top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"Lumumba na luta pela Independência"



Seu nome apareceu no horizonte político nos dias em que se ouvia o barulho de metralhadoras em Leopoldville e Stanleyville.


Balduíno I, rei da Bélgica, havia chegado ao Congo. Isso foi em dezembro de 1959. Lumumba, fundador do Partido do Movimento Nacional do Congo, estava na prisão. O rei, dizia-se, estabeleceria a concórdia entre os brancos e os negros. A viagem triunfal real foi anunciada como se os homens brancos nunca tivessem derramado o sangue dos negros, como se os congoleses caíssem de cara no chão ao ver o rei branco e entoassem louvores em sua homenagem. Por dentro, os colonialistas se sentiam nervosos. Eles estavam se perguntando se não seria o contrário, se o rei não seria vaiado. Eles começaram a espalhar boatos entre os congoleses. Foi sussurrado em seus ouvidos que Balduíno I era um “bom homem branco”, que ele libertaria Patrice Lumumba da prisão em que os “maus homens brancos” o trancafiaram.


Só foram obrigados a libertá-lo quando começou a notória mesa-redonda em Bruxelas, na qual foi fixada a independência do Congo para 30 de junho de 1960. Lumumba chegou à conferência com marcas de algemas nos pulsos. Como os outros líderes congoleses, ele foi objeto de atenções exageradas. Dinheiro foi oferecido a ele. Expressões hipócritas de arrependimento por seus maus-tratos foram faladas.


Claro, o Conde Gobert d’Aspremont-Lynden, o Grande Marechal da Corte de Balduíno I, não estava pessoalmente na conferência. Mas seu sobrinho, conde Harold d'Aspremont-Lynden, estava. Os interesses do primeiro administrador da Katanga Company foram defendidos pelo segundo. Agora esse sobrinho é membro do gabinete belga.


O ministro Ganshof van der Meersch também se dirigiu à conferência. Ele pressionou a mão contra o coração e foi prolixo em suas expressões de amor pelos congoleses. Seu filho, cidadão estadunidense naturalizado, chegou à Bélgica nessa época. Ele tinha vindo a Bruxelas para explorar o terreno no interesse de poderosas corporações financeiras nos EUA. Outros atrás das cenas eram Gillet e Cousin, Presidente e Diretor Geral da Union Miniere, Humble, Presidente da l’Union des Colons de Katanga, que praticamente saiu em apoio a Tshombe. O coronel Weber também estava lá, o homem que foi substituído pelo coronel francês Trinquier como chefe das legiões de Tshombe, as legiões da Union Miniere.


Lumumba trabalhou duro organizando seu movimento em vista das próximas eleições gerais no Congo. Os colonialistas fizeram o possível para fomentar uma série de pequenos grupos tribais de oposição. Determinados a garantir a eleição de um Parlamento congolês que os serviria fielmente, trabalharam ainda mais intensamente para atiçar a animosidade intertribal. Já naquela época mantinham Tshombe na reserva.


Proclamar a “independência” de Katanga? Por que, para quê? Tudo em boa hora! A coisa era, primeiro, tentar manter o Congo inteiro. Assim, os colonialistas exibiam sorrisos vitoriosos para Lumumba...


Mas quando as eleições foram realizadas, quando o partido de Lumumba obteve uma vitória avassaladora, o que impossibilitou a formação de uma maioria parlamentar contra ele, se animaram e começaram a manobrar. Lumumba deveria estar no governo, mas não como seu chefe. A ideia era torná-lo um cativo político, usar seu nome e impedi-lo de seguir sua própria política. Era como tentar fazer um elefante fazer o papel de um rato!


Quando esse plano falhou, o povo da Union Minière convocou suas reservas. Eles louvaram Tshombe aos céus. Proclamaram a “independência” de Katanga, de onde esperavam reconquistar todo o Congo.


O que aconteceu depois, todo mundo sabe. A intervenção armada da Bélgica, das Nações Unidas... O Governo Central da República foi paralisado por Hammarskjöld. Os soldados deste governo foram desarmados sob o pretexto de que todo derramamento de sangue deveria ser evitado... Ao mesmo tempo, Tshombe armou suas forças impunemente! No final, Lumumba foi entregue a ele de pés e mãos amarrados.


Os imperialistas sabiam qual vítima escolher. Eles desferiram um golpe covarde no símbolo da independência e liberdade congolesa. Mas realmente acreditam que, ao destruir o símbolo, destruirão a causa que ele representava? Lumumba era o objeto de seu ódio cego. As coisas chegaram a um ponto durante a greve geral na Bélgica em que os jornais reacionários frequentemente representavam os líderes mais respeitados dos trabalhadores, os mais corajosos lutadores pela causa da classe trabalhadora, como pessoas que “imitam Lumumba”! Na verdade, esse grito de ódio foi uma admissão de glória.


Seguindo as expressões de horror que o assassinato de Patrice Lumumba e seus dois associados suscitou no Congo e em todo o mundo, ouço o comovente grito “Justiça!” Este grito chegou à Bélgica, onde aqueles que pagaram os assassinos de Lumumba e derramaram o sangue dos trabalhadores durante a greve se escondem em seus ricos salões. O sangue do primeiro-ministro do Congo, o sangue dos trabalhadores da Bélgica — o círculo está completo. O imperialismo permanece marcado com a insígnia da infâmia.


por Henri Laurent, jornalista belga


Patrice Lumumba: Fighter for Africa ’s Freedom, Moscou, Progress Publishers, 1961, pp 90-93.

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg