top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

Mariátegui: "Heterodoxia da Tradição"



Escrevi no final do meu artigo “A reivindicação de Jorge Manrique”: A tradição tem a ver com a sua poesia, mas não com os tradicionalistas. Porque a tradição é, ao contrário do que desejam os tradicionalistas, viva e móvel. Ele é criado por aqueles que o negam para renová-lo e enriquecê-lo. Ela é morta por aqueles que a querem morta e fixa, prolongamento de um passado em um presente sem força, para nele incorporar seu espírito e nele colocar seu sangue.


Estas palavras merecem ser cuidadosamente enfatizadas e explicadas. Desde que as escrevi, sinto-me convidada a uma nova tese revolucionária da tradição. Falo, é claro, de tradição entendida como herança e continuidade histórica.


É verdade que os revolucionários a negam e a repudiam em bloco? É isso que querem aqueles que se contentam com a fórmula gratuita: revolucionários iconoclastas. Mas os revolucionários nada mais são do que iconoclastas? Quando Marinetti convidou a Itália para vender seus museus e monumentos, ele só queria afirmar o poder criativo de seu país, oprimido demais pelo peso de um passado esmagadoramente glorioso. Teria sido absurdo aceitar seu extremismo veemente pelo valor visível. Toda doutrina revolucionária atua sobre a realidade por meio de negações intransigentes que não podem ser compreendidas senão interpretando-as em seu papel dialético.


Os verdadeiros revolucionários nunca procedem como se a história começasse com eles. Eles sabem que representam forças históricas, cuja realidade não lhes permite ceder à ilusão verbal ultraísta de inaugurar todas as coisas. Marx extraiu do estudo abrangente da economia burguesa seus princípios de política socialista. Toda a experiência industrial e financeira do capitalismo está em sua doutrina anticapitalista. Proudhon, de quem todos conhecem a frase iconoclasta, mas não a obra prolixa, baseou seus ideais em uma árdua análise das instituições sociais e costumes, examinando desde suas raízes até o solo e o ar de que se alimentavam. E Sorel, em quem Marx e Proudhon se reconciliam, estava profundamente preocupado não apenas com a formação da consciência jurídica do proletariado.


A tradição não deve ser identificada com os tradicionalistas. O tradicionalismo —não me refiro a uma doutrina filosófica, mas a uma atitude política ou sentimental que invariavelmente se transforma em mero conservadorismo— é; é verdade, o maior inimigo da tradição. Porque é obstinado por interesse próprio em defini-lo como um conjunto de relíquias inertes e símbolos extintos. E para resumir em uma receita concisa e única.


A tradição, por sua vez, caracteriza-se justamente por sua resistência em se deixar apreender em uma fórmula hermética. Como resultado de uma série de experiências —isto é, de sucessivas transformações da realidade sob a ação de um ideal que a supera consultando-a e a molda obedecendo – a tradição é heterogênea e contraditória em seus componentes. Para reduzi-lo a um único conceito, é preciso contentar-se com sua essência, renunciando às suas várias cristalizações.


Os monarquistas franceses constroem toda a sua doutrina na crença de que a tradição da França é fundamentalmente aristocrática e monárquica, uma ideia concebível apenas por pessoas totalmente hipnotizadas pela imagem da França de Carlos Magno. René Johannet, também reacionário, mas de outra linhagem, sustenta que a tradição da França é absolutamente burguesa e que a nobreza, na qual Maurras e seus amigos depositam sua esperança recalcitrante, foi descartada como classe dominante, pois, para sobreviver, teve que gentrificar. Mas a base social da França são suas famílias camponesas, seu trabalho artesanal. Verifica-se o papel dos descamisados ​​no período culminante da revolução burguesa. Assim, se a declamação nacionalista entra na práxis do socialismo francês.


O que isso nos revela é que a tradição parece ser particularmente invocada, e até ficticiamente acumulada por aqueles menos capazes de recriá-la. Do qual ninguém deveria se surpreender. O pastista sempre tem o destino paradoxal de compreender o passado muito menos do que o futurista. A capacidade de pensar a história e a capacidade de fazê-la ou criá-la são identificadas: o revolucionário tem uma imagem do passado um tanto subjetiva, talvez, mas animada e viva, enquanto o pastista é incapaz de representá-la em sua inquietude e fluxo. Quem não consegue imaginar o futuro, geralmente também não consegue imaginar o passado.


Não há, portanto, nenhum conflito real entre o revolucionário e a tradição, exceto para aqueles que concebem a tradição como um museu ou uma múmia. O conflito só é eficaz com o tradicionalismo. Os revolucionários encarnam a vontade da sociedade de não se petrificar em um estágio, de não se imobilizar em uma atitude. Às vezes a sociedade perde essa vontade criativa, paralisada por um sentimento de completude ou desencanto. Mas então, inexoravelmente, seu envelhecimento e declínio serão notados.


A tradição desta época está sendo feita por aqueles que às vezes parecem negar, iconoclastas, toda tradição. Deles, é, pelo menos, a parte ativa. Sem eles, a sociedade a acusará de abandonar ou abdicar da vontade de viver, renovando-se e superando-se incessantemente.


Maurice Barrés legou aos seus discípulos uma definição um tanto fúnebre da Pátria. “A pátria é a terra e os mortos”. O próprio Barrés era um homem com ares fúnebres e mortuários, que, segundo Valle Inclán, se assemelhava fisicamente a um corvo molhado. Mas as gerações do pós-guerra se deparam com o dilema de enterrar com os restos de Barrés seu pensamento de um “paysan” solitário dominado pelo culto excessivo da terra e de seus mortos, ou de resignar-se a ser enterrado depois de ter sobrevivido sem um pensamento, nutrido por seu sangue e sua esperança. Idêntica é sua situação diante do tradicionalismo.


Por José Carlos Mariátegui, publicado na revista Mundial, Lima, 25 de novembro de 1927.

0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg