1/10

Rosa Luxemburgo: "Em marcha com a ideia do Dia dos Trabalhadores"



Em meio as mais selvagens corrupções do imperialismo, o feriado mundial do proletariado está se repetindo pela vigésima quarta vez. O que tem acontecido no quarto de século desde a decisão que marcou época, de celebrar o Dia dos Trabalhadores, é uma imensa parte da trajetória histórica. Quando a manifestação de maio teve seu início, a vanguarda da Internacional, a classe trabalhadora alemã, estava quebrando as correntes de uma vergonhosa lei de exceção e construindo o caminho de um desenvolvimento livre e legal. O período da longa depressão no mercado mundial desde a quebra dos anos de 1870 tinha sido superado, e a economia capitalista tinha acabado de iniciar uma fase de esplêndido crescimento, a qual duraria aproximadamente uma década. Ao mesmo tempo, após vinte anos de paz contínua, o mundo suspirou de alívio, relembrando o período da guerra na qual o sistema estatal europeu moderno recebeu seu batismo de sangue. O caminho parecia livre para um desenvolvimento cultural tranquilo; ilusões, esperanças de uma razoável e pací