mais novas, é claro, são as que são vistas nas ruas. Elas são os ativistas. Elas são a verdadeira vanguarda da mudança, porque elas não foram doutrinadas e não foram submetidas. Elas não foram forçadas a entrar na linha como algumas pessoas mais velhas foram. Mas muitas das pessoas mais velhas percebem que estamos travando uma luta justa contra o opressor. Elas estão nos ajudando e estão assumindo uma parte no programa.

 

PRISÃO

 

MOVEMENT: Nos conte alguma coisa sobre as suas relações com os prisioneiros nas prisões.

HUEY: Os prisioneiros negros, assim como muitos prisioneiros brancos, se identificam com o programa dos Panteras. É claro que pela sua própria natureza como prisioneiros eles podem ver a opressão e eles sofreram nas mãos da Gestapo. Eles reagiram contra isso. Os prisioneiros negros todos se uniram aos Panteras, mais ou menos 95% deles. Agora, a cadeia é toda de Panteras e a polícia está muito preocupada com isso. Os prisioneiros brancos podem se identificar conosco porque eles percebem que não estão no controle. Eles percebem que tem alguém que os controla e ao resto do mundo com armas. Eles querem algum controle sobre as suas vidas também. Os Panteras na prisão estão educando eles e então vamos construir uma revolução no interior das prisões.

 

MOVEMENT: Qual foi o efeito dos atos fora da prisão pedindo por “Libertem Huey”?

HUEY: Reações muito positivas. Em um ato, eu não lembro qual, um par de guardas, guardas brancos, levantou um cartaz na janela da lavanderia dizendo “Libertam Huey”. Eles dizem que as pessoas viram e responderam a isso. Eles ficaram muito entusiasmados com os manifestantes, porque eles também sofrem um tratamento injusto das autoridades da condicional e da polícia aqui na prisão.

 

ABERTO OU CLANDESTINO

 

MOVEMENT: Os esforços organizativos dos Panteras têm sido bastante abertos até aqui. Gostaria de falar sobre a questão de uma organização política clandestina em oposição a uma organização aberta, nesse ponto da luta?

HUEY: Sim. Alguns dos grupos nacionalistas negros pensam que eles têm que ser clandestinos porque eles serão atacados. Mas não achamos que se possa romantizar a clandestinidade. Eles dizem que somos românticos porque tentamos viver vidas revolucionárias, e não estamos tomando precauções. Mas dizemos que a única maneira de nos tornarmos clandestinos é se nos obrigarem a nos tornarmos clandestinos. Todos os movimentos revolucionários reais são tornados clandestinos. Olhe a revolução em Cuba. A agitação que estava acontecendo enquanto Fidel estava na faculdade de direito era bastante aberta. Até a sua existência nas montanhas era, por assim dizer, uma coisa aberta porque ele estava deixando que se soubesse quem estava causando o prejuízo e porque ele estava causando. Para pegá-lo foi uma outra história. A única maneira pela qual podemos educar o povo é dando um exemplo a eles. Pensamos que isso é muito necessário.

Esse é um período pré-revolucionário e pensamos que é muito necessário educar o povo enquanto podemos. Então, somos muito abertos sobre essa educação. Estamos sendo atacados e seremos ainda mais atacados no futuro mas não vamos para a clandestinidade até que estejamos prontos para isso, porque temos uma mente própria. Não vamos deixar nenhuma outra força nos dizer o que fazer. Entraremos para a clandestinidade depois que educarmos todo o povo negro, e não antes disso. Então, não será mais realmente necessário para nós entrar na clandestinidade, porque você pode ver negros em todas as partes. Teremos justamente o suficiente para nos proteger e a estratégia para compensar o grande poder que os homens armados da ordem tem e que estão planejando usar contra nós.

 

ORGANIZAÇÕES DE BRANCOS

 

MOVEMENT:  Seus comentários sobre os prisioneiros brancos pareceram encorajadores. Você vê a possibilidade de organizar um Partido Pantera branco em oposição à ordem, possivelmente entre os brancos pobres e trabalhadores?

HUEY: Bem, como eu disse antes, o Black Power é o poder do povo, e quanto a organizar as pessoas brancas, damos às pessoas brancas os privilégio de ter uma mente e queremos que elas tenham um corpo. Elas podem organizar a elas mesmas. Podemos dizer o que elas têm que fazer, qual é a sua responsabilidade se elas vão dizer que são revolucionários brancos ou radicais da metrópole branca, e isso é se armar e apoiar as colônias em todo o mundo em sua luta justa contra o imperialismo. Mas qualquer coisa além disso, elas vão ter que fazer por si mesmas.

 

 

Tradução de Gabriel Duccini

 

Please reload

Leia também...

URC: "Sobre o Golpe de Estado imperialista na Bolívia"

12/11/2019

Engels: "Marx e a Neue Rheinische Zeitung"

12/11/2019

O XX Congresso do PCUS e a crise no Partido Comunista do Brasil (PCB)

11/11/2019

Marx: "Carta a Pavel V. Annenkov"

11/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube