1/10

"A Presença de Che"



Existem mortes que não são verdadeiras. Existem aqueles que saem desse vazio para sempre, mais vivos. Basta olhar para a última foto de Che, a do corpo ao mesmo tempo rígido e vibrante, para confirmar em seus olhos o mistério de uma essência entre nós.

“É um rosto sereno, sério e belo, emoldurado pelos abundantes cabelos e barba com que costumavam ser representados os profetas e os santos, o daquele herói da América, do mundo, que aí jaz. Parece que, mesmo morto, aquela presença deslumbrante os queima”, descreveu a cena Ro