1/10

"A CIA e o ódio como arma nas redes sociais"



O Grupo de Ação Política (GAP), que faz parte do Centro de Atividades Especiais, divisão da Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos, realiza, entre outras missões, análises baseadas em Big Data, processa perfis de assuntos de interesse e elabora planos de ação que são enviados ao Internet Task Force, encarregado de executá-los.


Através da obtenção de informações de Big Data que podem ser utilizadas para trabalhos subversivos, permite que as forças se organizem melhor para mobilizá-las no cumprimento de um determinado objetivo e, sobretudo, através da microssegmentação do público, elas administram, de uma forma particular e específica, as preocupações de cada bairro, de cada família, de cada pessoa.


Os analistas inimigos podem construir modelos capazes de prever atributos ocultos, incluindo preferências políticas, orientação sexual, o quanto você confia nas pessoas com as quais se associa, o quão fortes são essas relações, tudo graças às informações que os próprios usuários publicam nas redes.


Em fevereiro de 2018, seguindo orientação do ex-presidente Donald Trump, foi criada a chamada Força-Tarefa da Internet para Cuba ou Grupo Operacional da Internet para a Subversão em Cuba, subordinada à questão, que é a mesma da CIA.


É a encarregada de contratar os chamados netcenters, que realizam as campanhas contra Cuba mediante a contratação de especialistas que, por sua vez, reúnem dezenas de ciber criminosos ao seu redor. Também têm a missão de coordenar as ações das plataformas e meios de comunicação contrarrevolucionários e de buscar colaboradores na Ilha, entre outras tarefas.


No ciberespaço também existe um espécime sórdido, temido por muitos, o hater. O termo, importado do inglês, refere-se àquelas pessoas que se dedicam a assediar outras pessoas por meio de redes sociais.


Eles usam as características físicas de suas vítimas, orientação sexual, raça, ideologia ou religião, para realizar seu trabalho de assédio. Eles usam a dor, os medos e as inseguranças daqueles que levam a sério suas reivindicações.


Alguns agem por diversão, ressentimento ou inveja, mas há outros que são verdadeiros mercenários, pessoas contratadas para realizar campanhas de descrédito ou assassinatos de reputações. É por isso que são chamados de ciber criminosos.


O assassinato de caráter cívico ou de reputação, como também é denominado nos manuais de guerra psicológica de várias agências e organizações de inteligência no mundo, faz parte dos métodos utilizados pelos serviços especiais dos Estados Unidos para destruir os adversários do Império.


O ciber criminoso busca fazer com que a pessoa agredida se sinta indefesa, pense que não está no controle da situação, se esgote em defesas inúteis e tente se isolar, distanciar-se o mais possível de seus assediadores. O objetivo é fazer com que a vítima tente se justificar publicamente e se autocensurar, o que não necessariamente encerra o ataque, pode até se intensificar.


Utilizam o envio repetido de mensagens ofensivas e insultuosas, altamente intimidantes, a determinado indivíduo, o que inclui ameaças de agressões que fazem com que a pessoa tema pela sua própria segurança; eles fazem circular boatos sobre alguém, para quebrar sua reputação; manipular materiais digitais, fotos, conversas gravadas, e-mails, roubar senhas para falsificar a identidade; eles fazem circular notícias falsas e "fofocas" cruéis sobre suas vítimas; Eles fazem chantagem econômica… Nada que, por mais desumano que seja, os funcionários da CIA impeçam.


Quando vários assediadores participam do ato de cyberbullying, a ação é chamada de mobbing, e faz parte da estratégia contra os internautas cubanos, especialmente figuras públicas. Centenas de trolls, assassinos digitais, ciber mercenários, todos treinados e pagos pela CIA, participam dos ataques, perfeitamente planejados e