"Ho Chi Minh e o caminho da libertação vietnamita"

21/05/2016

Em 5 de junho de 1911 partiu com destino à França, no transatlântico Amiral Latouche-Tréville, o jovem Nguyen Sinh Cung, que é conhecido mundialmente como Ho Chi Minh, o líder do movimento de libertação vietnamita.


Assim começou o longo caminho de busca da salvação nacional de quem mais tarde dirigiu o país asiático para a vitória contra as grandes potências mundiais, os colonialistas franceses e os norte-americanos.

Nghe An, um pequeno povoado na parte norte-central do Vietnã, viu nascer em 19 de maio de 1890 Nguyen Sinh Cung, o terceiro filho de uma família humilde.

Durante sua estadia no exterior, o jovem revolucionário adotou o nome de Nguyen Ai Quoc, que significa "o patriota", e finalmente chegou a ser Ho Chi Minh ou "o que ilumina".

Talvez uma das razões que o inspiraram na luta pela independência foram os anos da infância que viveu em um país dominado pelo jugo dos colonialistas franceses e os senhores feudais locais.

Nessa época, os episódios sobre os heróis e os patriotas, assim como as lições de seu pai, infundiram em Ho Chi Minh o amor à sua pátria.

Com o propósito de encontrar o caminho para libertar os vietnamitas, percorreu cidades da Europa, África e América, atraído pelos ideais de liberdade e democracia.

Em certa ocasião contou: "Aos 13 anos, ouvi pela primeira vez as palavras francesas liberdade, igualdade, fraternidade". Então quis conhecer essa sociedade, e encontrar o que tinha por trás destas palavras".

Sem dúvida, esse percurso por lugares tão variados e de distintos graus de desenvolvimento, permitiu-lhe aperfeiçoar suas ideias e encontrar o caminho adequado para a luta nacional.

Ho Chi Minh observou que os povos padeciam dos mesmos sofrimentos e humilhações pelo sistema colonial e capitalista, o que intensificou o desejo do jovem patriota de reivindicar os direitos para os trabalhadores.

De acordo com suas ideias, apesar da multiplicidade de cores, só há duas raças no universo: a dos exploradores e a dos explorados, e existe uma fraternidade que é verdadeira: a fraternidade proletária.

O trabalho, o estudo e a luta revolucionária amadureceram sua ideologia que se identificou com a causa dos operários do Vietnã e de outras nações.

Ho Chi Minh fundou o Partido Comunista do Vietnã em 1930 com o objetivo de reunir todo o país sob o lema de combater o colonialismo, alcançar a libertação nacional e construir o socialismo.

Sua fórmula consistiu em combinar as formas da luta política e militar e impulsionar os movimentos de massa e preparar as condições necessárias para a insurreição.

Apesar de muitas dificuldades, o povo vietnamita alcançou a vitória em 1945 com a derrota do regime colonialista francês imposto por quase 100 anos, e a declaração da independência da República Democrática do Vietnã em 2 de setembro desse mesmo ano.

Ho Chi Minh converteu-se no presidente do jovem Estado e convocou a diversas campanhas para a reconstrução.

Em 1946 os franceses, apoiados pelos norte-americanos, atacaram outra vez a península indochina para reconquistar suas colônias.

Diante das ameaças todo o povo vietnamita combateu pela independência sob a direção do Tio Ho, como o chamavam carinhosamente.

A vitória na batalha de Dien Bien Phu em 1954 obrigou as tropas francesas a se retirarem, mas Vietnã se dividiu em dois Estados: o Norte e o Sul, a espera de uma eleição geral para a reunificação no próximo ano.

Com a ambição de dominar o sudeste asiático através da posição estratégica da nação indochina, Estados Unidos apoiou o governo do Vietnã do Sul para travar a guerra mais longa e sangrenta da história norte-americana, que durou mais de 20 anos.

O presidente Ho Chi Minh declarou em um apelo aos compatriotas que a guerra poderia se estender por vários anos, mas Vietnã venceria.

Foi em 1975 quando se consumou tal profecia com o nascimento da República Socialista do Vietnã, porém o tio Ho não chegou a ver este final, pois faleceu em 1969.

Na memória do povo vietnamita ainda vive a imagem do presidente levando sandálias de borracha e um traje cáqui desbotado, demonstração do exemplo de vida laboriosa, humilde e simples, inteiramente consagrada ao país.

Quando em 5 de junho de 1911 aquele jovem humilde de 21 anos chegou no navio Amiral Latouche-Tréville, ninguém suspeitou que mudaria para sempre a história da humanidade com a vitória de um pequeno povo ante potências mundiais.

Para os vietnamitas, o tio Ho ainda caminha pelas ruas e seu desejo de construir um país 10 vezes mais formoso se cumpre hoje nos avanços do Vietnã moderno em vias de desenvolvimento.

 

do Prensa Latina

Please reload

Leia também...

Avançam as lutas do proletariado e do povo do Uruguai contra a crise a repressão

05/08/2020

Lenin: "A Chantagem Política"

05/08/2020

Choro: As Bandas Militares e Anacleto de Medeiros

04/08/2020

Engels: "Bruno Bauer e o Início do Cristianismo"

04/08/2020

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube