"A que se deve a tensão pelo Mar da China Meridional?"

17/07/2016

As águas do Mar da China Meridional são disputadas por seis países, Filipinas, Vietnã, Malásia, Brunei, Taiwan e China, mas nesta há outros atores envolvidos como os Estados Unidos.

 

O conflito de interesses entre China e EUA, mantém a tensão na região. Por um lado, a China reclama o que considera lhe pertencer por direito histórico, ou seja, 80% das águas do Mar Meridional, as ilhotas, recifes e rochedos, o que equivale a quase três milhões de quilômetros quadrados. Por outro lado, os EUA insistem em patrulhar o Oceano Pacífico sob o pretexto de garantir o trânsito marítimo.

 

De acordo com as leis marítimas internacionais, os países que tenham a soberania de cada ilha dispõem dos 370 quilômetros das águas que a cercam e os recursos existentes nelas e no subterrâneo. O resto das nações em disputa não querem ceder um espaço que também consideram seu.

 

Para a negociação, a China assegura estar disposta a reunir-se com cada um dos países separadamente, Os EUA, por sua parte, busca que a negociação seja coletiva, para acirrar a disputa e trazer suas forças ao Pacífico, denuncia Pequim.

 

Demanda das Filipinas

Em janeiro de 2013, Filipinas acusou a China na Corte Internacional de Arbitragem de Haia por violar o direito internacional, interferir na pesca, pôr em risco o tráfego marítimo e não proteger o meio ambiente. Assim, pediu ao tribunal rechaçar os argumentos de Pequim sobre a soberania das águas dentro da zona conhecida como “linha dos nove pontos”. O veredito de Haia, conhecido nesta terça-feira, foi a favor das Filipinas, ao negar a base legal da argumentação chinesa.

 

Reação chinesa

Pequim constrói as ilhas artificias no Mar da China Meridional, segunda alega, para proteger sua soberania. Também adverte que suas ações serão proporcionais as dos estadunidenses. Recentemente, enviou o navio Yinchuan carregado com mísseis teleguiados à base da ilha de Hainan, com o que soma quatro destróier patrulhando a zona nos últimos anos.

 

Ingerência dos EUA

Em sua ânsia por “manter a ordem” no que considera águas internacionais, os Estados Unidos intensificaram a presença militar no Mar da China Meridional. A nação norte-americana insiste em que continuará com a patrulha até que se resolva a disputa. Para continuar com seu trabalho, Washington enviou à região um destroier com mísseis para que se uma aos outros do que já mantém.

 

Interesse geopolítico

O Mar da China Meridional tem mais de 200 pequenas ilhas, agrupadas em cinco blocos: Paracelso, Spratly, Pratas, Macclesfield y Scarborough. É considerada vital para o comércio internacional, devido ao fato de que por ela transitam anualmente mercadorias avaliadas em mais de 8 bilhões de dólares. Ademais, abriga recursos naturais e poderia ter também gás e petróleo. De acordo com as estimações do Serviço Geológico dos EUA, poderia ter bilhões de metros cúbicos de gás natural, o que equivaleria entre 60 e 70% dos hidrocarbonetos da zona.

 

Da Telesur

Please reload

Leia também...

"A discriminação racial é uma doença crônica do capitalismo"

23/01/2020

"O 29º Aniversário da Morte de V. I. Lenin"

21/01/2020

As críticas de José Duarte à Direção Nacional do PCdoB em 1988

20/01/2020

Fidel: "Roubo de cérebros"

17/01/2020

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube