Cabral: "Em direção a vitória final"



Um aspecto importante do colonialismo no nosso país, e também nas outras colônias portuguesas, é o subdesenvolvimento de Portugal; o atraso econômico, social e cultural de Portugal, que significa também atraso no desenvolvimento econômico do nosso país, atraso no desenvolvimento cultural do nosso povo e que cria condições específicas no desenvolvimento político do nosso país. Não vou me referir aos outros aspectos da colonização portuguesa, mas quero salientar que se por um lado o caráter do subdesenvolvimento português permitiu ao europeu e ao africano viverem juntos (o que não foi o caso, por exemplo, nas colônias inglesas), por outro lado, os colonizadores portugueses sempre - muitas vezes por ignorância, às vezes por desinformação e quase sempre por sua necessidade de dominar - mostraram uma total falta de respeito e consideração pela personalidade africana e pela cultura africana. Basta, por exemplo, ver como a Europa (principalmente França, Bélgica e Inglaterra) se tornou repleta de obras de arte africanas; isso abriu o caminho para o conhecimento universal das habilidades do africano, de sua cultura em geral, de suas religiões e conceitos filosóficos - em outras palavras, a maneira como o africano confronta a realidade do mundo com a realidade cósmica. Em Portugal não ocorreu tal coisa. Ou porque os colonos enviados para o nosso país eram geralmente ignorantes ou porque os intelectuais nunca se interessaram, os portugueses não conheciam o africano, embora viessem do país europeu com mais colônias em África. Assim, como resultado da nossa luta, como resultado do nosso confronto com os portugueses, eles perceberam que não éramos o que eles supunham e descobriram um africano que nunca tinham imaginado. Essa foi uma das surpresas que o inimigo teve em nossa luta.


Antes de iniciar a luta armada, decidimos criar organizações africanas. Em 1954 começamos a criar organizações recreativas, porque naquela época era impossível dar-lhes um caráter político. Isso era importante, não pela ideia de criar organizações, mas porque os colonialistas não o permitiam; isto mostrou aos nossos jovens, que se entusiasmaram com a ideia, que tudo era proibido aos africanos sob os portugueses.


Depois da criação do Partido, em 1956, houve um momento importante em 1959, quando os portugueses cometeram o massacre de Pidjiguiti, o que suscitou indignação em toda a população da Guiné e Cabo Verde. Foi um momento crucial, decisivo, porque mostrou que o nosso Partido seguia uma linha errada e que lhe faltava experiência. Naquela época, o Partido não sabia nada do que estava acontecendo no mundo e tínhamos que progredir em uma base empírica. Foi só em 1961 que conheci as obras de Mao Tse-Tung. Nossa falta de experiência nos fez pensar que poderíamos lutar nas cidades com greves e coisas do tipo, mas estávamos errados e a realidade daquele momento nos mostrou que isso era impossível.


Em setembro de 1959, pouco mais de um mês após o massacre de Pidjiguiti, realizamos uma conferência secreta em Bissau que deu uma guinada completamente nova ao caráter de nossa luta. Começamos a nos preparar para a luta armada e decidimos ir para o campo. O presidente do Partido, Rafael Barbosa, foi o primeiro a partir para o mato para mobilizar o povo e formar novos militantes. Nosso povo da cidade também foi, trabalhadores, empregados, etc. Deixaram suas coisas e foram para o mato mobilizar a população.


Depois, o Partido decidiu aproveitar a existência de países independentes, pelo menos de um dos países independentes vizinhos. Embora os fatores internos sejam decisivos, não se pode esquecer os fatores externos. O facto de estarmos ao nosso lado a República da Guiné permitiu ao nosso Partido instalar lá, temporariamente, alguns dos nossos dirigentes, e isto permitiu-nos criar uma escola política de formação dos militantes políticos. Isso foi decisivo para a nossa luta. Em 1960 criamos uma escola política em Conacri, em condições muito precárias.


Os militantes das cidades - membros do Partido - foram os primeiros a vir receber instrução política e a serem treinados em como mobilizar nosso povo para a luta. Depois de camaradas da cidade vieram camponeses e jovens (alguns até trazendo suas famílias inteiras) que haviam sido mobilizados por membros do Partido. Dez, vinte, vinte e cinco pessoas viriam por um período de um ou dois meses. Durante esse período, eles passaram por um programa intensivo de educação; falávamos com eles e chegava a noite e não podíamos mais falar porque estávamos completamente roucos. Alguns quadros do Partido lhes explicariam a situação, mas fomos mais longe. Atuamos naquela escola como num teatro, imaginando a mobilização do povo de uma tabanca [aldeia], mas levando em consideração as características sociais, as tradições, a religião - todos os costumes de nossa população camponesa.


A este respeito, gostaria de fazer uma observação sobre a situação do nosso campo. Falamos de camponeses, mas o termo 'camponês' é muito vago. O camponês que lutou na Argélia ou na China não é o camponês do nosso país. Acontece que no nosso país os colonialistas portugueses não expropriaram as terras; eles nos permitiram cultivar a terra. Não criaram empresas agrícolas do tipo europeu como fizeram, por exemplo, em Angola, deslocando massas de africanos em favor de colonos europeus. Nós mantivemos uma estrutura básica sob o colonialismo - a terra como propriedade cooperativa da aldeia, da comunidade. Esta é uma característica muito importante do nosso campesinato, que não foi explorado diretamente pelos colonizadores, mas foi explorado através do comércio, através das diferenças entre os preços e o valor real dos produtos. É aqui que ocorre a exploração, não no trabalho, como acontece em Angola com os trabalhadores contratados e empregados em empresas. Isso criou uma dificuldade especial em nossa luta, a de mostrar ao camponês que ele estava sendo explorado em seu próprio país.


Dizer ao povo que “a terra é de quem trabalha” não foi o suficiente para mobilizá-los, porque temos terras mais do que suficientes, é toda a terra que precisamos. Tivemos que encontrar fórmulas adequadas para mobilizar nossos camponeses, em vez de usar termos que nosso povo ainda não conseguia entender. Jamais poderíamos mobilizar nosso povo simplesmente com base na luta contra o colonialismo - isso não surte efeito. Falar da luta contra o imperialismo não é convincente o suficiente. Em vez disso, usamos uma linguagem direta que todos podem entender:


"Por que você vai lutar? O que é você? O que é seu pai? O que aconteceu com seu pai até agora? Qual é a situação? Você pagou impostos? Seu pai pagou impostos? O que você viu de retorno com esses impostos? Quanto você ganha com o amendoim? Já pensou em quanto vai ganhar com o amendoim? Quanto suor custou à sua família? Qual de vocês foi preso? Você vai trabalhar na construção de estradas: quem lhe dá as ferramentas? Você traz as ferramentas. Quem fornece suas refeições? Você fornece suas refeições. Mas quem anda na estrada? Quem tem um carro? E sua filha que foi estuprada - você está feliz com isso?"


Em nossa nova mobilização, evitamos todas as generalizações e frases prontas. Entramos em detalhes e fizemos nosso pessoal que se prepara para esse tipo de trabalho repetir muitas vezes o que ia dizer. Este é um aspecto que consideramos de grande importância, no nosso caso específico, porque partimos da realidade concreta do nosso povo. Tentamos evitar que os camponeses pensassem que éramos forasteiros, vindo ensiná-los a fazer as coisas; nós nos colocamos na posição de pessoas que vieram aprender com os camponeses e, no final, os camponeses foram descobrindo por si mesmos por que as coisas iam mal para eles. Eles compreenderam que existe uma enorme exploração e que são eles próprios que pagam por tudo, até pelos lucros das pessoas que vivem na cidade. Nossa experiência nos mostrou que é necessário que cada povo encontre sua fórmula de mobilização para a luta; mostrou também que, para integrar as massas camponesas à luta, é preciso muita paciência.


A política do nosso Partido em relação ao problema tribal produziu resultados muito bons. Como a concebemos, a tribo existe e não existe. Quando os portugueses chegaram ao nosso país, o sistema econômico tribal já estava se desintegrando. O colonialismo português contribuiu ainda mais para essa desintegração, embora eles precisassem manter algumas partes da superestrutura. Para nós, não foi tanto a base econômica que nos levou a respeitar a estrutura tribal como um elemento mobilizador de nossa luta, mas os seus aspectos culturais, a língua, as canções, as danças, etc. Não imporíamos aos Balantes os costumes dos Fulas ou dos Mandingas. Defendemos essas diferenças culturais com todas as nossas forças, mas também lutamos com todas as nossas forças contra todas as divisões a nível político.


Outro aspecto que consideramos muito importante são as crenças religiosas do nosso povo. Evitamos toda hostilidade em relação a essas religiões, ao tipo de relacionamento que nosso povo ainda mantém com a natureza, por causa de seu subdesenvolvimento econômico. Mas opomo-nos firmemente a tudo o que vai contra a dignidade humana. Temos orgulho de não ter proibido nosso povo de usar fetiches, amuletos e coisas desse tipo, que chamamos de mezinhas. Teria sido absurdo e totalmente errado proibi-los. Deixamos nosso povo descobrir por si mesmo, através da luta, que seus fetiches são inúteis. Felizmente, podemos dizer hoje que a maioria já percebeu isso.


Se no começo um combatente precisava do apoio de uma mezinha, agora pode ter uma por perto, mas ele entende - e fala para o povo - que a melhor mezinha é a trincheira. Podemos afirmar que a este nível a luta tem contribuído para a rápida evolução do nosso povo e isso é muito importante.


Estabelecemos nossas bases guerrilheiras antes do início da luta armada. Nossas bases no Sul estavam nas zonas de Cobucare, Indjassan, Quinara, Gambara, Quitafene e Sususa. No Norte, inicialmente, tínhamos duas ou três bases. Naquela época, o material era trazido com muita dificuldade. Uma vez dentro do país, esse material foi supervisionado por algumas pessoas de nossas bases guerrilheiras.


Começamos criando grupos guerrilheiros autônomos nas zonas já mencionadas. Cada grupo estava vinculado à liderança do Partido. Isso foi até o final de 1963. A luta evoluiu muito rapidamente, muito mais do que esperávamos. Mas com esses grupos descobrimos que, dada a integração completa da população com a guerrilha, alguns líderes guerrilheiros tornaram-se muito autônomos - não em relação à liderança como tal (porque na verdade eles estavam ligados à alta direção do Partido), mas em relação a alguns chefes da área. Então, certas tendências para o isolamento se desenvolveram, tendências para desconsiderar outros grupos e não coordenar a ação. Em vista disso, decidimos realizar nosso Congresso em 1964, e isso marcou uma virada crucial em nossa luta. Neste Congresso, tomamos uma série de medidas disciplinares, entre elas a detenção, o julgamento e a condenação de alguns líderes guerrilheiros. Tínhamos que passar à direção coletiva da guerrilha, sob a direção do comitê do Partido.


Criamos zonas e regiões, cada uma com comitês do Partido, para que os líderes do Partido fossem ao mesmo tempo os líderes guerrilheiros. As coisas melhoraram enormemente; eles não eram perfeitos, mas eram muito melhores. Além disso, decidimos durante o Congresso mobilizar parte da guerrilha para a criação de forças regulares, de forma a estender a luta armada a novas áreas. Não é necessário, em nossa opinião, mobilizar todos para a luta armada: basta mobilizar uma proporção razoável da população. Depois disso, você pode passar a criar forças regulares e mobilizar o resto.


Depois de reestruturado o nosso aparelho político-militar, organizamos emboscadas e pequenos ataques aos portugueses e outras ações que contribuíram para o atual nível de desenvolvimento da nossa luta. Com a criação das Forças Armadas regulares, abrimos novas frentes, Gabú no Leste e São Domingos e Boe no Oeste. Naquela época ainda não se falava de frentes, mas de regiões e zonas de luta, que correspondiam às regiões e zonas do Partido. Posteriormente foi possível criar as verdadeiras frentes de luta. No início, havia apenas as frentes Norte e Sul, mas depois, à medida que a luta se desenvolveu, estabelecemos a Frente Leste.


Nossas forças armadas agora formam uma seção do exército dentro de cada frente e podem mover-se para qualquer lugar dentro da frente. No próximo estágio, seremos capazes de mover unidades para qualquer frente onde sejam necessárias.


Quero enfatizar que a direção da luta é a direção do Partido. Dentro do Birô Político existe um Conselho de Guerra do qual sou presidente como Secretário-Geral do Partido. Não existe ação militar importante em nosso país que não passe por minhas mãos. Quando existiam frentes, setores e unidades, eles tinham autonomia para ações normais e cotidianas dentro de certos limites, mas qualquer modificação extensa, qualquer nova ação, passava e ainda passa pelas mãos do Conselho de Guerra.


Os comandantes das frentes executam as decisões do Conselho de Guerra. Por exemplo, o ataque ao porto de Bissau foi planejado por nós, em todos os detalhes. Não foi realizado na data prevista por dificuldades materiais, mas foi planejado por nós em um encontro com todos os camaradas, em que até escolhemos os homens que iriam. Isso dá uma ideia do quanto nosso trabalho está centralizado.


No que se refere ao desenvolvimento da luta como guerra de guerrilha, consideramos a nossa como tendo se desenvolvido tal qual um ser vivo, em etapas sucessivas. Frequentemente, uma etapa era concluída rapidamente, às vezes lentamente. Nunca corremos nenhuma etapa: quando uma etapa foi concluída, passamos para a próxima. Isso deu uma harmonia geral à nossa luta. No início não falamos de um exército, e mesmo agora não falamos de um Estado-maior. Criamos pequenos grupos guerrilheiros que desempenhavam suas atividades, e estes foram se fortalecendo cada vez mais até constituir um exército, nossas forças regulares.


Passando de uma etapa a outra, em 1967 chegamos à etapa final: todas as guerrilhas tornaram-se forças regulares. Nossas forças armadas hoje são compostas por essas forças regulares e as milícias armadas do povo, baseadas nas áreas libertadas.


Quero ressaltar que antes disso, nossas bases guerrilheiras eram na verdade aldeias, mas aos poucos mudamos isso. Reduzimos o número de bases, juntando-as em pares e trios, depois eliminamos por completo este tipo de base. Agora já não existem: existem as aldeias do nosso povo e existem pontos de apoio das nossas forças armadas. A eliminação das bases foi muito acertada, porque os portugueses as tinham identificado nos seus mapas e pretendiam bombardeá-las. Na verdade, eles bombardearam algumas, mas não havia ninguém lá. Tínhamos eliminado as famosas bases de guerrilha bem a tempo.


As táticas dos portugueses são as comuns neste tipo de luta. Assim que perceberam que nós estávamos vencendo violentamente, começaram a bombardear e queimar nossas aldeias, para aterrorizar as pessoas e impedir que nos apoiassem. A principal preocupação do inimigo neste tipo de luta é negar à guerrilha o apoio da população. Não creio que seja necessário descrever em pormenores a táctica e a estratégia dos portugueses, porque são uma cópia mais ou menos exacta das utilizadas pelos Estados Unidos no Vietnã. A única diferença é que os portugueses não têm os mesmos equipamentos dos Estados Unidos.


No início, os helicópteros nos machucaram muito, principalmente os ataques surpresa contra nosso povo. Mas agora estamos lutando com sucesso contra os helicópteros; estão a ser abatidos pelos nossas armas e os portugueses foram forçados a concluir que os seus helicópteros não podem ganhar a guerra por eles.


Um fator muito importante é que os portugueses não têm problemas nas ilhas de Cabo Verde neste momento. Quando começarmos a ação lá, a luta na Guiné estará praticamente terminada. Não é uma condição indispensável para o fim da luta, que pode acabar sem ela. Mas no dia em que a nossa ação se estender a Cabo Verde, a luta estará definitivamente perto do fim.


O ano passado foi repleto de vitórias, embora eu não afirme que não sofremos nenhum revés - isso é normal em qualquer guerra. Atacamos todos os centros urbanos do nosso país, exceto Bissau - se não contarmos os ataques ao aeroporto de Bissau. Centros importantes como Bafata, Gabú, Farim, Mansoa, Cansumbo e Bolama foram atacados várias vezes. Fizemos vários prisioneiros; haviam vários desertores; e destruímos mais barcos portugueses do que nunca.


O somatório das nossas operações militares de 16 de abril a 15 de novembro de 1968 é o seguinte: 251 ataques a acampamentos fortificados dos portugueses, 2 ataques a aeroportos, 2 ataques a portos, 94 veículos destruídos, 30 navios afundados, 4 aviões abatidos e estimativa mínima de 900 inimigos mortos e 12 capturados. As nossas forças armadas fizeram esforços extraordinários, forçando os portugueses a evacuar alguns dos seus postos fortificados. Eles tiveram que evacuar Beli, no leste, Cacocoa e Sanchonha, dois postos muito importantes perto da fronteira sul, e outros nove acampamentos no sul e no leste do país.


Foi um ano de triunfos nos campos político, administrativo, social e cultural. Militarmente, a luta atingiu um novo estágio de desenvolvimento e já somos capazes de tomar os acampamentos portugueses. Mas não temos pressa, andamos com muita calma. Temos que ter muito cuidado, temos que lutar de acordo com as nossas condições, avançar com cautela. Parece-nos que é muito importante agora concentrarmos ainda mais a nossa ação nos centros urbanos, para criar uma grande insegurança. Definitivamente vamos fazer isso. Sabemos que os portugueses vão usar gás contra nós, mas isso vai ser muito difícil para eles. Estamos preparados para enfrentar todas as situações.



Versão condensada de uma entrevista de Amílcar Cabral gravada na Conferência de Cartum em janeiro de 1969, publicada na Tricontinental n. 12.

Fonte: Amilcar Cabral, Revolution in Guinea, stage 1, London, 1974, pp126-132

Original Disponível em: Marxists Internet Archive marxists.org


Traduzido para o português por Leonardo Peixoto


NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube