1/10

"Partir das massas para retornar às massas"



O camarada Mao Tsé-tung disse: “Em toda atividade prática do nosso Partido, não pode haver direção mais justa que o princípio de “partir das massas para retornar às massas”. Isso também se aplica às tarefas da Revolução Cultural Proletária.


Se uma unidade leva a cabo exitosamente suas tarefas no contexto desse movimento, isso é graças a seus responsáveis que sabem como seguir os ensinamentos do camarada Mao Tsé-tung, assumir a liderança do movimento, mobilizar as massas sem restrições, animá-las a expressar seus pensamentos em jornais de parede com grandes caracteres e a manifestar suas opiniões plena e francamente em grandes debates, e conduzir as massas a participarem na luta para varrer todos os maus elementos.


Esses bons líderes mostram que sabem como abordar a escola de massas para logo ensinar às massas. Tais líderes se mostram dispostos a escutar as opiniões das massas, a tomar notas, a refletir e conceder-lhes mais atenção.


Eles têm o valor de atrair o fogo da crítica sobre eles próprios, de seus defeitos e os erros que se revelam em seu trabalho.


São bem-vindos os dazibaos feitos pelas massas que revelam seus erros, faltas e críticas. Deste modo, demonstram um estilo comunista elevado.


Com isto querem ganhar a confiança das massas, adquirir iniciativa no trabalho, o direito de debater e de orientar; e isso é o que lhes permite guiar o movimento corretamente.


Mas também existem alguns líderes que atuam de maneira muito diferente. Assemelham-se a Yekong e possuem paixão pelos dragões, mas também medo mortal. Com a boca pequena falam da linha de massas, mas da qual as massas estão mortas de terror. Têm medo disso e aquilo; temem que as chamas da luta revolucionária das massas lhes queimem e que as massas ponham em evidência seus erros e defeitos. De fato, se os camaradas que tenham cometido erros menores se atrevem e assumem com franqueza seus defeitos, se fazem autocrítica sincera e seriamente, se aceitam as críticas, com mente aberta, formuladas pelas massas e demonstram, através de ações, que estão decididos a corrigir seus erros, as massas lhes entenderão, lhes perdoarão e lhes acolherão por essa atitude.


Também há uma parcela de outros líderes que escolhem agir como senhores e burocratas e se colocam por cima das massas. Uma vez que se recusam a escutar as opiniões das massas. Quando esses poucos aparecem em jornais, em grandes caracteres, sendo criticados, não conseguem suportar. Buscam pretextos para reprimir o movimento de massas e tomar ações contra as massas como forma de vingança. Ao fazer isso, não podem dirigir a Revolução Cultural nem se manter no poder mais tempos, e finalmente serão abandonados pelas massas.


O camarada Mao Tsé-tung disse: “Cada um de nossos quadros, qualquer que seja sua patente, é um servidor do povo. Tudo que fazemos é para servir ao povo”.


É absolutamente intolerável que os comunistas tomem atitudes de senhores burgueses contra as massas. A Revolução Cultural Proletária está orientada precisamente contra senhores burgueses desse tipo.


Se um comunista não aprende humildemente a escola das massas e adota atitudes de burocrata, se pode falar de espírito comunista? É um estilo de trabalho diametralmente oposto ao do Partido Comunista, é o estilo de trabalho do Kuomintang.