ILPS: "As mulheres se levantam e lutam contra o imperialismo, o militarismo e por sua emancipação"

08/03/2017

Nós, da Liga Internacional da Luta dos Povos (ILPS), nos levantamos em solidariedade com as mulheres de todo mundo e nos juntamos à elas em comemoração ao 8 de março, Dia Internacional das Mulheres.

 

Em 1911, as mulheres da Internacional Socialista declararam o Primeiro Dia Internacional das Mulheres Trabalhadoras para defender os direitos democráticos das mulheres e lutar pelas reformas contra as terríveis condições, especialmente das mulheres operárias e das crianças. Mais de cem anos mais tarde, seus clamores ainda são legítimos para a maioria das mulheres da classe operária do mundo que ainda precisam enfrentar os mais ferozes ataques imperialistas nas vidas, direitos e bem estar da maioria do povo do mundo.

 

Este ano, comemoramos o 8 de março em meio a um ponto nodal na história do movimento internacional das mulheres – a revitalização dos movimentos de mulheres no Ocidente, particularmente nos EUA, como evidenciado pela recente Marcha das Mulheres e a forte participação de mulheres de cor em vários movimentos de protesto, que vão desde questões de direitos das mulheres, violência de gênero, racismo, direitos civis, defesa de terras ancestrais, anti-fracking e outras formas de destruição ambiental, austeridade, privatização, precariedade, militarismo e guerra.

 

Tal revitalização sem dúvidas tem sido impulsionada pela crise do capitalismo que alcançou novas alturas desde a crise financeira de 2008, e que tem profundas consequências adversas, até mesmo para a classe operária dos países imperialistas. A crise está piorando com o avanço do neofascismo, a repressão sem precedentes dos direitos migrantes e outros direitos democráticos, a propagação da xenofobia, da propaganda de ódio e supremacia branca sob a presidência de Trump.

 

Igualmente importante, celebramos a contínua agitação dos movimentos de mulheres oprimidas em países neocoloniais que têm lutado firmemente e se oposto ao imperialismo, militarismo e a repressão política. Suas longas histórias de luta militante se tornam agora faróis na luta global das mulheres pela emancipação contra todas as formas de exploração e opressão. Ao recusar-se aceitar as reformas simbólicas que os países imperialistas e seus Estados clientes têm vendido com a intenção de atrair as mulheres para longe do caminho da luta militante, os movimentos de mulheres têm ganhado sabedoria e força de defender os direitos e interesses da maioria das mulheres do mundo – as mulheres da classe operária que têm sido a mais afetada pelas políticas antidemocráticas, antinacionais e anti-mulheres dos imperialistas e seus Estados clientes.

 

O imperialismo tem causado sofrimento incomensurável. A crescente concentração de riqueza nas mãos de alguns não apresenta possibilidades para a emancipação das mulheres sob este sistema. Os ganhos dos movimentos de libertação das mulheres dos anos 70 e 80 têm sido facilmente fragmentados pelo reino das políticas neoliberais. Ao invés de melhorar suas condições sociais e econômicas, as mulheres, como suas contra-partes masculinas, estão sendo mais do que nunca confrontadas com o desemprego, falta de moradia, retrocessos nas medidas de bem estar social e outras manifestações da crise econômica e social global.

 

A situação é muito pior para milhões de mulheres nas neocolônias enquanto a pobreza excruciante e privações marcam suas vidas como consequências das políticas econômicas orientadas para beneficiar grandes exploradores estrangeiros e locais.

 

Enquanto elas sofrem com suas contra-partes masculinas, as mulheres da classe operária têm de sofrer e suportar o peso da deslocação econômica devido ao seu papel tradicional no cuidado de suas famílias e recursos comunitários. Grandes mineradoras, as empresas do agronegócio e as conversões de terrenos para o uso industrial e comercial estrangeiro causaram o deslocamento maciço de comunidades rurais e interromperam ou destruíram sistemas agroecológicos locais que asseguram a segurança alimentar. Afastadas de suas comunidades e recursos tradicionais, as mulheres camponesas têm que buscar trabalho, o que implica dinheiro e tempo para viajar e horas de trabalho não regulamentadas para garantir as necessidades básicas da família. Pior ainda, muitas mais mulheres são levadas a trabalhar em cidades ou em países estrangeiros, sujeitas a trabalho mal remunerado e não regulamentado que as deixa vulneráveis a abusos, discriminação, violência, prostituição e/ou tráfico de seres humanos.

 

No centro do ataque neoliberal contra a classe operária está o impulso implacável para baixar os salários. Com a introdução dos chamados esquemas de remuneração flexíveis em muitos países, o neoliberalismo, de fato, despojou os trabalhadores, especialmente os que adentram a força de trabalho, um percentual significativo de mulheres, de seu direito fundamental a um salário digno. O neoliberalismo, em vez de espalhar a prosperidade com a chamada mobilidade do capital, na verdade degradou as condições dos trabalhadores, reduzindo-os a escravos modernos.

 

O militarismo está em ascensão à medida que os conflitos inter-imperialistas intensificam – abastecidos pela crise global do capitalismo e enquanto disputam recursos e nações para explorar e saquear. O imperialismo dos EUA hoje é o principal fornecedor de guerra e militarismo, gastando cada vez mais para alimentar seu complexo industrial militar, num esforço fútil para se livrar de uma crise interminável. Ele desencadeou guerras de agressão e intervenção militar e política sob o slogan da guerra global contra o terrorismo; grupos paramilitares e mercenários treinados e armados para fomentar a desestabilização em países onde tem vastos interesses econômicos ou que resistem à dominação estadunidense. As elites, tanto em terras capitalistas como em Estados clientes, recorrem à violência, à coerção, à supressão e ao engano para esmagar a dissidência política e a resistência.

 

Junto com a ascensão do militarismo está a violência aumentada contra mulheres e crianças enquanto se transformam vítimas das violações dos direitos humanos, incluindo o abuso sexual por grupos militares e paramilitares. Os Estados não só sancionam os especuladores a explorarem as mulheres como objetos para o entretenimento e prazer sexual das tropas militares, mas também usam a violação como um meio de subjugação e conquista. O militarismo fomenta a misoginia, o chauvinismo masculino e a subjugação e a objetivação sexual bruta das mulheres.

 

A magnitude dos sofrimentos populares gerou uma onda de protestos e resistência, armados e desarmados, contra as políticas imperialistas em muitas partes do globo. As mulheres desempenham um papel importante nessa resistência, muitas das quais se colocam à frente das lutas locais e nacionais contra políticas e programas antidemocráticos e pró-imperialistas. Elas expõem e se opõem aos esquemas enganosos que retratam as mulheres como sendo passivas, e as reformas simbólicas destinadas a desviar os movimentos das mulheres de uma resistência militante comprometida ao domínio imperialista. As mulheres estão se organizando em todos os lugares, e o chamado farol para a emancipação das mulheres nunca foi tão forte.

 

Lutar pela emancipação das mulheres do patriarcado e todas as formas de opressão e exploração!

 

Abaixo o imperialismo, o militarismo e o fascismo!

 

Defender os direitos do povo e os direitos das mulheres!

 

Viva a solidariedade internacional!

 

 

 

Jose Maria Sison, Presidente da Liga Internacional da Luta dos Povos (ILPS)

 

8 de março de 2017

Please reload

Leia também...

"Para você, amado camarada"

19/11/2019

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

18/11/2019

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

15/11/2019

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube