1/10

Kim Jong Il: "Sobre corrigir os desvios na implementação da política sobre os intelectuais"





O setor educacional não está trabalhando corretamente com os intelectuais. Diz-se que, recentemente, uma certa universidade dispensou alguns professores com antecedentes familiares complicados e carreiras sócio-políticas, sob o pretexto de que estava se formando fileiras de professores. No passado, o campo da cultura e da arte tentou demitir um criador que trabalhava bem na realização de filmes que defendiam a política artística e literária de nosso Partido, sob o pretexto de sua vida política passada. Então eu critiquei os funcionários envolvidos e deixei-o livre para continuar em seu trabalho. Desta vez, o setor educacional cometeu um erro semelhante. Este é um problema sério que não podemos ignorar.


Demitir professores da universidade quando eles seguem nosso Partido e trabalham honestamente para o treinamento de nossos quadros e para o desenvolvimento da ciência e cultura em nosso país, sob o pretexto de suas origens e carreiras inadequadas no passado é contraditório com a política do nosso Partido em relação aos intelectuais e representa uma atitude equivocada que resulta no enfraquecimento da confiança das massas no Partido, um divórcio das massas com o Partido.


Há muitos intelectuais que têm origens familiares e carreiras sócio-políticas problemáticas. A maioria de nossos intelectuais veteranos nasceu em famílias ricas e, portanto, estudou e serviu instituições japonesas como intelectuais coreanos. Eles trabalharam lá não para os imperialistas japoneses, mas para sua própria sobrevivência. Portanto, não há culpa nisso. Embora nossos intelectuais tenham servido as instituições japonesas ou dos capitalistas, eles sofreram humilhação nacional e discriminação como intelectuais coloniais, então eles possuem o espírito anti-imperialista, revolucionário e sentimentos patrióticos. A posição daqueles que viviam na Coreia do Sul quando foi ocupada pelo imperialismo dos EUA após a libertação foi a mesma que a daqueles que trabalharam sob o domínio imperialista japonês.


Imediatamente após a libertação, o grande líder camarada Kim Il Sung, confiando no espírito anti-imperialista e revolucionário e no patriotismo dos intelectuais, apresentou uma política de acolhê-los e fazê-los servir ao povo trabalhador, dando-lhes um amplo leque de técnicas e conhecimento na construção de um novo país. Após a libertação, um grande número de intelectuais chegou à metade norte da Coreia, vindo da Coreia do Sul, para buscar abrigo no abraço do líder, e dedicaram esforços para treinar nossos quadros nacionais e desenvolver a ciência e cultura do país na universidade e em outras instituições educacionais, apoiando a ideia do líder de construção da nação.


Os intelectuais seguiram nosso Partido sem vacilar durante os dias de retiro temporário na sombria Guerra de Libertação da Pátria e realizaram grandes façanhas participando ativamente da reconstrução pós-guerra e da revolução socialista. Nossos intelectuais veteranos têm sido testados e experimentados na difícil e complexa luta pelas revoluções democrática e socialista e pela construção socialista. Hoje em dia, não há razões para desconfiar dos intelectuais dos velhos tempos que acompanharam nosso Partido nos difíceis anos de nossa revolução, dedicando sua sabedoria e talentos à luta pelo Partido e pela revolução, pelo país e pelo povo.


Significa ajudar o inimigo o ato de encontrar defeitos nos intelectuais dos velhos tempos que realizaram a revolução conosco por mais de 20 anos, sob o pretexto de suas origens familiares e assim por diante. Os imperialistas espalham propaganda falsa de que os comunistas empregam intelectuais temporariamente quando necessário e depois os abandonam. Se intelectuais veteranos que trabalharam bem até agora são demitidos de seus empregos como professores porque suas origens familiares ou carreiras são um pouco problemáticas, forneceremos ao inimigo pretextos perfeitos para propaganda anticomunista.


Dispensar pessoas com antecedentes familiares complexos da universidade terá uma influência política ruim em outras pessoas. Se vocês acham que dispensar alguns professores da universidade não é um grande problema social, estão enganados. As condições sócio-históricas e características específicas do desenvolvimento revolucionário do nosso país tornaram a sua composição social e de classe muito complexa e há muitas pessoas com origens problemáticas. Entre as massas populares cujas origens familiares e carreiras sócio-políticas são complicadas, aqueles que são fracos em sua fé e visão revolucionária do mundo podem duvidar da política do nosso Partido sobre os intelectuais e sua política de abraçar e reeducação. As pessoas depois de ver os intelectuais veteranos demitidos da universidade podem hesitar ideologicamente enquanto consideram seu futuro. Isto levantará grandes obstáculos ao trabalho de unir as grandes massas em torno do Partido.


As pessoas que lutam pela democracia social e a reunificação nacional na Coreia do Sul hoje incluem muitos da classe proprietária e intelectuais. De sua própria posição, um grande número de intelectuais sul coreanos está prestando muita atenção à política de intelectuais do nosso partido. Também é dito que os jornalistas sul coreanos que vêm à Panmunjom para coletar notícias perguntam aos nossos jornalistas sobre seu futuro após a reunificação do país. Vocês devem perceber claramente que, se não conseguir lidar adequadamente com os intelectuais dos velhos tempos, de acordo com a política do Partido, vocês não apenas trarão ao Partido uma grave perda política, mas exercerão uma influência negativa sobre a causa da reunificação nacional.


A demissão de antigos professores de seus cargos é, em essência, a mesma cometida pelos faccionalistas antipartido que tentaram expulsar os intelectuais veteranos que o líder treinou com carinho das fileiras revolucionárias, distorcendo a política de nosso Partido. Funcionários que expulsaram intelectuais veteranos da universidade, contrariando a política do nosso Partido, porque suas origens familiares e carreiras sócio-políticas são problemáticas, devem assumir a responsabilidade perante o Partido por seu erro.


O setor educacional cometeu esse grave erro que distorce a política do nosso Partido sobre os intelectuais, principalmente porque os principais funcionários neste campo não entenderam completamente o sistema ideológico monolítico do Partido e não têm firmeza em pensar e agir de acordo com a política do Partido.


Para implementar corretamente a política do nosso partido sobre os intelectuais, é necessário antes de tudo remediar o ponto de vista errado em relação aos intelectuais veteranos.


Alguns funcionários agora dizem que confiam nos intelectuais veteranos, mas na prática têm preconceitos contra eles de uma forma ou de outra. Isso significa que os próprios funcionários não entenderam adequadamente a política do nosso partido.


A política do nosso partido em relação aos intelectuais não é de forma alguma uma tática para explorar seu conhecimento e técnicas temporariamente. Ao fundar o nosso partido, o líder considerou os intelectuais, juntamente com a classe trabalhadora e os camponeses, como a força motriz de nossa revolução, definindo-os como um componente do partido e estabelecendo uma política de alistar e reeducar intelectuais veteranos.


A política do nosso partido sobre intelectuais sempre permaneceu invariável. Hoje nossos intelectuais não são um estrato intermediário da sociedade com um caráter dual que pode servir uma classe ou outra, como é o caso dos intelectuais em uma sociedade exploradora. Eles são intelectuais operários socialistas que servem ao Partido, à revolução, à classe trabalhadora e às massas populares; eles são nossos companheiros na revolução que estão avançando conosco ao longo do caminho do socialismo e do comunismo. A posição consistente do nosso partido é que devemos nos mover em direção à sociedade comunista com aqueles que nos seguem, confiando e reeducando todos eles, não importa quão complicados sejam seus antecedentes familiares e carreiras sócio-políticas.


A julgar pelo fato de essas autoridades terem demitido as pessoas com problemáticas origens familiares da universidade, sob o pretexto de fortalecer as fileiras dos professores, elas não parecem ter uma compreensão correta da questão da origem familiar. Se desejassem consolidar as fileiras de professores, os funcionários deveriam ter educado todos eles em linhas revolucionárias, de modo que fossem invariavelmente leais ao Partido e ao líder e trabalhassem devotadamente para desempenhar com sucesso suas tarefas revolucionárias.


A revolução é realizada por meio do pensamento de alguém, não através do passado familiar. Se alguém se dedica à revolução ou não, não é determinado pelo passado familiar, mas pelo pensamento de alguém. É claro que o contexto familiar influencia a formação da visão das pessoas sobre o mundo e o desenvolvimento de sua consciência ideológica, mas não é o mesmo que os pensamentos das pessoas. A consciência ideológica de um homem pode mudar para melhor ou pior de acordo com a educação que ele recebe. Mesmo um homem com um bom histórico familiar pode degenerar-se ideologicamente e tornar-se um retardatário na revolução, a menos que receba educação e treinamento revolucionários constantes, e um homem com experiência ruim pode se tornar um revolucionário robusto se receber educação e treinamento revolucionários práticos.


A história de nosso país e a do movimento comunista internacional mostram que pessoas de famílias ricas trabalharam pela revolução seguindo o caminho da justiça, e muitos revolucionários devotaram conscientemente suas vidas à causa da classe trabalhadora depois de vacilar durante certo período. As pessoas que participaram da luta revolucionária antijaponesa organizada e liderada pelo líder incluíam não apenas pessoas com um histórico familiar problemáticos, mas até mesmo alguns intelectuais que haviam estudado no Japão.


Embora suas origens familiares fossem complicadas, eles embarcaram no caminho da revolução, seguindo o líder, cresceram como revolucionários ardentes sob sua orientação e permaneceram leais à causa nobre da liberdade e libertação de nosso país.


Hoje, quando nossa revolução avançou muito, julgar a confiabilidade de um homem pelos arquivos pessoais de seu pai e seu avô ou pelo passado familiar escrito com sua história pessoal é um modo de pensamento não-científico e metafísico do ponto de vista do princípio da revolução e da situação no nosso país. A política consistente do nosso partido é julgar um homem não por seu passado, mas principalmente por sua vida atual. As principais autoridades devem corrigir sua maneira errônea de julgar o homem por sua origem familiar ou por sua carreira passada.


Devemos ser prudentes em julgar as pessoas.


As ideias de um homem são expressas em suas palavras e ações, de modo que seus pensamentos podem ser julgados por suas palavras e ações. No entanto, o pensamento de um homem não se reflete em suas palavras e ações, assim como uma coisa é refletida em um espelho. Portanto, vocês não podem ler a mente de um homem apenas observando fenômenos e aparências. A vida de um homem é complicada e variada e todo homem tem seu próprio caráter. Algumas pessoas dizem coisas boas em público e fazem muitas promessas, mas nos bastidores elas agem de forma diferente. Algumas pessoas fingem estar entusiasmadas, embora não sejam assim, e fingem ser intensamente leais ao Partido, embora não sejam. Se uma coisa em um pacote é vermelho ou preto só pode ser conhecido quando é desembrulhado. Da mesma forma, a ideia e o pensamento interior de um homem só podem ser conhecidos quando sua vida é analisada de perto. Se isso não for bem feito, um homem bom pode ser julgado ruim e vice-versa.


Não devemos ser prejudicados em nossos trabalhos com os intelectuais dos velhos tempos marcando-os politicamente de forma não razoável. É claro que vocês devem combater de forma inflexível aqueles que contestam as políticas do nosso Partido e agem de forma contrária ao sistema ideológico monolítico do Partido. Essas pessoas não devem poder ensinar.


O trabalho educativo é importante para a formação de estudantes em revolucionários comunistas leais ao nosso partido. Portanto, as pessoas que não compreenderam o sistema ideológico monolítico do Partido não estão qualificadas para o ensino. No entanto, quando há um problema com um professor, não devemos fazer um julgamento apressado, mas avaliar corretamente seu caso depois de analisar a informação em mãos de vários ângulos.


Devemos trabalhar muito para transformar os intelectuais em um padrão revolucionário e assimilá-los à classe trabalhadora.


A fim de incentivar os intelectuais a continuar seguindo o nosso Partido e a trabalhar pela revolução durante toda a sua vida, eles devem ser transformados em um padrão revolucionário e assimilados à classe trabalhadora. A transformação revolucionária e a assimilação à classe trabalhadora são necessárias para todos, particularmente para os intelectuais.


Eles têm poucas chances de se temperar de maneira revolucionária devido à natureza de seu trabalho, e retêm mais ideias pequeno-burguesas e outros remanescentes ideológicos antiquados do que outros. Sem expurgar as ideias antiquadas remanescentes nas mentes dos intelectuais, seria impossível treiná-las para serem revolucionários comunistas ou aumentar seu papel na construção socialista. Se uma campanha intensiva para transformar os intelectuais num padrão revolucionário e assimilá-los à classe trabalhadora não for lançada, o egoísmo, o liberalismo e outros remanescentes ideológicos ultrapassados podem aumentar e eles podem degenerar ideologicamente sob a influência do dogmatismo e do revisionismo.


A educação ideológica e a vida organizacional devem ser fortalecidas para transformar os intelectuais em um padrão revolucionário e assimilá-los à classe trabalhadora. Fazer isso não é uma questão de luta contra os próprios intelectuais ou de dispensá-los, mas um esforço para reformar seu pensamento, eliminando as ideias retrógradas de suas mentes e armando-os com ideias comunistas. Portanto, o sucesso não pode ser alcançado por métodos administrativos.


Em primeiro lugar, a educação ideológica deve ser intensificada a fim de armar intelectualmente os intelectuais com as ideias revolucionárias do nosso partido.


Os revisionistas anti-partido que outrora eram responsáveis ​​pelos setores ideológicos e educacionais do Partido não deram educação ideológica adequada aos intelectuais, alegando que não era necessário que estudassem a política do Partido e as reminiscências dos guerrilheiros antijaponeses porque estavam em nível intelectual tão alto que eles poderiam entender o conteúdo da política do Partido e as reminiscências se os liam apenas uma vez. Como resultado, alguns deles foram influenciados pelas ideias burguesas, revisionistas e confucionistas feudais e degeneraram ideologicamente. Não se adquire a visão revolucionária do mundo simplesmente porque se tem conhecimento e uma compreensão teórica da lei do desenvolvimento social e da política partidária.


A educação ideológica não se destina apenas a dar conhecimento político às pessoas, mas a capacitá-las a transformar as ideias revolucionárias de nosso partido e as políticas do Partido em sua própria carne e osso e aplicá-las completamente na prática. Os intelectuais devem ser educados nas políticas do Partido, nas tradições revolucionárias, na assimilação com a classe trabalhadora e nas ideias comunistas, para que estejam firmemente armados com as ideias revolucionárias do nosso Partido, pensem e ajam conforme exigido pelas políticas do Partido em todos os momentos e em todos os lugares.


Um aspecto importante da transformação revolucionária dos intelectuais e sua assimilação à classe trabalhadora é eliminar as ideias antiquadas como o egoísmo e o liberalismo e encorajá-los a adquirir o espírito revolucionário e senso de organização e disciplina da classe trabalhadora e um forte espírito revolucionário. Os intelectuais, ao contrário da classe trabalhadora engajada na produção, em muitos casos agem individualmente e, consequentemente, não possuem o senso de organização, disciplina e coletivismo, e a força de vontade para superar as dificuldades.


Fortalecer a vida organizacional revolucionária é a melhor maneira de armar os intelectuais com o espírito revolucionário e o senso de organização e disciplina da classe trabalhadora e temperá-los politicamente. Os intelectuais não devem encarar a vida organizacional como um fardo ou se ressentir da orientação e controle da organização.


Não gostar da orientação e controle da organização, considerando-a como uma restrição da liberdade do indivíduo, é um ponto de vista liberalista burguês. Aqueles que não gostam e negligenciam a vida organizacional se degenerarão ideologicamente e, a longo prazo, se desviarão do caminho da revolução.


Para promover sua educação revolucionária e temperamento, os intelectuais devem intensificar seu envolvimento na crítica e na autocrítica. A crítica e a autocrítica são as armas mais poderosas para eliminar os remanescentes ideológicos obsoletos que persistem nas mentes das pessoas e educam as pessoas de maneira revolucionária. Nossa política partidária é de conduzir a luta ideológica por meio da crítica e educar as pessoas de maneira revolucionária na luta ideológica. Aqueles que temem e evitam as críticas não podem remediar suas deficiências. Alguns intelectuais sofrem com a tendência conservadora de temer uma crítica franca de suas falhas e erros diante das massas e de hesitar em criticar as falhas de outros, por várias razões. Os intelectuais devem ser encorajados a tomar parte ativa na luta ideológica, com uma correta compreensão do papel da crítica e a se fortalecerem política e ideologicamente através da luta ideológica. Não deve haver indulgência com os intelectuais dos velhos tempos e nem conivência com suas deficiências.


Atenção especial deve ser dada ao trabalho entre jovens intelectuais.


Graças à política correta do nosso Partido sobre a formação de quadros nacionais, um grande número de novos intelectuais de origem operária foram treinados e constituem a principal força nas fileiras de nossos quadros nacionais. Como a maioria deles foi temperada até certo ponto por meio de suas vidas profissionais e no exército, seu entusiasmo revolucionário é alto e eles têm um forte senso de princípio. Esses são os pontos fortes de nossos jovens intelectuais. Mas isso não significa que não seja necessário que os jovens intelectuais se transformem em um padrão revolucionário e assimilem-se à classe trabalhadora. Os jovens intelectuais foram moderados até certo ponto na luta prática e receberam educação socialista em nossas universidades. No entanto, eles também mantêm ideias antiquadas que podem afetá-los gravemente.


Diz-se que alguns jovens professores universitários comportam-se grosseiramente e arrogantemente porque são muito conhecidos e falados pelo Partido, e os nomes de alguns estão na boca de todos porque estão se comportando mal afirmando que somente eles são leais ao Partido e possuem um espírito de classe forte. Tudo isso é uma expressão de treinamento político inadequado e falta de qualidades revolucionárias. Devemos educar jovens intelectuais de maneira mais eficaz, para que trabalhem e vivam como adequados a jovens intelectuais educados e treinados pelo nosso Partido.


Professores universitários devem trabalhar duro para melhorar suas qualificações.


Seus níveis científicos e teóricos, em geral, não são muito altos agora. É por isso que a qualidade da educação é ruim e alguns graduados universitários não conseguem nem mesmo escrever um plano de aula adequadamente. Apesar do baixo nível de suas qualificações, esses professores não estão fazendo esforços extenuantes para elevar seus níveis científicos e teóricos. Alguns deles reclamam que não têm tempo para estudar porque têm que participar de muitas reuniões e fazer outro trabalho além de suas próprias obrigações, mas isso é uma mera desculpa.


Eles reclamam que não têm tempo para estudar, mas uma análise mostra que um professor não faz mais do que 1 000 aulas por ano. Tal reclamação é injustificada. Nem todo professor universitário é dedicado no estudo. É necessário reforçar a orientação e direcionar o estudo para evitar que eles passem o tempo sem estudar. Em particular, devem ser dadas orientações e assistência mais intensivas aos jovens professores, para assegurar uma melhoria rápida das suas qualificações científicas e teóricas.


O Departamento de Ciência e Educação do Comitê Central do Partido desempenha um papel e um dever muito importante na transformação dos professores universitários em um padrão revolucionário, elevando seus níveis científicos e teóricos para que possam servir ao Partido e à Revolução com honrosa responsabilidade. Se as políticas intelectuais e educacionais do partido são executadas à risca ou não, depende do trabalho do Departamento de Ciência e Educação do Comitê Central do Partido, que organiza e orienta o trabalho educacional.


Os funcionários deste departamento não devem se considerar perfeitos ou, de qualquer forma, pensar que têm o direito de orientar os outros, mas não têm obrigação de aprender. Desvios que ocorreram na implementação da política do Partido sobre os intelectuais e deficiências no trabalho educacional nas universidades indicam claramente que esses funcionários do Comitê Central do Partido não possuem, eles mesmos, uma compreensão correta da política do Partido e sua visão política e nível de orientação são bastante baixo. Os funcionários deste departamento devem continuar a se transformar em um padrão revolucionário, aumentar seus níveis de compreensão política e teórica e trabalhar duro para adquirir o método revolucionário de trabalho e o estilo de trabalho orientado para as massas populares.



Conversa de Kim Jong Il com funcionários do Departamento de Ciência e Educação do Comitê Central do Partido do Trabalho da Coreia em 29 de maio de 1969.


Tradução de A Voz do Povo de 1945

JORNAL-BANNER.png
WHATSAPP-CANAL.png
TELEGRAM-CANAL.png