"Paramilitarismo: crônica de uma peste anunciada"

24/06/2015

A 5 de junho de 2015 o presidente Nicolás Maduro declara: “Vou ativar planos e estou ativando planos a fundo para ir, capturar e acabar com todas as células paramilitares que foram semeadas em Venezuela. Eu necessito do apoio da família colombiana que está em Venezuela, para limpar a Venezuela da peste paramilitar”. Disse-o a tempo. A peste já assassinou a duas centenas de dirigentes agrários, outros tantos dirigentes sindicais, figuras da alta política, impõe impostos de venda e adquire importantes empresas nos estados fronteiriços e gerencia um contrabando de extração que arruína ao país.

2. Um novo fenómeno marca a realidade estratégica do mundo. Zetas, Aztecas, Mexicles, Negros, Polones, Gatilleros, Caballeros Templarios e Narco Juniors no México, Kaibiles guatemaltecos, Maras centro-americanos, Posses jamaicanos, Paramilitares colombianos, Talibãs, Al-Qaedas e Daesh do Oriente Médio e uma praga de exércitos privados organizados como cartéis, máfias e associações criminais sobrevivem ante os Estados constituídos, se aliam a eles, usurpam suas funções e estão em vias de destruí-los.

3. Como surge um exército privado que desafia e às vezes supera ao público? Assim como os países hegemônicos mercantilizam a educação e a seguridade social, também privatizam a repressão. O exército dos Estados Unidos já não funciona com recrutas e sim com mercenários contratados entre suas marginalidades: afroamericanos, hispanos, imigrantes ilegais. Com outra volta da arruela, grandes intermediários transnacionais como Blackwater terceirizam desde 1996 a oferta e a demanda da bucha de canhão. E, com outra volta mais da arruela, os países hegemônicos financiam, treinam e armam corporações de sicários para destruir países, porém sem assumir responsabilidade por elas: Al-Qaeda, Daesh, as Autodefesas Unidas de Colômbia.

4. Isto marca a transcendente diferença com organizações armadas revolucionárias como o 26 de Julho, as FALN, as FARC, o ELN, Sendero Luminoso, o MSLN, a FMLN, que insurgem com mil dificuldades, por sua vez, contra o Estado e contra os grupos econômicos que o manejam. Pelo contrário, as organizações paramilitares atuam em estreita colaboração com o Estado ou com as forças econômicas que dominam este. Em Colômbia, funcionam com a proteção, o apoio e o financiamento do governo, no qual se infiltram com a parapolítica; da oligarquia terra-tenente, cujos latifúndios protegem e ampliam com a violência, e do narcotráfico, ao qual servem de braço armado. Com o tempo, nos lugares onde a presença do Estado é frágil se cria outro Estado paralelo, eleito por ninguém, que impõe impostos, expede e executa sentenças de morte e finalmente se funde com a autoridade visível de políticos e corporações em simbiose inextricável.

5. A ascensão a partir de uma eterna batalha entre bandos armados até o monopólio da violência exercida pelo Estado marcou a passagem do feudalismo para a Época Moderna. A atual abdicação por alguns Estados do monopólio da violência a favor de bandos de esbirros marca a pós-moderna dissolução da soberania no caos. A pós-modernidade neoliberal predicou o Fim do Político e a Minimização do Estado: entre as funções deste que passaram ao mercado, está o manejo da violência sem freio. A natureza política tem horror ao vazio. Onde quer que o Estado se debilita ou se dissipe, aparecem grupos armados dispostos a usurpar suas funções em proveito próprio. O paramilitarismo é a confissão de Estados e corporações de que lhes é impossível manter “a ordem” dentro dos parâmetros de legalidade que eles mesmos apregoam: vale dizer, de que não são mais que uma fraude. Ante o caos homicida, não resta mais recurso ao simples cidadão que armar-se ele próprio, e combater o chumbo com o chumbo. É o que fazem os cidadãos das Autodefesas de Michoacán, o que no longo prazo terão que fazer os cidadãos em todas as partes do mundo.

6. Boa parte dos 5.600.000 de colombianos que imigraram para a Venezuela fizeram-no fugindo de um sistema que acreditou servir-se dos paramilitares e acabou servindo a eles. Oxalá possamos sanar essa peste que levamos anos denunciando antes que outros tantos venezuelanos devamos fugir de nosso país.

 

por Luis Britto García, escritor venezuelano

Publicado originalmente na ANNCOL Brasil

Please reload

Leia também...

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

18/11/2019

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

15/11/2019

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

14/11/2019

"O papel das mulheres na defesa de Stalingrado"

13/11/2019

1/3
Please reload

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube