top of page
  • Foto do escritorNOVACULTURA.info

"A Poesia soviética"



Meio século de poesia soviética significa meio século de uma das maiores épocas da literatura de língua russa. Isso significa, para dizer com precisão, meio século de construção de uma nova sociedade através de um caminho acidentado de lutas, de dolorosas perdas e conquistas obtidas à custa de um sofrimento incalculável.


Neste difícil ciclo histórico, logicamente, suas próprias formas poéticas também são delineadas, novos meios são procurados para canalizar novas ideias e sentimentos, novas formas expressivas são investigadas de acordo com os tempos. Estas buscas, em todo caso, baseiam-se na experiência e na tradição da poesia clássica russa.


O ouvido do poeta captura na vida, em seu caótico desdobramento, aquele acúmulo de apelos que definem seu significado irrepetível. “Ouça a revolução com todo seu corpo, com todo seu coração, com toda sua consciência”, exortou Alexander Blok. Como grande poeta, ele entendeu que os novos acontecimentos, a própria marcha do tempo, trazia dentro de si novas possibilidades para a poesia russa, e demonstrou isso brilhantemente em seu poema Os Doze.


A poesia expressa o espírito da história, é seu ouvido e sua voz. Não pretendo buscar aqui uma enésima - e sedutoramente exaustiva - definição de poesia, que talvez seja também a mais influente. E é também o mais esquivo, pois, traduzido para outro idioma, perde inevitavelmente parte de sua capacidade intransferível de sugestão. Expressão de um espírito e de uma cultura, a poesia é um coro de vozes em que, quanto mais claramente cada uma delas é ouvida, mais ressoa o coro e maior a diversidade das raízes de um momento histórico particular é revelada.


Daí o desejo de iniciar esta digressão sobre a poesia russa soviética partindo de uma característica que lhe é muito essencial: a profusão e variedade de seus cultivadores. Muito diferentes e similares ao mesmo tempo, eles viram e apreciaram a realidade de maneiras diferentes, e chegaram a compreendê-la por caminhos diferentes. Muitas vezes personalidades opostas, se definiram como inovadores que arrojadamente quebraram o molde ou tradicionalistas que manifestaram igual virtuosidade enquanto permaneciam fiéis ao verso russo clássico e despejavam novo conteúdo nele.


Há todos os motivos para dizer que nenhum período histórico no passado brilhou com uma tal diversidade de sotaques poéticos. Não se trata de sua força, embora a revolução tenha dado aos poetas russos como Blok, Maiakovski, Tvardovsky, mas precisamente da polifonia de suas vozes e da diversidade de seus mecanismos estéticos.


A poesia do passado foi o trabalho e o patrimônio de um círculo mais ou menos restrito de sociedade erudita, de escolas e programas que se sucederam um após o outro, derivados desta ou daquela corrente social. Mas a revolução envolveu, de uma forma ou de outra, enormes massas de pessoas: despertou a consciência histórica de forças populares incalculáveis e agitou e também perturbou os setores mais isolados da intelectualidade que, como disse Vera Inber, “absorveu a realidade como se fosse uma palha para se refrescar”. A revolução os apresentou um forte dilema moral.


O alvoroço da luta que se aproximava podia ser ouvido em poesia muito antes de 1917. Nos anos anteriores à revolução, somente aqueles sem ouvidos não conseguiam ouvi-la. Blok confirma isto em suas meditações sobre a sensação histórica da Rússia, no pressentimento de que “o sangue negro da terra nos promete, rasgando as veias, destruindo todas as divisões, mudanças nunca vistas antes”. Futuro tribuna da revolução, o jovem Maiakovski profetizou:


Onde o olho não pode ver,

à frente de hordas famintas,

coroado com espinhos pela revolução,

O ano dezesseis está se aproximando.


Ele equivocou-se por apenas um ano, e continuou a buscar novos meios poéticos, pois “a rua está contorcida, muda: não tem língua para gritar e falar”. Do seu lado, o “incansável” Demián Biedni, que lida perfeitamente com o verso dialogante da fábula, que ele senta com ditos populares afiados e fraseologia política densa, já está gritando livremente.

Depois de Alexander Blok, Valery Bryusov, o mestre do simbolismo russo, o inventor mágico das palavras Velimir Khlebnikov, e o engenhoso sonhador André Bieli também dedicaram seus melhores esforços à construção da nova cultura. A contribuição deste grupo de geração para a poesia soviética não se limita aos esplêndidos poemas de Blok The Scythians, as odes de Bryusov e as canções de Khlebnikov. Consiste também em dar um novo repertório de cultura a uma boa classe de poetas. E não apenas no sentido metafórico: as palestras de Blok e Bieli sobre poesia e os colóquios no Instituto de Literatura - organizados por Bryusov - foram de fato frequentados por todos os escritores dos anos 20. A poesia soviética russa surgiu assim praticamente como uma herança contrastante dos ideais humanistas da poesia clássica russa e de seu domínio técnico.


Os poetas que começaram seu trabalho antes da revolução seguiram caminhos diferentes depois. Estes eram muito complexos em poetas tão importantes como Anna Akhmátova, Osip Mandelstam e Marina Tsvetaeva, cuja criação já havia se desenvolvido em formas, digamos, de poesia de câmara, distantes da encruzilhada batida pelos ventos da revolução. Entretanto, estes ventos não demorariam muito para atingir também outras margens da poesia, o que nos ofereceria com toda precisão as vicissitudes deste mundo desconcertado pelos acontecimentos.


Quanto aos poetas cujo trabalho estava em vias de se estabelecer, a revolução lhes deu um impulso extraordinário. Nas tempestades do novo mundo também nasceu, como uma revelação, a introspecção apaixonada de Sergei Yesenin, o mais alto dos letristas russos, com sua preocupação febril pela Rússia e por tudo que está vivo; o complexo mundo espiritual da poesia de Boris Pasternak, a forte arquitetura verbal de Nikolai Aseev, a meditação de Vera Inber sobre si mesma e seus tempos, nasceram.


O caminho era árduo, sinuoso e às vezes trágico. Se Maiakovsky penetrou no futuro com um passo firme, Yesenin escreveu com sua sinceridade inata: “Quando tento alcançar as hostes de ferro, fico com um pé no passado, com o outro escorrego e caio no chão”. Mas o estímulo de seu trabalho consistiu na peneiração do passado, na sede ardente de “penetrar a cada instante com uma situação de fúria”. O estabelecimento do novo regime social foi um caminho difícil para os poetas que, como Yesenin, “sofreram sem entender o que estava por vir”.


Fiel a seus princípios no campo da arte, o novo sistema cultural instou os artistas a assumirem um papel educativo na esfera ideológica através de uma filosofia de vanguarda, sem de forma alguma restringir qualquer tendência na esfera da literatura, já que o objetivo era “a livre emulação de diferentes correntes e grupos, sem conceder um monopólio a nenhum deles”. Esta política contribuiu para a coesão das forças criativas e para a realização das tarefas estabelecidas perante o país pela própria história. Os poetas encontraram novos estímulos temáticos em sua própria interpretação das novas formas de vida. O crescente impulso para o futuro teve que ser transmitido de alguma forma à criação poética.



Referência:

NAKAROV, Alexander. Antologia de la Poesia Soviética. Madrid: Editora Jucar, 1974. p. 9-13.


0 comentário
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • Telegram
  • Whatsapp
PROMOÇÃO-MENSAL-mai24.png
capa29 miniatura.jpg