1/10

"Fidel e a proclamação do caráter socialista da Revolução Cubana"



Segue abaixo a tradução do discurso de Fidel Castro, em 16 de abril de 1961, na homenagem às vítimas dos bombardeios criminosos dos aeroportos de San Antonio de los Baños, Ciudad Libertad e Santiago de Cuba levados a cabo pelo imperialismo ianque. O discurso se tornou um marco do processo revolucionário cubano e hoje completa 60 anos.


---------


UMA REVOLUÇÃO DOS HUMILDES, PELOS HUMILDES E PARA OS HUMILDES!


Cubanos todos:


É a segunda vez que nos encontramos neste mesmo lugar. Foi o primeiro por ocasião daquele ato de sabotagem que custou a vida a quase uma centena de operários e soldados.


Naquela ocasião, o crime que havia sido cometido contra nosso povo teve que ser explicado por uma série de deduções; naquela ocasião era necessário provar que a sabotagem não poderia ter sido realizada em nosso território, isto é, não poderia ter sido preparada em nosso território dadas as condições de vigilância cuidadosa com que foi realizado o desembarque daquele navio. Não foi possível supor que fosse por acidente, pois o tipo de mercadoria que estava sendo descarregado não poderia explodir em caso de queda.


Era preciso fazer um histórico dos antecedentes que apontavam o culpado daquele ato criminoso; foi preciso lembrar todo o interesse que o governo dos Estados Unidos demonstrou, e todas as medidas que tomou, para evitar que as armas que você estava levantando agora cheguem às nossas mãos.


Desde o início do Governo Revolucionário, o primeiro esforço dos inimigos da Revolução foi impedir o nosso povo de se armar. Os primeiros passos que os nossos inimigos deram foram no sentido de manter o nosso povo desarmado, e face ao fracasso das pressões políticas que foram feitas para nos impedir de adquirir essas armas, face ao fracasso das primeiras medidas diplomáticas, vieram para sabotagem, recorreram ao uso de procedimentos de violência para impedir que essas armas chegassem às nossas mãos, para dificultar a aquisição dessas armas e, em última instância, conseguir com o governo de onde vinha essas armas a supressão das vendas que estavam fazendo ao nosso país.


Aquele golpe custou a vida de muitos operários e soldados, e quando naquela ocasião afirmamos que tínhamos o direito de pensar que os culpados dessa sabotagem eram aqueles que se interessavam por não termos recebido essas armas, você se lembrará de como o governo dos Estados Unidos protestou, como o governo dos Estados Unidos disse que esta era uma acusação injusta, e como tentaram afirmar ao mundo que não tinham nada a ver com a explosão do navio a vapor La Coubre.


No entanto, todos nós, nosso povo, ficamos com a profunda convicção de que a mão que havia preparado aquele ato bárbaro e criminoso era a mão dos agentes secretos do governo dos Estados Unidos.


Estávamos apenas começando, no entanto, para muitas pessoas neste país, e mesmo fora dele, era difícil acreditar que o governo dos Estados Unidos fosse capaz de fazer tanto; Era difícil acreditar que os líderes de um país fossem capazes de realizar tal atentado. Foi possível que para alguns houvesse excessiva desconfiança por parte do Governo Revolucionário, excessiva desconfiança por parte dos cubanos; ainda era possível que uma parte da cidade fosse cética sobre essas afirmações; ainda não tínhamos podido adquirir a dura experiência que temos vindo a adquirir nestes dois anos e meio; ainda não conhecíamos bem nossos inimigos; ainda não conhecíamos bem seus procedimentos; ainda não sabíamos o que era a Agência Central de Inteligência (CIA) do governo dos Estados Unidos; ainda não tivemos oportunidade de verificar, dia a dia, suas atividades criminosas contra nosso povo e nossa Revolução.


Não foi apenas aquele evento isolado. Nosso país já vinha sofrendo uma série de agressões, e nosso país vinha sofrendo uma série de incursões de aviões piratas que um dia fizeram proclamações, outro dia queimaram nossas plantações, e outro dia tentaram jogar uma bomba em um de nossos engenhos de açúcar.


Na ocasião, justamente por causa da explosão da bomba que iam lançar, o avião pirata explodiu com sua tripulação, caindo aos pedaços em nosso território, naquela ocasião, o governo dos Estados Unidos não poderia negar, como vinha fazendo , que esses aviões decolaram de suas costas; O Governo dos Estados Unidos não podia, face aos restos mortais daqueles pilotos, face à documentação ocupada intacta, e face aos números do avião que caíra no nosso território, não podia negar a realidade, e então decidiram nos dar, ou melhor, decidiram nos pedir uma desculpa e nos dar uma explicação.


Claro, era difícil para todos entender que um avião e muitos aviões poderiam sair e entrar no território dos Estados Unidos, sem serem observados pelas autoridades daquele país, sem serem registrados pelos modernos equipamentos que naquele país possuem para detectar aviões. Mas naquela ocasião pediram desculpas e nos deram explicações.


No entanto, os voos não foram paralisados. Por muito tempo, os ataques aéreos continuaram e em uma ocasião um desses ataques custou ao nosso país um alto número de vítimas. No entanto, nenhum desses eventos teve o caráter de um ataque militar; nenhuma dessas incursões deixou de ser atos de assédio por aviões clandestinos, que um dia queimaram juncos, outro dia tentaram lançar granadas, outro dia tentaram lançar proclamações e, em suma, tornaram nosso país vítima de um assédio sistemático, e tentaram infligir danos econômicos, mas de uma forma que nunca teve o caráter de um ataque do tipo militar.


A explosão de La Coubre foi um ato de sabotagem preparado pelos agentes da CIA. Os ataques de aviões clandestinos foram ataques esporádicos. Uma operação que tinha todas as características de uma operação puramente militar nunca foi realizada.


Nos últimos dias, semanas atrás, um navio pirata penetrou no porto de Santiago de Cuba, bombardeou a refinaria que ali está instalada e ao mesmo tempo causou vítimas com seus tiros entre soldados e marinheiros que estavam estacionados na entrada da baía.


Todos sabiam que uma operação desse tipo, com embarcações dessa natureza, não poderia ser realizada se não fosse com navios fornecidos pelos americanos e abastecidos pelos americanos em algum lugar da região do Caribe.


Este fato colocou o nosso país em uma situação especial: fez-nos viver, em meados do século XX, como as cidades foram obrigadas a viver neste continente nos séculos XVI e XVII, como as cidades foram obrigadas a viver, as cidades na era dos piratas. Colocou nosso país em uma situação especial em virtude da qual nossas fábricas, nossos cidadãos, nossos povos tiveram que viver à mercê, senão de um avião que queimou nossos canaviais, um avião que tentou lançar uma bomba em nossos engenhos de açúcar, ou um avião que causou vítimas em nossa população, ou um navio que penetrou em nossos portos e abatido descaradamente – algo que nunca aconteceu, algo que nunca aconteceu neste século neste continente.


Porque este continente sabia o que eram os canhões navais; este continente sabia o que eram cidades bombardeadas, e este continente sabia o que eram desembarques de tropas estrangeiras. E ele tinha conhecido no México, e tinha conhecido na Nicarágua, e tinha conhecido no Haiti, e tinha conhecido em Santo Domingo, e tinha conhecido em Cuba, porque todos esses povos sabiam quais frotas e os canhões eram dos Estados Unidos, e todos esses povos tiveram a oportunidade de saber quais foram as intervenções do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos.


O que nenhum povo deste continente teve oportunidade de saber foi este tipo de assédio por ar e por mar, foi este tipo de operações de obstrução por ar e por mar; O que este continente não teve oportunidade de saber – um continente que conheceu intervenções, um continente que conheceu exércitos mercenários organizados pelos Estados Unidos –, o que nenhum povo deste continente teve a oportunidade de saber foi aquela ação sistemática, sobre parte dos segredos de serviço do governo dos Estados Unidos, aquela ação sistemática de sabotagem e destruição por um corpo poderoso que possui todos os recursos econômicos e os mais modernos meios de sabotagem e destruição; o que um povo deste continente nunca teve que saber foi a luta contra a Agência Central de Inteligência do governo dos Estados Unidos, comprometida a todo custo, cumprindo as instruções de seu governo, para impedir a marcha pacífica e sem esforço de uma nação, em destruir sistematicamente o fruto do trabalho de um povo, em destruir sistematicamente os recursos econômicos, os estabelecimentos comerciais, as indústrias e o que é pior: as vidas valiosas dos trabalhadores, camponeses e cidadãos trabalhadores e honestos deste país.


Nenhum povo da América conheceu este tipo de luta, nem incursões de aviões clandestinos, nem incursões de navios piratas, nem sabotagens de carácter internacional organizadas por um poderoso organismo que tem, como disse, recursos económicos e técnicos extremamente poderosos para isso.


Nosso país havia se tornado talvez o único país do mundo cujas vilas e cidades poderiam ser assediadas por aviões clandestinos, cujos portos poderiam ser atacados por navios piratas. E, pelo que sabemos, não houve um único caso de país que não esteja em guerra com nenhum outro país, que não esteja envolvido em uma guerra civil, e que tenha que estar sofrendo aquele tipo de ataque de aviões e navios piratas e, além disso, aquela sistemática campanha de destruição contra a riqueza e a vida dos cubanos que vem realizando este órgão secreto do governo dos Estados Unidos.


Mas, apesar de tudo, nenhum dos acontecimentos anteriores implicou, como no caso de ontem, uma agressão de carácter tipicamente militar. Não se tratava do voo de um avião clandestino, não se tratava da incursão de um navio pirata: era nada menos que um ataque simultâneo a três cidades diferentes do país, ao mesmo tempo, de madrugada; foi uma operação com todas as regras de operações militares.


Três atentados simultâneos de madrugada, ao mesmo tempo, na cidade de Havana, em San Antonio de los Baños e em Santiago de Cuba, a três pontos distantes um do outro, e especialmente um deles em relação aos outros dois, realizados com aviões de bombardeio tipo B-26, com o lançamento de bombas de alto poder destrutivo, com o lançamento de foguetes e com ataques de metralhadoras em três pontos diferentes do território nacional. Foi uma operação com todas as características e todas as regras de uma operação militar.


Foi também um ataque surpresa; foi um ataque semelhante aos ataques com os quais os governos do nazismo e do fascismo costumavam atacar as nações. Os termos da declaração de guerra não eram termos conhecidos dos governos fascistas da Europa. Os ataques armados das hordas de Hitler aos povos da Europa foram sempre ataques deste tipo: ataques sem aviso, ataques sem declaração de guerra, ataque astuto, ataque traiçoeiro, ataque surpresa. E assim Polônia, Bélgica, Noruega, França, Holanda, Dinamarca, Iugoslávia e outros países europeus foram invadidos de surpresa. E quando no meio dessa guerra o governo imperialista do Japão quis entrar, não declarou guerra, não deu aviso prévio. Na madrugada de um domingo – se bem me lembro –, em 7 ou 8 de dezembro de 1941, uma manhã, navios e aeronaves japonesas atacaram a base naval de Pearl Harbor de forma surpresa, destruindo quase completamente os navios e aeronaves das forças navais dos Estados Unidos no Pacífico.


Todos se lembram dessa data, todos se lembram da onda de indignação que causou entre o povo dos Estados Unidos, todos se lembram da irritação que se produziu naquele país e da indignação que aquele ataque produziu no resto do mundo. De uma forma tortuosa e de maneira surpreendente, o povo dos Estados Unidos se mobilizou em face dessa agressão, e o povo dos Estados Unidos nunca quis esquecer a forma traiçoeira e covarde com que seus navios e aviões foram atacados na madrugada de dezembro de 1941.


E esse fato permaneceu como um símbolo de traição; esse fato perdurou na história dos Estados Unidos como um fato que significava crime, mesquinhez e covardia. Pearl Harbor lembra os Estados Unidos da traição; Pearl Harbor lembra o povo americano da vileza, covardia e crime; Pearl Harbor foi um fato que a história e a opinião dos Estados Unidos anatematizam como um fato indigno, como um fato traiçoeiro e como um fato covarde.


Ontem ... não estamos tentando fazer comparações com isso, porque quando os japoneses lutaram contra os americanos, foi uma luta entre dois países imperialistas, foi uma luta entre dois países capitalistas, foi uma luta entre dois governos exploradores, foi uma luta entre dois governos colonialistas foi uma luta entre dois governos tentando dominar os mercados, as matérias-primas e a economia de uma parte considerável do mundo.


E a luta existiu entre esses dois governos, embora o imperialismo norte-americano não tivesse as características agressivas do imperialismo japonês de então, se não fosse um imperialismo com as características bélicas do imperialismo japonês; embora naquela época as potências imperialistas lutassem entre si, e entre esses imperialismos o menos belicoso e o menos agressivo era o imperialismo norte-americano em escala mundial –

para a América Latina sempre foi um imperialismo agressivo e belicista, mas belicista de uma potência poderosa contra povos fracos, belicistas covardes de uma grande e poderosa nação contra nações pequenas e desarmadas – na ordem mundial, o imperialismo norte-americano era menos agressivo e menos belicista que o imperialismo alemão, o imperialismo italiano e o imperialismo japonês. Neste caso não se trata da luta entre duas forças exploradoras, neste caso não se trata da luta entre dois imperialismos.


E se o ataque a Pearl Harbor foi um ataque condenável pela forma como é produzido, surpreendentemente e violando as mais elementares normas e tradições das relações entre os povos, a luta neste caso que nos envolve é a luta entre um governo imperialista e um governo revolucionário, é a luta entre um imperialismo agressivo e belicista e uma revolução social que destrói, precisamente, todas as formas de exploração, não só a exploração de um povo por outro, mas até a exploração de uma parte da cidade para outra parte de Cidade.


Do humilde, pelo humilde e para o humilde

Diferimos dos Estados Unidos porque os Estados Unidos são um país que explora outros povos, porque os Estados Unidos são um país que se apoderou de grande parte dos recursos naturais do mundo e que trabalha em benefício de sua casta de milionários para dezenas e dezenas de milhões de trabalhadores em todo o mundo. E não somos um país que explora outros povos; não somos um país que conquistamos, nem lutamos para dominar os recursos naturais de outros povos; não somos um país que tenta fazer com que os trabalhadores de outras pessoas trabalhem em nosso benefício.

Somos o contrário: um país que luta para que seus trabalhadores não tenham que trabalhar para a casta dos milionários norte-americanos; somos um país que luta para resgatar nossos recursos naturais e resgatamos nossos recursos naturais das mãos da casta milionária americana.


Não somos um país em cujo sistema a maioria do povo, a maioria dos trabalhadores, das massas do país formadas por operários e camponeses trabalham para uma minoria exploradora e privilegiada de milionários; Não somos um país em virtude de cujo sistema grandes massas da população são discriminadas e ignoradas, como o são as massas negras nos Estados Unidos; Não constituímos um país em cujo sistema vive de forma parasitária uma parte minoritária do povo, à custa do trabalho e do suor da massa majoritária do povo.


Nós, com a nossa Revolução, não estamos apenas erradicando a exploração de uma nação por outra nação, mas também a exploração de alguns homens por outros homens!


Sim! Declaramos em uma histórica assembleia geral que a exploração do homem pelo homem está condenada; condenamos a exploração do homem pelo homem e erradicaremos a exploração do homem pelo homem em nossa pátria!


Diferimos dos Estados Unidos porque ali um governo de castas privilegiadas e poderosas estabeleceu um sistema, em virtude do qual essa casta explora o homem dentro dos próprios Estados Unidos e essa casta explora o homem fora dos Estados Unidos.


Os Estados Unidos hoje constituem politicamente um sistema de exploração de outras nações por uma nação e um sistema de exploração do homem por outros homens.

Por esta razão, a luta entre o Japão e os Estados Unidos foi uma luta entre sistemas semelhantes; A luta entre os Estados Unidos e Cuba é uma luta de princípios diversos, ou seja, é uma luta entre aqueles que carecem de todos os princípios humanos e aqueles de nós que defendem os princípios humanos.


Ou seja, se o ataque a Pearl Harbor constituiu um crime, foi um crime entre imperialistas, foi um crime entre exploradores, em que um governo explorador queria aniquilar outro sistema explorador, em que um imperialismo queria aniquilar outro imperialismo. O crime de ontem, no entanto, foi o crime dos exploradores imperialistas contra um povo que quer se libertar da exploração contra um povo que quer implantar a justiça, foi um crime entre os exploradores do homem e os que querer abolir a exploração do homem!


Se o ataque a Pearl Harbor foi considerado pelo povo dos Estados Unidos como um crime e um ato traiçoeiro e covarde, nosso povo tem o direito de considerar o ataque imperialista de ontem como duas vezes criminoso, duas vezes tortuoso, duas vezes traiçoeiro. E mil vezes covarde! (Aplausos e exclamações de: “Cuba sim, ianques não!”) E se o povo dos Estados Unidos se considerava com direito de processar o governo que preparou e perpetrou esse ataque como um governo de vil e miserável, nosso povo tem o direito de chamar o governo que preparou aquele ataque contra nosso país mil vezes vil e miserável! (Aplausos) Se o povo dos Estados Unidos tivesse o direito de qualificar aquele ataque surpresa de covarde, isto é, aquele ataque de um país poderoso a outro país poderoso, de um país que tinha muitos navios e muitos aviões contra outro país que tinha muitos navios e muitos aviões, temos o direito de descrever mil vezes como covarde o ataque de um país que tem muitos navios e muitos aviões contra um país que tem pouquíssimos navios e pouquíssimos aviões!


Ainda assim, quando os japoneses atacaram Pearl Harbor, eles enfrentaram a responsabilidade histórica por seus atos. Quando os japoneses atacaram Pearl Harbor, eles não tentaram esconder que foram os organizadores e os executores daquele ataque, eles enfrentaram as consequências históricas e as consequências morais de suas ações. Porém, quando neste caso o país poderoso e rico prepara a agressão surpresa e covarde contra o pequeno país, o país que não dispõe de meios militares para responder à agressão, embora tenha que resistir até a última gota de sangue!


Com toda certeza, o governo imperialista dos Estados Unidos age assim conosco porque não somos um país poderoso; com toda a certeza de que assim age conosco porque sabe que não podemos responder à altura os atos criminosos e covardes que praticam contra nós; com toda a certeza de que, se fôssemos um país militarmente poderoso, o governo imperialista dos Estados Unidos jamais se atreveria a perpetrar tais atos contra nós!


Quando os japoneses atacaram Pearl Harbor, eles assumiram a responsabilidade, e esses senhores não, esses senhores preparam o ataque, organizam o ataque, entregam os aviões, entregam as bombas, treinam os mercenários, pagam aos mercenários e executam o ataque! Sem a coragem de enfrentar a responsabilidade histórica e moral pelos seus feitos!


O governo imperialista do Japão agiu e não tentou esconder a responsabilidade; por outro lado, o presidente dos Estados Unidos é como a “gatinha de María Ramos”, que “atira a pedra e esconde a mão”. O presidente Kennedy, como a “gatinha de María Ramos, atira a pedra e esconde a mão!” Essas são as palavras que podem resumir a política do governo dos Estados Unidos.


Porém, como esses fatos servem para entender! Como esses fatos servem para nos ensinar as realidades do mundo! Como esses fatos servem para educar nosso povo! As lições são caras, as lições são dolorosas, as lições são sangrentas, mas como as pessoas aprendem com esses fatos! Como nosso povo aprende! Como nosso povo é educado e como nosso povo cresce!


Por algo nesses momentos sabemos tantas coisas que outras pessoas ignoram; por alguma razão somos neste momento um dos povos que mais aprendeu, em menos tempo, na história do mundo.


E esses acontecimentos de ontem vão nos ensinar, esses acontecimentos dolorosos de ontem vão nos ilustrar, e vão nos mostrar, talvez mais claramente do que qualquer outro acontecimento que aconteceu até agora, o que é o imperialismo.


Talvez você tenha uma ideia do que é imperialismo. Você pode ter se perguntado muitas vezes antes o que era imperialismo e o que essa palavra significava.


Será que os imperialistas realmente querem dizer algo tão ruim? Será que não há muita paixão em todas as acusações que são feitas? Todas as coisas que ouvimos sobre o imperialismo dos EUA são produto do sectarismo? Todas as coisas que são afirmadas sobre o imperialismo dos EUA são verdadeiras? Eles são todos os trapaceiros e malvados os imperialistas dos EUA? Eles são todos os sanguinários, mesquinhos e covardes que afirmam ser os imperialistas dos EUA?


Mas é possível para os imperialistas fazerem as coisas que afirmam ter feito? É verdade tudo o que se afirmou sobre seu vandalismo na ordem internacional, sobre suas provocações? Foram eles que causaram a Guerra da Coréia?


Como era difícil saber o que estava acontecendo no mundo quando nenhuma outra notícia além das notícias norte-americanas chegava ao nosso país! Quanto engano eles nos inculcariam e quantas mentiras nos fariam vítimas! Se alguém teve alguma dúvida, se houver neste país de boa-fé – e não estou falando do verme miserável, estou falando de homens e mulheres capazes de pensar honestamente, mesmo que não pensem como nós – se qualquer um tinha alguma dúvida, se alguém acreditasse que ainda havia um pingo de honra na política ianque, se alguém acreditava que havia um pingo de moralidade na política ianque, se alguém acreditava que havia um átomo de vergonha, honestidade ou justiça deixado na política ianque, se alguém neste país, neste país sortudo que você teve a chance de ver, neste afortunado país que teve a oportunidade de aprender embora tenha sido um aprendizado sangrento, mas um aprendizado de liberdade e um aprendizado de dignidade.


Se alguém neste país teve o privilégio de ver todo um povo tornar-se um povo de heróis e um povo de homens dignos e valentes; se alguém neste país, cuja acumulação de mérito, heroísmo e sacrifício cresce a cada dia, teve ou ainda teve dúvidas; se aqueles que não pensam como nós acreditam que estão hasteando ou defendendo uma bandeira de honra, acreditam que estão hasteando ou defendendo uma bandeira justa, e por acreditarem que são pro-ianque e defensores do governo dos Estados Unidos; se algum de boa-fé permanecer em nosso país, sirva-se destes fatos que vamos analisar para que não tenham mais dúvidas.


Ontem, como todos sabem, aviões de bombardeamento divididos em três grupos, às 6 horas da manhã, entraram em território nacional vindos do estrangeiro e atacaram três pontos do território nacional; em cada um desses pontos os homens se defenderam heroicamente, em cada um desses pontos correu o sangue corajoso dos defensores, em cada um desses pontos houve milhares e senão centenas e centenas de testemunhas do que ali aconteceu. Era, aliás, um fato esperado; era algo esperado todos os dias; Foi o culminar lógico da queima dos canaviais, das centenas de violações do nosso espaço aéreo, dos ataques aéreos piratas, dos ataques piratas às nossas refinarias de barco que entravam de madrugada; foi a consequência do que todos sabem; Foi consequência dos planos de agressão que os Estados Unidos vêm engendrando em cumplicidade com governos lacaios da América Central; foi a consequência das bases aéreas que todo mundo conhece e todo mundo conhece, porque até os jornais e agências de notícias americanas publicaram, e as próprias agências e os próprios jornais se cansaram de falar dos exércitos mercenários que organizam, a partir dos campos de aviação que prepararam, dos aviões que o governo dos Estados Unidos lhes deu, dos instrutores ianques, das bases aéreas estabelecidas em território guatemalteco. Foi a consequência das bases aéreas que todo mundo conhece, porque até os jornais e agências de notícias americanas publicaram, e as próprias agências e os próprios jornais se cansaram de falar dos exércitos mercenários que organizam, dos aeródromos que prepararam, dos aviões que o governo dos Estados Unidos lhes deu, dos instrutores ianques, das bases aéreas instaladas em território guatemalteco.


Isso era conhecido de todo o povo de Cuba, isso era conhecido de todos. O ataque ocorreu ontem na presença de milhares e milhares de homens, e o que você acha que os governantes ianques disseram sobre este evento incomum? Por não se tratar mais da explosão de La Coubre, que se faz como um ato de sabotagem tortuosa e oculta, já foi um ataque simultâneo a três pontos do território nacional, com estilhaços, com bombas, com foguetes, com aviões de guerra. que todos viram. Era um fato público, um fato esperado, um fato que, antes de sua realização, o mundo conhecia.


E para que haja um registo histórico, para que o nosso povo aprenda de uma vez por todas, e para que possa aprender aquela parte dos povos da América que pode atingir, mesmo que seja apenas um raio de luz da verdade, eu vou explicar ao povo, vou ensinar-lhes como procedem os imperialistas.


Você acha que o mundo iria descobrir sobre o ataque a Cuba, você acha que o mundo iria descobrir sobre o que aconteceu, você acha ou você concebeu que era possível tentar extinguir no mundo o eco das bombas e dos foguetes criminosos que lançaram ontem na nossa pátria? O que teria acontecido a alguém no mundo? Que alguém pudesse tentar enganar o mundo inteiro, tentar esconder a verdade do mundo inteiro, tentar enganar o mundo inteiro? Pois bem, ontem não só atacaram a nossa terra, em um ataque tortuoso e criminoso preparado, e que todos conheciam, e com aviões ianques, e com bombas ianques, e com armas ianques, e com mercenários pagos pela CIA; não apenas fizeram isso, e não apenas destruíram ativos nacionais, e não só destruíram a vida de jovens, muitos dos quais ainda não tinham chegado aos 20 anos, mas também o governo dos Estados Unidos tentou ontem defraudar o mundo. O governo dos Estados Unidos tentou ontem enganar o mundo da maneira mais cínica e vergonhosa que poderia ser concebida.


O cúmulo de mentiras ainda não foi suficiente

Em outras palavras, eles organizam o ataque, preparam o ataque, treinam os mercenários, entregam-lhes aviões, entregam-lhes bombas, preparam os aeroportos, todos sabem, o ataque ocorre, e afirmam serenamente perante o mundo – um mundo! Quem sabe disso ele se levantaria indignado com uma violação tão monstruosa, tão covarde, tão violadora dos direitos dos povos, tão violadora da paz!


E esses miseráveis imperialistas gringos, depois de semear luto em mais de meia dúzia de lares, depois de assassinar um punhado de jovens, que não eram milionários parasitas, porque aqueles que viemos enterrar ali não são milionários parasitas, não são mercenários vendidos a o ouro de qualquer estrangeiro, não são ladrões, são filhos queridos do nosso povo; jovens trabalhadores, filhos de famílias humildes, que não roubam de ninguém, que não exploram ninguém, que não vivem de suor, nem do trabalho de ninguém, e que têm direito à vida mais que milionários, e a quem tem direito à vida, mais do que parasitas! E eles têm direito à vida, mais do que vermes!

Porque não vivem do trabalho de outros, como os milionários ianques; não vivem de ouro estrangeiro, como mercenários, vermes vendidos ao imperialismo; não vivem do vício, não vivem do roubo; e eles têm o direito de que suas vidas sejam respeitadas, e nenhum miserável milionário imperialista tem o direito de enviar aviões, ou bombas, ou foguetes, para destruir aquelas jovens e amadas vidas da pátria!


E aqueles que concordam com tal crime, aqueles que concordam com tal selvageria, aqueles que se vendem miseravelmente e apoiam as atividades desses criminosos, aqueles que conspiram contra o país, nas ruas, nas igrejas, nas escolas, onde quer que eles merecem ser tratados como merecem pela Revolução!


Esses são os crimes do imperialismo, essas são as mentiras do imperialismo, e então os arcebispos vêm abençoar a mentira!


O imperialismo projeta o crime, organiza o crime, arma criminosos, treina criminosos, paga criminosos, criminosos vêm e matam sete filhos de trabalhadores, pousam pacificamente nos Estados Unidos e, embora o mundo inteiro conhecesse suas aventuras, declararam então que eram pilotos cubanos, prepararam os quadrinhos horríveis e românticos, espalharam pelo mundo todo, publicaram em todos os jornais, rádios e televisões do verme reacionário e reacionário do mundo, e então vêm os arcebispos abençoam e santifica a mentira, e assim está associada ao crime, está associada ao crime e à mentira, todo o bando de mercenários, exploradores e farsantes do mundo!


Existe um cubano honesto que não entende, existe um cubano honesto que duvida? Se há um cubano honesto que duvida, se isso não bastasse, mas compreender esta forma de proceder seria capaz de compreender, aí estão as nossas bases, são San Antonio, as FAR e Santiago de Cuba. Deixe-os ir lá, vá lá e veja por si mesmo se há apenas uma verdade no que eles disseram; que vejam como os reacionários, imperialistas e clérigos falsos enganam e enganam o mundo, como enganam e enganam os povos, e como é hora de os povos se livrarem da exploração, do engano e da fraude dos imperialistas e de tudo o que existe falso no mundo, custe o que custar para se livrar desse jugo!


Mas agora, é possível enganar o mundo assim? Eu imagino que o presidente dos Estados Unidos tenha até um átomo de modéstia, e se o presidente dos Estados Unidos tem um átomo de modéstia, o Governo Revolucionário de Cuba o coloca antes do mundo, se tiver um átomo de modéstia, apresentar às Nações Unidas os pilotos e aviões que diz saíram do território nacional!


E Cuba exigirá perante as Nações Unidas que ali se apresentem os aviões e pilotos que dizem desertar da Força Aérea; E vamos ver se eles conseguem continuar cobrindo o rosto!


E, se eles não se apresentam, por que não os apresentar? Naturalmente, o Presidente dos Estados Unidos teria o direito de não ser chamado de mentiroso. Bem, o Presidente dos Estados Unidos quer que alguém tenha o direito de chamá-lo de mentiroso? Apresente às Nações Unidas os dois pilotos e os aviões que ele diz!


Ah, se o Presidente dos Estados Unidos não apresenta esses pilotos às Nações Unidas, para demonstrar – e como o podem provar! – que estes senhores pilotos estiveram aqui e desertaram daqui, então não só o Governo Revolucionário Cubano, todos terão o direito de chamá-lo de mentiroso! O mundo inteiro, não só o Governo de Cuba, mas todos os povos do mundo, terão o direito de proclamar que o Governo dos Estados Unidos não tem direito ao mínimo prestígio ou ao mínimo respeito do mundo!


Quando o avião U-2, espião da União Soviética, foi abatido, a primeira declaração do governo dos Estados Unidos foi que um avião havia se desviado de sua rota e fora abatido. Mas, poucos dias depois, depois de se atirarem totalmente na mentira, ficaram no ar, porque aconteceu que o piloto estava vivo, falando como um papagaio, contando até o último detalhe, e os Estados Unidos se viram nu diante do mundo, e então teve que confessar que o avião U-2 era americano, que estava espionando e que tinha sido enviado.


Pois bem, o governo imperialista dos Estados Unidos não terá outra escolha senão confessar que os aviões eram dele, que as bombas eram dele, que as balas eram dele, que os mercenários foram organizados, treinados e pagos por ele, que as bases eram na Guatemala, e que de lá saíram para atacar nosso território, e que aqueles que não foram fuzilados foram para lá para se salvarem nas costas dos Estados Unidos onde receberam abrigo (Aplausos).


Porque como o governo dos Estados Unidos pode manter essa mentira? E peço à UPI e à AP que tenham a amabilidade de dizer ao Sr. Kennedy que dizemos que, se ele não apresentar esses dois pilotos às Nações Unidas, então dizemos com razão que ele é um mentiroso; e se ele não é um mentiroso, por que não apresenta os pilotos?


E você acha que vai conseguir se esconder do mundo? Não. Cuba já tem uma estação de rádio que hoje já está sendo transmitida para toda a América Latina, e está sendo ouvida por inúmeros irmãos na América Latina e em todo o mundo.


Não! A propósito, não estamos na era da diligência, estamos na era do rádio, e as verdades de um país podem ir muito longe. Mas, além disso, caso tenham esquecido, senhores imperialistas, estamos no tempo da viagem cósmica, embora esse tipo de viagem não seja uma viagem para ianques.


E eis, senhores, quando o eco da admiração despertada em todo o mundo pela União Soviética (Aplausos), pela precisão, a elevada técnica e o sucesso que a humanidade representa pelo feito científico que acabam de realizar, quando o eco dessa admiração no mundo ainda não morreu, ao lado da façanha da União Soviética o governo ianque apresenta sua façanha: a façanha de bombardear as instalações de um país que não tem aviação, nem tem navios nem força militar com o qual para contra-atacar.


Quer dizer, vamos comparar, e pedimos ao mundo que compare a façanha soviética e a façanha imperialista; entre a alegria, o encorajamento e a esperança que o feito soviético significou para a humanidade, e a vergonha, nojo e nojo que o feito ianque significou; Diante da façanha científica que permite a um homem ir ao espaço e voltar com segurança, e da façanha ianque que arma mercenários e os paga para vir e assassinar jovens de 16 e 17 anos em um ataque surpresa, tortuoso e traiçoeiro em todos ordens, contra um país que não pode ser perdoado por sua vergonha, sua dignidade, seu valor. Porque o que os imperialistas não podem nos perdoar é que estamos aqui, o que os imperialistas não podem nos perdoar é a dignidade, a integridade, a coragem, a firmeza ideológica, o espírito de sacrifício e o espírito revolucionário do povo cubano.


É isso que eles não podem nos perdoar, que estejamos bem debaixo de seus narizes e que fizemos uma Revolução Socialista bem debaixo do nariz dos Estados Unidos!


E que defendamos esta Revolução socialista com essas espingardas! E que defendamos essa Revolução socialista com a coragem com que ontem os nossos artilheiros antiaéreos crivaram de balas os aviões atacantes!


E essa revolução, essa revolução, essa revolução não defendemos com mercenários. Defendemos essa revolução com os homens e mulheres do povo.


Quem está com as armas? O mercenário está com as armas? (Exclamações de: “Não!”) O milionário está com as armas? (Exclamações de: “Não!”) Porque mercenário e milionário são a mesma coisa. Os filhos dos ricos têm armas? (Exclamações de: “Não!”) Os prefeitos estão com as armas? (Exclamações de: “Não!”) Quem está com as armas? (Exclamações.) Que mãos são aqueles que erguem essas armas? (Exclamações.) São mãos de cavalheiros? (Exclamações de: “Não!”) São as mãos dos ricos? (Exclamações de: “Não!”) São as mãos de exploradores? (Exclamações de: “Não!”) Que mãos são aqueles que erguem essas armas? (Exclamações.) Não são mãos de trabalhadores? (Exclamações de: “Sim!”) Não são mãos de camponeses? (Exclamações de: “Sim!”) Não são mãos endurecidas pelo trabalho? (Exclamações de: “Sim!”) Não são mãos criativas? (Exclamações de: “Sim!”) Não são as mãos humildes do povo? (Exclamações de: “Sim!”) E qual é a maioria das pessoas? Os milionários ou os trabalhadores? Os exploradores ou os explorados? Os privilegiados ou os humildes? (Exclamações.) Os privilegiados não têm armas? (Exclamações de: “Não!”) Os humildes os têm? (Exclamações de: “Sim!”) São a minoria privilegiada? (Exclamações de: “Sim!”) Os humildes são a maioria? (Exclamações de: “Sim!”) É uma revolução democrática em que os humildes têm armas? (Aplausos e exclamações de: “Sim!” E “Fidel! Fidel!” E vários slogans revolucionários.)


Camaradas operários e camponeses, esta é a Revolução socialista e democrática dos humildes, com os humildes e para os humildes. E por esta Revolução dos humildes, pelos humildes e pelos humildes, estamos dispostos a dar a vida.


Trabalhadores e camponeses, humildes homens e mulheres do campo, jura defender esta Revolução dos humildes, pelos humildes e para os humildes, até a última gota de sangue?


Camaradas operários e camponeses da pátria, o ataque de ontem foi o prelúdio da agressão dos mercenários, o ataque de ontem que custou sete vidas heroicas, teve por objetivo destruir nossos aviões no solo, mas falharam, destruíram apenas três aviões a maior parte dos aviões inimigos foi danificada ou abatida.


Aqui, em frente ao túmulo dos camaradas caídos; aqui, junto com os restos mortais dos heroicos jovens, filhos de trabalhadores e filhos de famílias humildes, reafirmamos nossa decisão, que assim como eles puseram o peito à bala, assim como deram suas vidas, venham quando os mercenários vierem, todos nós, orgulhosos da nossa Revolução, orgulhosos de defender esta Revolução dos humildes, pelos humildes e para os humildes, não hesitaremos, perante quem quer que seja, em defendê-la até à última gota de sangue.


Viva a classe trabalhadora!

Viva os camponeses!

Viva os humildes!

Viva os mártires do país!

Viva os heróis do país!

Viva a Revolução Socialista!

Viva Cuba livre!

Pátria ou Morte!

Venceremos!


Camaradas, todas as unidades devem dirigir-se aos quartéis-generais dos respectivos batalhões, tendo em vista a mobilização ordenada para manter o país em estado de alerta perante a iminência que se deduz de todos os acontecimentos das últimas semanas e do ataque covarde de ontem, da agressão de os mercenários. Marchamos às Casas da Milícia, formemos os batalhões e preparemo-nos para sair à frente do inimigo, com o Hino Nacional, com as estrofes do hino patriótico, com o grito de “combater”, com a convicção de que “morrer pela pátria é viver” e que” viver acorrentado é viver na vergonha e nos insultos afundados”.


Vamos marchar para nossos respectivos batalhões e esperar ordens lá, camaradas.




126 visualizações
JORNAL-BANNER.png
WHATSAPP-CANAL.png
TELEGRAM-CANAL.png