1/10

Engels: "Recensão do Primeiro Volume de 'O Capital'"


“O Capital” de Marx

Desde que há no mundo capitalistas e operários não apareceu nenhum livro que fosse de tanta importância para os operários como o que temos diante de nós. A relação de capital e trabalho, o gonzo sobre que gira todo o nosso sistema de sociedade de hoje, está aqui pela primeira vez cientificamente desenvolvida, e com uma profundidade e agudeza só possível num alemão. Valiosos como são e continuarão a ser os escritos de um Owen, Saint-Simon, Fourier — a um alemão estava reservado ser o primeiro a trepar à altura da qual o terreno inteiro das modernas relações sociais se avista clara e plenamente, tal como as paisagens mais baixas da montanha ante o espectador postado no mais alto pico.

A Economia Política até aos nossos dias ensina-nos que o trabalho é a fonte de toda a riqueza e a medida de todos os valores, pelo que dois objetos cuja produção custou o mesmo tempo de trabalho possuem também o mesmo valor, e, pois, que em média apenas valores iguais são trocáveis entre si, têm também de ser reciprocamente trocados. Mas ao mesmo tempo ela ensina que existe uma espécie de trabalho acumulado a que chama capital; que este capital, por meio das fontes auxiliares nele contidas, aumenta cem e mil vezes a produtividade do trabalho vivo e em troca chama a si uma certa compensação a que se dá o nome de lucro ou ganho. Como todos nós sabemos isto na realidade põe-se de modo tal que os lucros do trabalho morto, acumulado, se tornam sempre mais massivos, os capitais dos capitalistas sempre mais colossais, ao passo que o salário do trabalho vivo se torna sempre mais pequeno, a massa dos operários que vivem apenas d