Méritos das mulheres coreanas na vitória na guerra

27/07/2015

Durante a Guerra de Libertação da Pátria (de 25 de junho de 1950 até 27 de julho de 1953), as mulheres coreanas fizeram grandes esforços para a vitória na guerra, demostrando o espírito de sacrifício heroico e a abnegação patriótica.

 

Entre elas figura a veterana de guerra, To Yun Ok, quem havia avançado até a linha do rio Raktong. Ela disse que durante o período da guerra as coreanas realizaram méritos como homens na luta decisiva contra os imperialistas ianques e continua: “durante os 5 anos depois da libertação, as mulheres coreanas se tornaram pela primeira vez de uma vida verdadeira como donas do país, fábricas e terra graças ao Presidente Kim Il Sung.

 

Não podemos permitir que nosso poder da república preparado pelo Presidente seja arrebatado pelos agressores. Por isso, quando os ianques começaram a guerra de agressão contra a República Popular Democrática da Coreia, as mulheres coreanas empurraram sem vacilação a seus carinhosos maridos e filhos a luta sagrada para defender a pátria e nós mesmas saímos para a frente”.

 

Numerosas combatentes conhecidas e desconhecidas lutaram valentemente pela pátria incluindo a heroína An Yong Ae que é conhecida como filha do Partido do Trabalho da Coreia entre os coreanos, a heroína Jo Sun Ok que gravemente ferida se lançou com um pacote de granadas de mão contra o tanque inimigo, a heroína Thae Son Hui que como a primeira pilota de combate realizou proezas na luta contra piratas aéreos norte-americanos, a heroína Jo Ok Hui que mesmo presa pelos inimigos durante a luta na guerrilha não se ajoelhou e manteve-se leal a sua pátria.

 

As mulheres da retaguarda se levantaram como uma pessoa no aumento da produção bélica sob o slogan de “retaguarda também é frente” e ajudaram com sinceridade o exército transportando as cotas de munições e provisões sob a chuva de balas e o cheiro de pólvora.

 

As operarias de Rakwon e a comuna de Kunja que asseguraram a produção de materiais bélicos superando todas as dificuldades, as mulheres da comuna de Jangsan (comuna de Hajang naquela época) do distrito de Ryongchon e da aldeia em torno do rio Nam quem estava à frente do aumento da produção de cereais no tempo da guerra e da assistência a frente, e outras mulheres da retaguarda tinha em seus corações a convicção de que por contar com o Presidente Kim Il Sung se logrará sem falta a vitória na guerra.

 

Embora se passaram 62 anos desde o cessar-fogo o espírito de defesa convicta ao líder e o espírito de defesa a pátria das mulheres da década de 1950 foram herdados firmemente do século passado pelas pessoas das novas gerações.

 

da Korean Central News Agency (KCNA)

Please reload

Leia também...

As críticas de José Duarte à Direção Nacional do PCdoB em 1988

20/01/2020

Fidel: "Roubo de cérebros"

17/01/2020

ILPS: 'Responder aos ataques fascistas na Índia!'

17/01/2020

"A construção do Estado norte-coreano"

13/01/2020

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube