1/10

Machel: "A Solidariedade é uma ajuda mútua entre as forças que combatem pelo mesmo objetivo"



Reggio Emília, 25 de março de 1973.


Senhor Presidente da Conferencia,


Amigos e Camaradas Dirigentes e Militantes das Forças Democráticas Italianas,


Amigos e Camaradas do MPLA e PAIGC,


Amigos e Camaradas Delegados e Observadores.


Esta manifestação de solidariedade é uma festa da amizade dos Povos, uma reafirmação, do princípio de que todos os Povos querem a Liberdade, a Justiça, o Progresso e a Paz e que estes são indivisíveis.


Esta magnifica celebração tem lugar na região da Emilia Romagna, onde em cada passo encontramos manifestações concretas de ódio contra o fascismo e a exploração, exemplos de determinação populares em defender os direitos do Povo.


Aqui a luta pela Independência e Unidade da Itália, viveu momentos altos. Aqui, nesta terra mártir e heroica, se estabeleceu um dos principais centros de combate contra o fascismo e o hitlerismo. Hoje, a Emília Romagna é uma das regiões da Itália onde se instalou o poder democrático e popular, defendendo assim conquistas da resistência italiana.


Interpretando os interesses e mantendo vivo o sentido profundo da resistência italiana, o Povo da Emília Romagna, transformou a sua região numa frente de solidariedade italiana para com a luta dos outros Povos.


Aqui em Região Emília se encontra o Hospital S. Marie Nuova, ligado ao Hospital Zambbuia, Zambezia, por um pacto de amizade. Ainda na Emília Romagna se encontra a Comuna de Bolonha, também ligada por um pacto de amizade com o nosso Centro Educacional de Tunduru.


São estas e inúmeras outras manifestações de solidariedade, carinho e amizade do Povo italiano, que hoje queremos aqui, solenemente saudar e agradecer em nome do Povo Moçambicano e da FRELIMO.


Para além do apoio concreto que ela representa a vossa solidariedade, é também uma ação política que nos ajuda a educar o nosso Povo.


Que esta Conferência se inaugure no dia do aniversário do massacre das Fosse Ardeatine é mais uma circunstância que recorda quanto a história dos nossos povos se liga, no passado e no presente à mesma experiência da brutalidade e crueldade da dominação nazifascista, mas, ao mesmo tempo, à coragem e determinação popular da luta comum.


O colonialismo e o imperialismo fizeram conhecer ao nosso Povo a face brutal da agressão, da exploração, da opressão.


<