banner VII Salao do Livro Político.gif
  • NOVACULTURA.info

Zetkin: "Em Defesa de Rosa Luxemburgo"



O artigo escrito pela camarada Louisa Kautsky em comemoração à Rosa Luxemburgo (ver Freiheit de 20 de janeiro, nº 36) desafia à oposição enérgica todos aqueles que conheceram intimamente a grandeza de alma de nossa camarada tão vilmente assassinada. Vai contra minha inclinação discutir sobre a falecida, por assim dizer, diante de sua sepultura aberta. No entanto, a verdade e a amizade me levam a refutar algumas das afirmações feitas por Louise Kautsky. Acredito que devo não só aos mortos, mas também aos vivos, evitar que a caricatura de Rosa Luxemburgo, desenhada e espalhada por seus numerosos inimigos, seja ainda mais grosseira e distorcida por linhas mal desenhadas da mão de um amigo.


Louisa Kautsky tem razão quando fala de Rosa Luxemburgo como uma lutadora que “não poupou nem seus melhores amigos, pelo contrário”. No entanto, como um amigo que entende completamente a falecida camaradam L. Kautsky deveria ter enfatizado alguns outros pontos além disso. A paciência tenaz e pensativa com que ela lutou pela alma de seus amigos mais antigos antes de começar a combatê-los! A sinceridade de sua dor quando teve que pegar em armas contra um ex-companheiro, a amargura de sua decepção quando sua maneira de lutar e empunhar as armas afez reconhecer que não correspondia ao alto ideal que havia formado dele. Com certeza, Rosa Luxemburgo não poupou nem mesmo seu amigo mais antigo se estivesse honestamente convencida de que era prejudicial à luta de classes do proletariado. A causa, em sua visão, sempre estava acima da pessoa. Uma vez que considerou seu dever combater até mesmo seu amigo mais querido, o fez com todas as armas à sua disposição. Com a artilharia pesada; de métodos acadêmicos sérios e treinamento teórico maduro, com os golpes pesados ​​de dialética brilhante, o delicado contraste de ironia, sagacidade e escárnio. No entanto, em nenhum momento fez uso de métodos pouco cavalheirescos. Aqui estava uma personagem totalmente nobre, incapaz de retaliar a quem quer que fosse, de manejar as armas da baixeza, mesmo que fossem usadas contra ela mesma.


Louisa Kautsky está, portanto, errada ao caracterizar Rosa Luxemburgo assim: “Um oponente político, em particular se ele for do nosso próprio campo socialista, deve ser combatido com armas envenenadas, procurando despertar a pior suspeita possível contra ele”. A propósito, duvido muito que a expressão acima mencionada deva realmente ser tomada como característica da grande líder bolchevique. Eu sei pela história da Revolução Russa e também por minha própria experiência que o camarada Lenin foi um oponente implacável e inspirador de medo. No entanto, calúnia não se encontra entre suas armas.


Segundo meus conhecimentos e sentimentos, Louisa Kautsky deveria ter evitado passar, no final de seu ensaio comemorativo, do terreno puramente pessoal ao político e aqui insinuar uma mudança – incompreensível para ela – nas ideias e atitudes de Rosa Luxemburgo. Eu aprecio plenamente e com a mais sincera simpatia o que Louisa Kautsky está se esforçando para fazer pelo socialismo dentro dos limites de seu círculo e sua natureza. De forma alguma questiono seu direito de ter sua própria opinião sobre os eventos e fenômenos que ocorrem no campo do socialismo internacional. Mas tudo isso não altera o fato de que na luta pelo socialismo apenas participa da experiência dos outros, mas não tem experiência própria. Em consequência, apesar de sua busca pela objetividade, não tem a verdadeira atitude independente em relação a esses fenômenos. Ela os considera do ponto de vista de sua comitiva, de uma esposa tentando entender, participando de perto da luta de seu marido, mas ela mesma não estando no meio da briga. Rosa Luxemburgo, por outro lado, estava no meio da luta e mantinha um olhar atento da alta torre de vigia que ela mesma havia erguido.


Assim, é fácil entender que enquanto uma, examinando e ponderando, lutou pela apreciação histórica da Revolução Russa, a outra em alta autoconfiança sentou-se em julgamento preconcebido sobre as “heresias bolcheviques” que, “contra todas as razões, tanto deslumbrou e iludiu a mente clara de Rosa Luxemburgo que ela desejou repetir na Alemanha a experiência que havia fracassado na Rússia”. Não há necessidade de prosseguir com este veredicto esmagador, pois estou certo de que as “experiências que fracassaram na Rússia” ainda terão um papel criativo atribuído a eles na história futura, quando o que os conciliadores socialistas escreveram contra eles não será mais capaz para prejudicar até mesmo um rato. A atitude de Rosa Luxemburgo em relação à Revolução Russa foi consistente e clara. Não deve ser julgado por enunciados incidentais sobre pessoas e eventos, enunciados que são perdoáveis ​​com pessoas de alto astral, de sensibilidade sutilmente diferenciada e tensa, influenciadas por impressões e coisas. Rosa Luxemburgo valorizava o bolchevismo como um todo por sua importância histórica proeminente, e ela deixou de criticar essas inclinações de detalhes e seu tato a proibiu de agir como a exigência de consistência na ação política de Louisa Kautsky obviamente parece ter exigido. Isso significa desenterrar velhas disputas e julgamentos antiquados exatamente no momento em que os espiões e carrascos de Ebert e Noske estavam perseguindo os passos de Radek.


Não desejo discutir dentro dos limites dessas linhas com Louise Kautsky sobre a questão de quais são realmente os “métodos bolcheviques que Rosa Luxemburgo não apenas confessou, mas infelizmente começou a praticar ela mesma”. Tudo o que desejo dizer é que esses “métodos” não correspondem à figura que, em benefício da política sem princípios e medrosos da ala direita do Partido Socialista Independente, está sendo desenhada na parede – uma falsificação que se aproxima muito do espantalho “bolchevique” e “Spartacus” dos socialistas do governo. No entanto, não vamos mais mencionar os “métodos bolcheviques”. Com esta palavra de ordem para explicar o aborto da revolta de janeiro de Berlim é tão tolo quanto atribuir o fracasso da Comuna de Paris a ter antecipado as “heresias bolcheviques” e “métodos”. Rosa Luxemburgo não tirou seus métodos de combate das condições russas. Ela os deduziu por meio de uma profunda pesquisa sobre o desenvolvimento internacional. Para a Alemanha, ela as baseou nas condições alemãs, mas não nas condições do período passado de evolução lenta, mas nas condições do tempestuoso capítulo da revolução que começou após a ascensão e desdobramento do imperialismo.


Minha amiga Louisa Kautsky não ficará ofendida se eu disser o que penso, ou seja, que o artigo de comemoração foi iniciado pela grata amiga de Rosa Luxemburgo e finalizado pela esposa de Karl Kautsky. Rosa Luxemburgo teria sido a última pessoa a censurá-la por isso. De sua consciência de sua própria liberdade, cresceu uma clemência para com a coerção interna e a dependência dos outros. Não é o patrocínio de Louisa Kautsky que terá falado a última palavra sobre o “delírio” e os “métodos bolcheviques” de Rosa Luxemburgo. A palavra final será pronunciada pela história. Todos nós que nos orgulhamos de ter sido amigos e camaradas de armas de Rosa Luxemburgo aguardamos este veredito.


Por Clara Zetkin


Publicado no The Communist International, Vol. 1, No.2, 1919.