O Exército Popular da Coreia e os desfiles militares

08/02/2016

Em fevereiro de 1948, na praça em frente à Estação Ferroviária de Pyongyang, havia um mar de pessoas cujo número superava 400 mil. Ali teria lugar o primeiro desfile das forças armadas regulares depois do Exército Revolucionário Popular da Coreia ter derrotado o imperialismo japonês e de ter libertado o país a 15 de agosto de 1945. Uma vez disparado um artifício luminoso que avisava o início do ato, marcharam as colunas do desfile ao compasso de músicas que eram interpretadas pela banda militar, recebendo calorosas aclamações da multidão, e os gritos de aplausos sacudiram tanto a terra como o céu.


A praça estava transbordando-se de orgulho e alegria nacionais de contar com um exército regular que salvaguardaria com firmeza o destino da pátria e do povo. O nascimento do exército revolucionário regular que herdou as tradições antijaponesas constituiu um evento histórico que demonstrou a inesgotável força e o espírito invencível da nova Coreia.


No desfile militar executado a 15 de agosto do ano seguinte apareceu no céu a primeira aviação do Exército Popular da Coreia (E.P.C.), e na terra marcharam com passos firmes suas fileiras de armas distintas.


O E.P.C., em um pouco mais de dois anos de sua fundação, defendeu heroicamente a soberania do país e o destino da nação na Guerra de Libertação da Pátria (1950-1953) contra o imperialismo estadunidense que jamais havia sofrido uma derrota em mais de 110 guerras. No desfile pela vitória na confrontação, com a presença do grande camarada Kim Il Sung, os militares gritaram e aplaudiram de alegria, devido ao fato de terem sido vencedores na guerra, quebrando o mito dos ianques que se vangloriavam de sua “supremacia” no mundo.


Mais tarde, o povo coreano foi de vitória em vitória no enfrentamento com os Estado Unidos, desbaratando suas maquinações de provocação militar, entre outras o incidente do barco espião “Povo”, o do avião espião “EC-121”, o do Panmunjom e do intruso de um helicóptero. Seu espírito indomável pulsa nos desfiles militares subsequentes.


Em abril de 1992, se efetuou o desfile militar pelo aniversário de 60 anos da fundação do Exército Popular da Coreia, que era a primeira realizada após a nomeação de Kim Jong Il como Comandante Supremo. Na ocasião, ele disse bem alto “Glória aos oficiais e soldados do heroico Exército Popular da Coreia”, quando os militares participantes no ato lhe responderam com aplausos estrondosos, em expressão de sua emoção e alegria por contar com um homem mais eminente.


A honra da República Popular Democrática da Coreia situada na digna posição como um país capaz de fabricar e lançar um satélite artificial da Terra e que frustrou as manobras imperialistas encaminhadas a isolar e asfixiá-lo em uma tentativa de defender o destino de seu povo, se colocou em pleno manifesto na parada militar (setembro de 1998) pelo quinquagésimo aniversário de sua fundação e em outras ocasiões.


Em abril de 2012 teve lugar a outra, em saudação ao centésimo aniversário de nascimento do Presidente Kim Il Sung, depois que o companheiro Kim Jong Un assumiu o cargo de Comandante Supremo do E.P.C. Nesta oportunidade, este declarou que o caminho da independência, Songun (prioridade dos assuntos militares) e o socialismo são a eterna linha estratégica da revolução coreana.


Em agosto do ano passado o E.P.C. neutralizou a crise de uma guerra iminente acarretada pelas provocações políticas e militares dos Estados Unidos e dos belicistas sul-coreanos e salvaguardou a dignidade do país e da paz mundial. Seu espírito invencível se manifestou outra vez no desfile militar pelo septuagésimo aniversário da fundação do Partido do Trabalho da Coreia, com uma envergadura sem precedentes, no qual reafirmou a convicção e a vontade dos militares de defender com o fuzil em mãos a causa do Juche, do socialismo, e de levar a pátria a um final feliz seguindo a direção do Partido.


Para exaltar o grande general do Songun, na Coreia se continuará realizando o desfile militar como um símbolo de vitória.

 

publicado no Naenara

Tradução de I..G.D.

Please reload

Leia também...

"Como Mao Tsé-tung estudava e investigava"

21/11/2019

"Para você, amado camarada"

19/11/2019

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

18/11/2019

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

15/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube