banner VII Salao do Livro Político.gif
  • NOVACULTURA.info

"Uma vez mais a guerra como a 'salvação' ianque"



Quem ler as manchetes da mídia internacional nas últimas semanas encontrará, em abundância, notícias como esta: “EUA vão intervir se a China tentar invadir Taiwan?”, “Os EUA estão preparados para “qualquer ato” de Pyongyang”.


Milhares de toneladas de armas dos Estados Unidos fluem para a Ucrânia, outras acabam nas mãos de seus aliados e não poucos seguem um rumo desconhecido.


A guerra é um grande negócio, diríamos que é o negócio mais desejável e duradouro do sistema capitalista, suporte da estrutura política e econômica do império norte-americano, que não sabe ou não pode sobreviver sem ela.


Quantas vezes a economia em crise daquele país foi regenerada graças ao sofrimento das vítimas das guerras?


O sistema econômico dos EUA foi construído em torno de seus orçamentos militares, especialmente desproporcionais durante a Guerra Fria.


A aliança entre o Estado federal e as empresas armamentistas é operacional, coordenada e indivisível, dentro do que é conhecido como Complexo Industrial Militar.


Uma guerra, que eles batizaram de “esplêndida” em 1898, os transformou em um império nascente; outra, a primeira conflagração mundial, os consagrou como tal, e a segunda desse tipo (1939-1945) fez deles a primeira potência.


A “cruzada contra o terrorismo” permitiu a George W. Bush deter o colapso da economia americana.


O Complexo Industrial Militar foi definitivamente estruturado em 26 de julho de 1947, quando o presidente Truman impôs a adoção da Lei de Segurança Nacional.


A colaboração entre o poder civil, os militares norte-americanos e a indústria bélica foi reforçada ao longo da Guerra Fria, especialmente durante a presidência do general Eisenhower, de 1953 a 1961. A indústria bélica adquiriu, assim, um considerável peso econômico e político peso, influenciando decisivamente a política externa.


A crise econômica atinge duramente o mundo, e as repercussões mais diretas são observadas no aumento dos preços dos alimentos básicos. As sanções à Rússia, como resultado da guerra na Ucrânia, afetaram o fornecimento de energia, o que desencadeou os preços.


A grande potência capitalista hoje está perdendo terreno para seus rivais, mesmo em áreas tão importantes quanto o desenvolvimento tecnológico e a inovação.


Um milhão de mortes pela pandemia de COVID-19 e a manifesta incapacidade de seus líderes para enfrentar e resolver crises, colocam em questão a suposta liderança ianque.


Desemprego, inflação galopante, problemas com cadeias de suprimentos, desabastecimento e um presidente que compete consigo mesmo na impopularidade, não justificam, mas nos fazem “entender” a corrida desesperada de Biden para provocar conflitos ao redor do mundo.


O tempo está se esgotando e precisam urgentemente de conflagrações em todos os lugares, claro, como sempre, longe do território ianque. Afinal, eles acreditam que são os “destinados” e querem sobreviver para governar o mundo indisciplinado que está escapando de suas mãos.


Do Granma