Palestina: FPLP reafirma a resistência até a libertação

11/07/2015

As brigadas Abu Ali Mustafa, braço armado da Frente Popular de Libertação da Palestina, emitiram a seguinte declaração no primeiro aniversário do criminoso ataque sionista ao povo palestino que reside na faixa de Gaza:

Hoje, completamos o primeiro aniversário do ataque racista e genocida realizado pelos inimigos fascistas contra o povo palestina na faixa de Gaza, após oito longos anos de cerco e imposição da fome com o objetivo de exaurir e forçar o povo de Gaza a se render de joelhos.

Um ano após o ataque, o inimigo sionista falhou em todos seus objetivos diretos e agora realiza manobras com seus aliados e agentes no mundo para alcançar seus objetivos indiretos, evitando que sua derrota na guerra seja total. Começamos a ouvir discursos em meios internacionais de impor uma trégua de longo prazo em Gaza em troca de ‘melhoras nas condições de vida’, diminuição do bloqueio ou outra reforma de menor impacto. Os inimigos querem destruir o caráter da luta de libertação nacional palestina e colocar os direitos nacionais e humanos do nosso povo em um mercado de troca, neutralizar o povo Palestino de Gaza e sua resistência, ao mesmo tempo em que isolam Gaza do resto da Palestina. Em outras palavras, promovem planos e objetivos que colaboram para eliminar a luta de libertação nacional.

Ademais, enfatizamos hoje frente ao nosso povo e aos milhares de martíres que confrotaram os ataques genocídas e impediram sua realização, que enfretaremos cada uma dessas ‘soluções’ e projetos que tentam atacar nossos direitos. Não há tregua com o inimigo sionista até a libertação da Palestina; não trocaremos nossas armas por ajuda humanitária ou por direitos básicos; sustentaremos firmemente nosso direito a auto-defesa, a luta armada, e a continuar em luta até que os invasores sejam expulsos de nossa terra, o bloqueio seja derrotado e até que alcancemos todos os direiotos humanos. Estamos em resistência!

Para as massas de nosso povo, faróis de força que confrontam o agressor e seu exército: sabemos que o bloqueio e o cerco têm sido longos e dolorosos e sabemos que todos têm constantemente apoiado o dever da resistência. Devemos priorizar o fortalecimento da firmeza do nosso povo, provendo-os com tudo que é necessário para continuar a confrontação. Este é o nosso dever nas facções da resistênciia, um dever de todas as forças palestinas. Dessa maneira, destaqueremos agora as condições necessária, ante o valor das massas palestinas e a profundidade de suas feridas. Construir um corpo nacional e unificado de forças políticas e militares para fornecer:

Primeiro, tudo que pode ser feito para apoiar a firmeza das massas. Segundo, formar uma frente nacional de resistência para unificar nossos esforços políticos, sociais e militares e para apoiar a firmeza do nosso povo e continuar a luta contra o inimigo fascista. Temos grande certeza que a resistência será inevitávelmente vitoriosa e continuará a confrontar e golpear severamente o inimigo sionista, que continuará a promover a firmeza entre o povo e o desenvolvimento interno.

Hoje, prometemos continuar a luta. Revolução e revolução até o fim da injustiça. Aos prisioneiros e suas famílias, a Abu Ghassan, Ahmad Sa’adat, nosso líder, prometemos que não será uma longa espera, camarada, estamos com você. Sua honestidade e princípios estão firmemente enraizados em nós, e nossa promessa a você e ao povo é que não iremos abandonar a resistência até a libertação ou a morte.

Saudações à resistência, a nosso povo lutador em Gaza, para todo o povo palestino, para os lutadores da resistência na Cisjordânia, Jerusalem, e na Palestina ocupada em 1948, a crescente resistência popular. Liberdade para todos os prisioneiros palestinos. Glória para os mártires do povo palestino. Prometemos continuar no caminho do nosso mártir, escritor Ghassan Kanafani, no 43o aniversário de seu assassinato.

 

Tradução do Jornal A Verdade

Please reload

Leia também...

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

"O papel das mulheres na defesa de Stalingrado"

13/11/2019

Lenin: "Sobre os Sindicatos, o momento atual e os erros de Trotsky"

13/11/2019

URC: "Sobre o Golpe de Estado imperialista na Bolívia"

12/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube