"O progresso só é possível com a teoria de 'um divide-se em dois'"



Atualmente, há um grande debate sobre a frente filosófica entre "um divide em dois" e "integrar dois em um". Penso que este debate é uma manifestação da agudização da luta de classes, uma séria luta de classes no domínio ideológico. Esta luta é uma defesa para proteger a dialética do marxismo-leninismo e para levar a revolução socialista até ao fim. Como jovem revolucionário, devo interessar-me e tomar uma posição sobre este debate.


Aqui, utilizarei a minha própria experiência para discutir as minhas ideias sobre esta questão.


Depois de terminar o ensino secundário em 1963, e guiado pelos meus professores, fui instado a fazer o exame oral para a entrada no quadro da Shensien School of Commerce and Finance. Como não compreendia bem o comércio e as finanças, e tinha sido influenciado pelos hábitos da velha sociedade, senti que este trabalho era demasiado simples, de pouco interesse, e que se o fizesse durante toda a minha vida, perderia todo o interesse para mim. Pensei: "Se aceitar este tipo de trabalho, terei perdido 13 anos de estudo. Ao mesmo tempo, eu estava ficando cada vez mais aborrecido, porque depois de crescer na cidade, tinha medo de ter de sair de Sian se frequentasse esta escola. Nessa altura, o individualismo já tinha corroído todo o meu pensamento; eu era uma pessoa míope que só via coisas que estavam perto da minha casa, em Sian. Não conseguia distinguir os níveis básicos, nem a norte nem a sul. Não compreendi que, para o desenvolvimento do socialismo e da frente comercial e financeira, era urgentemente necessário um grande número de pessoas com alguma consciência política e conhecimentos especializados. Ainda menos compreendi que os níveis básicos exigiam que os jovens intelectuais contribuíssem com toda a sua força, e que o fizessem em lugares especiais. Portanto, quando fui preencher um formulário para a prova oral, e me perguntaram se estava disposto a aceitar um determinado trabalho ou qualquer trabalho, preenchi a caixa "Qualquer trabalho".


Mais tarde, através da educação na escola da organização do partido, com a repreensão sincera dos professores, a ajuda paciente dos camaradas, e particularmente, depois de estudar as obras do Presidente Mao, foi travada uma luta na minha mente. Percebi gradualmente que a causa do meu erro foi o fato de me ter descontraído na reforma ideológica.


Quando vi que os meus camaradas estavam dispostos a aceitar qualquer missão, que estavam determinados a ir para a base para avançar e suportar tempestades e provações, que eram lutadores revolucionários proletários dispostos a assumir cargas pesadas e a sofrer dificuldades, eles mostraram-me o heroísmo da juventude na era de Mao Tse-tung. Fiquei embaraçado, e durante várias noites não consegui dormir. Fábulas heroicas como Norman Bethune, Chang Szu-te e Lei Feng continuavam a voltar para mim.


Depois de uma luta ideológica, acordei: percebi que o meu pensamento não estava de acordo com as exigências da época. A dolorosa lição que isto me ensinou foi que, na sociedade socialista, as classes e a luta de classes, a influência da burguesia e o poder dos velhos hábitos, ainda existem. Por conseguinte, ninguém pode evitar cair sob os vários tipos de influência não-letariana, em particular, a influência da ideologia burguesa. A fim de estabelecer o pensamento proletário e realizar uma revolução ideológica, devemos desenvolver ativamente a luta ideológica, e devemos criticar e reformar racionalmente, sem sentimentalismo, o nosso pensamento burguês. O Presidente Mao disse: "Em relação a todas as coisas reacionárias, se não forem atacadas, não cairão, é o mesmo que varrer uma casa, se não for varrida, a terra não será eliminada. É apenas mantendo a teoria "um divide em dois" que podemos superar as coisas antigas. Por outro lado, se acreditarmos na teoria errada de Yang Hsien-chen, se permitirmos que a ideologia burguesa e a ideologia proletária "se tornem uma só", se não substituirmos a ideologia da "coexistência pacífica" por uma verdadeira luta de classes ativa, não seremos capazes de saber onde começa a ideologia burguesa; e se isto continuar, poderemos até degenerar em burguesia.


Desde que aprendi estas lições, me lembrei firmemente dos ensinamentos do Partido e me envolvi ativamente na luta ideológica, superei o meu pensamento individualista. Depois de ter sido destacado para o meu trabalho, decidi ser contabilista durante toda a minha vida. No meu trabalho, adotei o método de aprender o que não sabia, perguntando quando não compreendia, lembrando-me do que tinha aprendido e usando o que me lembrava. Assim, pouco a pouco, fui-me familiarizando com o meu trabalho.


No entanto, as coisas estão sempre em contínuo desenvolvimento. Em Agosto do ano passado, depois de ter revisto as contas, senti que o meu nível profissional tinha aumentado rapidamente, e fiquei muito satisfeito, pelo que deixei progressivamente os meus estudos.


No início de Dezembro, as agências do Banco Popular e do Banco Agrícola do Partido convocaram um debate num fórum de estudo; elogiaram o meu trabalho, a forma como o tratei e as minhas melhorias demonstradas. Quando ouvi estes elogios, fiquei muito feliz. Contudo, quando os testes de ábaco foram feitos, a pontuação dos outros colegas era muito boa, enquanto a minha era apenas 46,2. Isto levou-me a perceber que só utilizando o ponto de vista de "um divide-se em dois" é que uma pessoa pode ver a realização e a superioridade e também os defeitos e deficiências. Só assim se pode lutar continuamente, superar os defeitos e seguir em frente. Por outro lado, se alguém usar a visão de "dois tornam-se um" para consultar as perguntas, sentirá que tudo está bem; tornar-se-á arrogante e sentir-se-á satisfeito consigo mesmo, hesitará e não avançará, e até retrocederá.


O Presidente Mao disse: "Em certas circunstâncias, as coisas más podem trazer bons resultados. Fiz uma análise concreta das minhas circunstâncias do ponto de vista de "um divide-se em dois"; confirmei os meus pontos fortes, descobri as minhas fraquezas, pesquisei profundamente o meu pensamento e desenvolvi a confiança no progresso.


Em suma, senti profundamente no último ano que só quando um jovem revolucionário se agarra firmemente à arma de "um divide em dois" para compreender e reformar o mundo, ele pode avançar sem interrupções. Ao mesmo tempo, também percebi que a teoria de Yang Hsien-chen, "dois tornam-se um", é uma teoria reacionária; vai contra a ideia do Presidente Mao de "dividir um em dois". Definitivamente não devemos cair na armadilha de Yang Hsien-chen; devemos sempre defender "um divide em dois" e reforçar continuamente a reforma ideológica. Só desta forma podemos estimular a revolução ideológica.


O artigo seguinte, que a "Cultura Proletária" traduziu, foi escrito por Wang Ching-fan, funcionário do Banco Agrícola Pin Hsien em Shensi, China. (Publicado em "Ta-kung Pao", Pequim, 24 de Janeiro de 1965)


Tradução de Mateus C. Ortega

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube