1/10

Stalin: "A ajuda do povo ao Exército Vermelho na Grande Guerra Patriótica"



Os sucessos do Exército Vermelho não teriam sido possíveis sem o apoio do povo, sem o altruísmo dos cidadãos soviéticos nas fábricas e oficinas, nas minas e nos depósitos, no transporte e na agricultura. Nas duras condições da guerra, o povo soviético demonstrou ser capaz de garantir ao seu Exército tudo o que é indispensável e aprimorar continuamente seu equipamento militar. Ao longo da guerra, o inimigo não pôde superar o nosso Exército na qualidade do armamento. Ao mesmo tempo, nossa indústria fortaleceu a linha de frente com material de guerra em quantidades cada vez maiores.


O ano passado marcou um ponto de inflexão não apenas ao longo das operações militares, mas também no trabalho de nossa retaguarda. Já não nos deparamos mais com tarefas como a evacuação de empresas para o leste e a adaptação da indústria à produção de armas. O Estado Soviético tem agora uma economia de guerra eficiente que cresce rapidamente. Portanto, todos os esforços do povo puderam se concentrar no aumento da produção e no progressivo melhoramento das armas - especialmente dos tanques, aviões, canhões e artilharia automotiva. Nisso atingimos grandes vitórias. O Exército Vermelho, com o apoio de todo o povo, recebeu regularmente suprimentos de guerra e lançou sobre o inimigo milhões de bombas, minas e projéteis, derrubando em batalha milhares de tanques e aviões. Pode-se dizer, com plena convicção, que o trabalho altruísta do povo soviético na retaguarda passará à História, junto com a heroica luta do Exército Vermelho, como uma façanha sem precedentes do povo pela defesa de sua pátria. (Aplausos prolongados).



Os trabalhadores da União Soviética, que nos anos da construção pacífica construíram uma poderosa indústria socialista altamente desenvolvida durante a Guerra Patriótica, realizaram um intenso e duro trabalho para ajudar a frente, revelando um verdadeiro heroísmo no trabalho.


Todo mundo sabe que os hitleristas dispunham, para a guerra contra a URSS, não apenas da indústria altamente desenvolvida alemã, como também da indústria mais poderosa dos países vassalos e ocupados. Porém, os hitleristas não puderam manter a superioridade quantitativa do material de guerra que dispunham no início da guerra contra a União Soviética. O fato de que a superioridade numérica anterior do inimigo em tanques, aviões, morteiros e armas automáticas fosse liquidada, e que nosso Exército não tenha sofrido uma séria escassez de armas, munições e equipamentos se deve, em primeiro lugar, ao mérito da nossa classe trabalhadora. (Grandes e prolongados aplausos).


Os camponeses da União Soviética, que nos anos da construção pacífica transformaram, sobre a base do regime kolkhoziano, a agricultura atrasada em uma agricultura de vanguarda, demonstraram durante a Guerra Patriótica um alto grau de consciência dos interesses comuns do povo. Com o trabalho altruísta de ajudar a frente, os camponeses soviéticos demonstraram que consideram a atual guerra contra os alemães como uma causa própria, uma guerra por sua vida e sua liberdade.


É bem sabido que, resultante da invasão das hordas fascistas, nosso país foi privado temporariamente das importantes zonas agrícolas da Ucrânia, do Don e do Kuban. Porém, nossos kolkhozes e sovkhozes abasteceram o exército e o país com alimentos ininterruptamente. Naturalmente que, sem o regime kolkhoziano, sem o trabalho altruísta dos kolkhozianos e kolkhozianas, não poderíamos ter solucionado esse difícil problema. No fato de que, no terceiro ano de guerra, nosso Exército não tenha escassez de alimentos, a população seja abastecida de alimentos e a indústria de matérias primas, manifesta-se a força e a vitalidade do regime kolkhoziano e o patriotismo dos camponeses kolkhozianos. (Aplausos prolongados).


Nosso transporte desempenhou um importante papel na ajuda à frente, principalmente o transporte ferroviário, bem como o fluvial, marítimo e motorizado. Como se sabe, o transporte é um meio de comunicação importantíssimo entre a retaguarda e a frente. Pode-se produzir uma grande quantidade de armas e munições, mas se não são enviadas a tempo à frente com a ajuda do transporte, se convertem em carga inútil para a frente. É necessário dizer que o transporte desempenha um papel decisivo no envio oportuno de armas, de munições, de alimentos, de equipamentos, etc. No fato de que, apesar das dificuldades do período de guerra e da escassez de combustível, tenhamos conseguido suprir a frente com todo o necessário, é obrigatório reconhecer o mérito de nossos trabalhadores e funcionários do transporte. (Aplausos prolongados).


Mas nossa intelectualidade não fica para trás da classe trabalhadora e do campesinato na ajuda à frente. A intelectualidade soviética trabalha fielmente pela defesa de nosso país, pelo contínuo melhoramento das armas do Exército Vermelho, pela tecnologia e pela organização da produção. Ajuda os trabalhadores e os kolkhozianos a melhorar a indústria e a agricultura, impulsiona, nas condições da guerra, a ciência e a cultura soviética.


Eu honro a nossa intelectualidade. (Aplausos prolongados).


Todos os povos da União Soviética se levantaram por sua vez em defesa de sua pátria, considerando, com razão, a atual Guerra Patriótica como uma causa comum a todos os trabalhadores, independentemente da nacionalidade ou das crenças religiosas. Agora, os próprios políticos hitleristas veem como foram estúpidos seus planos de discórdia e conflito entre os povos da União Soviética. A amizade dos povos de nosso país resistiu a todas as dificuldades e provas da guerra, e se tornou ainda mais tentada à luta comum de todos os povos soviéticos contra os invasores fascistas.


Nisso reside a fonte da força da União Soviética. (Grandes e prolongados aplausos).


O Partido de Lenin - o Partido Bolchevique - foi a força dirigente e guia do povo soviético, tanto nos anos da construção pacífica como nos dias da guerra. Nenhum outro partido teve, ou tem, entre as massas populares, uma autoridade como a de nosso Partido Bolchevique. E isso é natural. Sob a direção do Partido Bolchevique, os trabalhadores, camponeses e intelectuais de nosso país conquistaram sua liberdade e construíram a sociedade socialista. Durante os dias da Guerra Patriótica, o Partido se apresentou a nós como o inspirador e organizador da luta de todo o povo contra os invasores fascistas. O trabalho organizativo do Partido se fundiu em um todo e direcionou todos os esforços do povo soviético, subordinando todas as nossas forças e recursos à causa da derrota do inimigo. Durante a guerra, o Partido se identificou ainda mais com o povo, se uniu ainda mais estreitamente com as amplas massas trabalhadoras.


Nisto reside a fonte da força do nosso Estado. (Grandes e prolongados aplausos).


A guerra atual confirmou, com toda a força, a conhecida declaração de Lenin de que a guerra é uma prova múltipla de todas as forças materiais e espirituais de cada povo. A história das guerras ensina que a essa prova resistiram somente os estados que se mostraram mais fortes que seus inimigos, no desenvolvimento e na organização de sua economia, na experiência, habilidade e espírito combativo de suas tropas, na capacidade de resistência e unidade do povo durante todo o decorrer da guerra. Nosso Estado é precisamente assim.


O Estado Soviético nunca foi tão sólido e firme como agora, no terceiro ano da Guerra Patriótica. As lições da guerra nos mostram que o regime soviético se mostrou, não somente a melhor forma de organização do desenvolvimento econômico e cultural do país nos anos da construção pacífica, como também a melhor forma de mobilização de todas as forças do povo para resistir ao inimigo em tempos de guerra. O poder soviético, criado há 26 anos, transformou nosso país, num breve período histórico, em uma fortaleza insuperável.


O Exército Vermelho tem a retaguarda mais sólida e mais segura de todos os exércitos do mundo.


Nisso reside a fonte da força da União Soviética. (Grandes e prolongados aplausos).


Não há dúvida de que o Estado Soviético sairá da guerra mais valorizado e mais fortalecido. Os invasores alemães arruínam e devastam nossas terras, tratando de minar o poder do nosso Estado.


A ofensiva do Exército Vermelho pôs à prova, em proporções ainda maiores do que antes, o caráter bárbaro dos bandidos do exército hitlerista. Os alemães exterminaram, nos nossos territórios ocupados por eles, centenas de milhares de pessoas de nossa população civil. Os malfeitores alemães, como os bárbaros da Idade Média ou as hordas de Átila, assolam os campos, queimam aldeias e cidades, destroem empresas industriais e instituições culturais. Os crimes dos alemães demonstram a debilidade dos invasores fascistas, já que esse procedimento é próprio dos conquistadores caducos que não acreditam na sua própria vitória. E quanto mais desesperadora é a situação dos hitleristas, mais ferozes são suas atrocidades e saques. Nosso povo não perdoará esses crimes dos monstros alemães. Obrigaremos aos criminosos alemães a responder por todas as suas atrocidades. (Grandes e prolongados aplausos).


Nos territórios que os fascistas ocupam temporariamente, teremos que restaurar as cidades, aldeias, fábricas, transportes, granjas agrícolas e estabelecimentos culturais destruídos, teremos que criar condições normais de vida para o povo soviético liberado da escravidão fascista. Desenvolve-se, agora mesmo, com plena intensidade, o trabalho de restauração da economia e da cultura nas zonas liberadas. Contudo, isso é só o começo. Teremos que eliminar por completo, nas zonas liberadas da ocupação alemã, as consequências dos estragos causados pelos alemães. Esta é uma grande tarefa para todo o povo. Podemos e devemos fazer frente a essa difícil tarefa em um curto prazo de tempo.


Este texto é um extrato do relatório lido por Stalin na sessão do Soviete dos Deputados Operários de Moscou, em conjunto às organizações sociais e o Partido, em Moscou, em 6 de novembro de 1943.


50 visualizações

Posts recentes

Ver tudo