1/10

"'Não tenho medo da morte': Entrevista com mulheres guerrilheiras das Filipinas"



Imagine, você vive em um país do terceiro mundo, agora, por exemplo, as Filipinas. A violência está em toda parte, o governo está podre até a medula e, para pior, seu gênero, mulher, é tradicionalmente oprimido. Sua situação não parece boa. Pergunte a si mesmo, como você supera a pobreza em um sistema projetado para mantê-lo na miséria? Como você combate um ditador-fascista machista, que pensa nas mulheres ativistas como “cadelas”? Se sua resposta for neoliberal, parabéns, você ignorou um século de evidências de que o neoliberalismo é a resposta apenas para o rico acendendo o charuto-com-dinheiro em seu império. De qualquer forma, as mulheres das Filipinas encontraram sua resposta em uma rebelião total contra seu inimigo cotidiano.


O ditador Rodrigo Duterte é a personificação de um macho. Ele está definitivamente gostando de sua posição como tal. Em um discurso, ele disse “‘Há uma nova ordem vinda do prefeito, ‘Não vamos matá-la. Vamos apenas atirar em você na vagina’”. Ele passou a dizer que sem suas vaginas, as mulheres seriam “inúteis”. Durante sua campanha eleitoral em 2016, falando sobre o motim na prisão de 1989 em que uma missionária australiana foi assassinada e presidiários fizeram fila para estuprá-la, Duterte brincou que também gostaria de ter tido a oportunidade de estuprá-la. Existem inúmeros exemplos deste tipo de comportamento, mas também existem milhares e milhares de exemplos de mulheres que se juntaram às fileiras do Novo Exército Popular (NEP), um movimento guerrilheiro, com o objetivo de derrubar seu governo.


O NEP é o braço armado do Partido Comunista das Filipinas. A organização é proibida nas Filipinas, nos Estados Unidos e na União Europeia. O Partido e o Exército estão levando a cabo uma insurgência armada desde 1969, o conflito comunista mais antigo na Ásia. Sofreu muitos contratempos, mas agora está novamente em ascensão. Em uma declaração, o Exército afirma “O NEP é assistido por dezenas de milhares de homens e mulheres na milícia popular e centenas de milhares em unidades de autodefesa das organizações de massas. Opera em mais de 110 frentes de guerrilha que ocupam partes substanciais de 17 regiões”.


As mulheres ocupam um lugar muito especial na Guerrilha. Um grande número de combatentes são mulheres. Embora durmam ao lado de seu rifle, sua vida cotidiana não gira em torno de confrontos armados. Falei com duas jovens quadros do NPA, Ka Mimi e Jellyn, ambas de 23 anos, para compreender a sua situação em uma sociedade tão hostil às mulheres que procuram uma saída em uma rebelião armada contra esta.


P: Olá, com quem estamos falando?


Ka Mimi:


“Entrei para o Novo Exército Popular quando tinha 20 anos. Já faz 3 anos que sou guerrilheira desde que entrei em 2017. Fui indicada e referenciada por uma ex-guerrilheira chamada Ka Maxin que serviu de contato para a unidade em que ingressei.


Antes de ingressar na luta armada, já conhecia o movimento revolucionário. Minha sogra é uma ex-guerrilheira que agora serve como quadro local do Partido em nossa comunidade.


Atendi o convite de Ka Maxin para me integrar aos NPAs e conhecer sua luta. Concordei em ficar na unidade por uma semana, mas depois decidi estendê-la por semanas, meses e anos. Recentemente, casei-me com um camarada na 2ª semana de outubro, depois de permanecer na luta por 3 anos.


Aceitei o convite de Ka Maxin para ingressar ou integrar-me à unidade do NPA por causa de meu desânimo em relação ao meu ex-companheiro abusivo. Meu parceiro me traiu com outras mulheres. Quando o confrontei, ele me sufocou e me eletrocutou usando uma tomada elétrica em curto circuito. Eu terminei o relacionamento e me mudei de casa depois disso.


Resolvi ficar na unidade e me tornar guerrilheira em tempo integral. Minha decisão não foi um momento eufórico, mas um produto de contradições e tensão de iluminação e confusão”.


Jellyn:


“Eu sou Jellyn, uma Manobo (Lumad/membro de uma minoria nacional), 23 anos. Entrei em novembro de 2014.


Meu marido (Maki, também um Manobo) alistou-se primeiro e depois de um ano, ele me convenceu a visitá-lo e experimentar sua vida.


No início, quando ainda não era membro, não tinha compreensão da revolução. Foi só quando entrei (para o exército) que percebi que não recebíamos nossos direitos e serviços básicos do governo. Só então entendi como as mulheres e os Lumads eram explorados e oprimidos. É por isso que depois de um ano, decidi ir em tempo integral”.


O que você fazia antes de entrar para a guerrilha? Que posição você ocupa agora no NEP?


Ka Mimi:


“Nasci em uma família de agricultores rurais, mas cresci em uma cidade urbanizada e nunca experimentei a agricultura. Eu sou a única garota entre meus 5 irmãos. Fiquei grávida aos 14 anos e tive uma filha. O pai da minha filha me deixou após a gravidez, não deixando nenhum sustento para a criança.


Aos 18 anos, trabalhei como contratada em empresa multinacional do agronegócio que processa óleo de palma. Trabalhei como lavadeira e lavei os uniformes dos trabalhadores. Após o contrato, trabalhei como empacotadora para uma empresa de fast food de propriedade de um burguês nacional. Eu trabalhava das seis da manhã às seis da tarde e recebia um mísero salário diário de 180 pesos. Os funcionários masculinos receberam 280 pesos na mesma função. Experimentei condições de trabalho injustas. Nós (trabalhadoras) não tínhamos permissão para sentar, apenas um intervalo de 30 minutos para o almoço e intervalos limitados para ir ao banheiro. Não tivemos benefícios para a saúde, entre outros.


Como meu salário não era suficiente para pagar as contas, fui pressionada a me envolver em várias atividades antissociais para ganhar um pouco mais sem informar meus pais. Trabalhei em um bar e me prostituí. Eu lidava com drogas para poder comprar leite para meu filho. Agora sirvo como médica do pelotão.


Conduzimos clínicas em massa e damos serviços médicos gratuitos a camponeses e Lumads. Isso inclui serviços odontológicos, circuncisão e cirurgia básica. Nesta pandemia, participei de várias missões médicas e campanhas de disseminação de informações. No NEP, somos ensinados a exercitar as práticas de saúde tradicionais e utilizar medicamentos fitoterápicos como uma alternativa aos medicamentos comerciais caros.


Simultaneamente, também sirvo como guia político na unidade de guerrilha. Eu participo de atividades de trabalho de massa a fim de organizar e mobilizar as massas. Ajudamos as massas no estabelecimento de suas organizações, conduzindo discussões educacionais e resolvendo conflitos internos.


Acho que consegui resgatar minha autoestima quando virei guerrilheira. Eu costumava me considerar suja, pecadora e vagabunda. Servir como guerrilheira comunista deu à minha vida um novo significado e direção, uma vida não apenas para mim, mas para o bem coletivo”.


Jellyn:


“Antes de me alistar, ajudava meus pais nas tarefas domésticas e na colheita da batata-doce. Ainda estava para menstruar quando meus pais arranjaram meu casamento com meu marido. Eu era menor quando engravidei e nosso primeiro bebê morreu, porque meu corpo não estava pronto para engravidar, porque eu era muito jovem e não havia serviço de saúde na minha área.


No exército do povo, eu era um oficial de suprimentos da empresa, depois me tornei uma instrutora política do pelotão alfa”.


Como podemos imaginar o dia a dia do Novo Exército Popular?


Ka Mimi:


“O dia a dia do NEP envolve muito trabalho que vai desde atividades militares, políticas, de produção e técnicas. A unidade programa suas atividades diárias de acordo com seus planos de curto e longo prazo.


Em termos de trabalho militar, o comando garante a segurança da unidade. Implanta equipes para reconhecimento e levantamentos, monitoramento de redes de inteligência e assim por diante. Se a situação permitir, a unidade realiza treinamentos militares escalonados, pistas de obstáculos e exercícios físicos.


O trabalho político é dividido em dois internos e externos. O trabalho político interno envolve treinamento ideológico, discussões educacionais, avaliações e resolução de conflitos, alfabetização entre camaradas que não conseguiram entrar ou terminar a escola. O trabalho político externo envolve organizar, conduzir investigação social e planejar campanhas de massas.


As guerrilhas também ajudam as massas camponesas na produção econômica. Inclui o trabalho manual da agricultura, realização de seminários e debates para promover a agricultura orgânica e a agricultura coletiva, entre outros.


A tarefa técnica envolve as tarefas diárias do acampamento, incluindo cozinhar, buscar água e coletar lenha.


Essas tarefas são asseguradas por todos os guerrilheiros do pelotão. Costumo assumir tarefas políticas e técnicas como parte de minhas atividades do dia a dia”.


Jellyn:


“Há momentos em que é difícil, há sacrifícios, como caminhar quando está calor ou chovendo à noite. Mas também há momentos em que podemos fazer estudos sobre política e trabalho militar e aumentar nossa unidade ideológica. Também há tempo especificado para o trabalho em massa. Em geral, as tarefas diárias são decididas coletivamente e nós as realizamos ajudando uns aos outros”.


O que torna o seu cotidiano na guerrilha diferente do dos homens?


Ka Mimi:


“É diferente, mas é semelhante em muitos aspectos. Por exemplo, ainda existe preconceito em relação às mulheres em termos de trabalho militar contra o qual as guerrilhas femininas têm de lutar. A maioria das tarefas militares – reconhecimento, pesquisa e ofensivas táticas são atribuídas principalmente a guerrilheiros do sexo masculino. As mulheres insistem que também podem fazer o trabalho, só precisam ter oportunidade. O Partido Comunista das Filipinas há muito luta pela emancipação das mulheres, e seus camaradas estão fazendo o possível para acabar com os preconceitos de gênero. Embora o Partido tenha percorrido um longo caminho na luta das mulheres, as mulheres ainda precisam provar o dobro em termos de trabalho militar.


Todas as outras tarefas técnicas (cozinhar, buscar água, coletar lenha) são compartilhadas por homens e mulheres”.


Jellyn:


“Na minha opinião, homens e mulheres têm as mesmas tarefas. Lá fora, homens e mulheres são vistos de forma diferente, mas aqui, eles são vistos como iguais”.


Uma das maiores organizações da Guerrilha é a YPJ com 26 mil quadros femininos. Por que você está organizado lado a lado com os homens em uma unidade?


Ka Mimi:


“Porque agimos como um coletivo e porque homens e mulheres são oprimidos da mesma forma. Homens, mulheres e LGBT são integrados em uma unidade, da mesma forma que camaradas de diferentes classes, incluindo camponeses, trabalhadores e pequeno-burgueses unidos. Se separarmos as mulheres dos homens, como os homens podem aprender sobre os problemas e as lutas das mulheres? No mês passado, realizamos uma conferência de mulheres onde todas as mulheres guerrilheiras compartilharam suas experiências, suas lutas. Aprendemos sobre o movimento de libertação das mulheres e nosso papel na revolução. Compartilhamos o conhecimento que aprendemos na convenção com nossos camaradas.


Reconhecemos as diferentes camadas de opressão e, particularmente, a opressão das mulheres. Mas nós, no NPA, estamos integrados como um na luta contra um opressor comum”.


Jellyn:


“Talvez para ganharmos experiência de todos. Para que possamos conhecer as características uns dos outros e diferentes classes e tribos se conhecerem”.


Como foi sua primeira experiência de combate? Você tem medo da morte?


Ka Mimi:


“Eu ainda não experimentei um encontro armado real. A experiência mais próxima que tive foi quando as tropas inimigas chegaram tão perto de nós que vimos no topo de uma colina. Nossa unidade foi capaz de manobrar o inimigo, mas eu estava muito nervosa naquela oportunidade. Disse a mim mesma para apenas confiar no comando. Aprendi a internalizar e superar o medo da morte na revolução e a pensar nisso como uma realidade na guerra. Nós (revolucionários) não estamos sem medo, apenas nos sentimos mais corajosos porque não estamos sozinhos. Temos camaradas conosco”.


Jellyn:


“Emboscada, novembro de 2018. Isso foi em resposta ao apelo da região por ofensivas táticas coordenadas. Depois de cerca de uma hora de troca de tiros, 17 elementos do 66º IB foram mortos. Mas também tivemos 1 KIA (morto em ação). Mas não tive medo, minha postura permaneceu firme. Eu entendo que isso faz parte de nossos sacrifícios para alcançar a vitória.


Eu não tenho medo da morte. Se necessário, mas sendo cuidadosos, podemos prolongar nosso tempo para que possamos estar a serviço”.


Como as mulheres fora do NEP a veem? Quais são suas experiências?


Ka Mimi:


“Sempre me perguntam se sou capaz de suportar a vida de guerrilha carregando cargas pesadas e caminhando longas distâncias. Sempre me perguntam se meu rifle é pesado demais para mim e se consigo andar direito com meu corpo enorme. Acho que eles ficam surpresos ao ver mulheres lá dentro, suportando as dificuldades e sacrifícios, deixando seus filhos e filhas por uma causa maior”.


Jellyn:


“Há respeito, confiança e segurança. Eles me encorajam, me dizem para ficar segura, não ser pega, etc”.


Você tem alguma última palavra que deseja que digamos?


Ka Mimi:


“Acho que as mulheres têm que participar da revolução. Não podemos acabar com a opressão das mulheres se não podemos acabar com todas as formas de opressão de classe, etnia e raça. É por isso que temos que estar de mãos dadas com outros setores como os povos indígenas, trabalhadores, pescadores, camponeses e outros”.


Jellyn:


“Como mulher, do lado de fora, fui negligenciada pelo governo. Mas por dentro, sou respeitada. E agradeço ao Partido e ao Exército por me acordar”.


Do Frontline



152 visualizações
JORNAL-BANNER.png
WHATSAPP-CANAL.png
TELEGRAM-CANAL.png