Sankara: "Uma frente unida contra a dívida"


Senhor Presidente, Chefes de Delegações, Neste momento, gostaria que falássemos sobre outra questão urgente: a questão da dívida, a questão da situação econômica na África. É uma condição importante da nossa sobrevivência, tanto quanto a paz. E é por isso que considero necessário colocar vários pontos suplementares sobre a mesa para discutirmos. Burkina Faso gostaria de falar antes de tudo sobre o nosso medo. Nosso medo é que haja reuniões das Nações Unidas em andamento, reuniões semelhantes, mas cada vez menos interesse no que estamos fazendo. Senhor Presidente, quantos chefes de Estado africanos estão presentes aqui quando foram devidamente chamados para falar sobre a África na África? Senhor Presidente, quantos chefes de Estado estão prontos para partir para Paris, Londres ou Washington quando são chamados para uma reunião lá, mas não podem comparecer aqui em Addis-Abeba, na África? Eu sei que alguns deles têm razões válidas para não comparecer. Por isso, Senhor Presidente, sugiro que estabeleçamos uma escala de sanções ou penalidades para os chefes de Estado que atualmente não respondem ao chamado. Vamos fazer com que, através de um conjunto de pontos por bom comportamento, aqueles que vêm regularmente - como nós, por exemplo - possam ser apoiados em alguns de seus esforços. Por exemplo: os projetos que submetemos ao Banco Africano de Desenvolvimento devem ser multiplicados por um coeficiente de africanidade. Os menos africanos devem ser penalizados. Com isso, todos virão para as reuniões. Senhor Presidente, gostaria de dizer que a questão da dívida é uma questão que não podemos esconder. Você mesmo conhece algo em seu país em que precisa tomar decisões corajosas, até imprudentes - decisões que não parecem relacionadas à sua idade ou cabelos grisalhos. Sua Excelência, o Presidente Habib Bourguiba, que não pôde vir, mas nos mandou transmitir uma mensagem importante, dado esse outro exemplo na África, quando na Tunísia, por razões políticas, sociais e econômicas, também teve que tomar decisões corajosas. Mas, Senhor Presidente, vamos continuar a permitir que os chefes de Estado individualmente busquem soluções para a questão da dívida com o risco de criar conflitos sociais em casa que possam colocar em risco sua estabilidade e até a construção da unidade africana? Os exemplos que mencionei - e existem outros - garantem que as cúpulas da ONU fornecem uma resposta tranquilizadora para cada um de nós em relação à questão da dívida. Pensamos que a dívida deve ser vista da perspectiva de suas origens. As origens da dívida vêm das origens do colonialismo. Quem nos empresta dinheiro é quem nos colonizou. Eles são os mesmos que costumavam gerenciar nossos estados e economias. Estes são os colonizadores que endividaram a África através de seus irmãos e primos, que eram os credores. Não tínhamos conexões com essa dívida. Portanto, não podemos pagar por isso. Dívida é o neocolonialismo, no qual os colonizadores se transformaram em "assistentes técnicos". Devemos dizer "assassinos técnicos". Eles nos apresentam financiamento, com financiadores. Como se o apoio de alguém pudesse criar desenvolvimento. Fomos aconselhados a ir a esses credores. Nos foram oferecidos bons acordos financeiros. Temos dívidas há 50, 60 anos e até mais. Isso significa que somos forçados a comprometer nosso pessoal há mais de 50 anos. Sob sua forma atual, controlada e dominada pelo imperialismo, a dívida é uma reconquista habilmente administrada da África, destinada a subjugar seu crescimento e desenvolvimento através de regras estrangeiras. Assim, cada um de nós se torna escravo financeiro, ou seja, um verdadeiro escravo, daqueles que foram traiçoeiros o suficiente para colocar dinheiro em nossos países com obrigações para pagarmos. É-nos dito para pagar, mas não é uma questão moral. Não se trata dessa chamada honra de pagar ou não. Senhor Presidente, ouvimos e aplaudimos a primeira-ministra da Noruega [Gro Harlem Brundtland] quando ela falou aqui. Ela é européia, mas disse que toda a dívida não pode ser paga. A dívida não pode ser paga, primeiro porque se não pagarmos, os credores não morrerão. Isso é de certeza. Mas se pagarmos, vamos morrer. Isso também é certo. Quem nos levou ao endividamento apostou como se estivesse em um cassino. Enquanto eles obtiveram ganhos, não houve debate. Mas agora que sofrem perdas, exigem pagamento. E falamos sobre crise. Não, senhor presidente, eles jogaram, perderam, essa é a regra do jogo, e a vida continua. Não podemos pagar porque não temos meios para fazê-lo. Não podemos pagar porque não somos responsáveis ​​por essa dívida. Não podemos retribuir, mas os outros nos devem o que a maior riqueza jamais poderia retribuir, que é a dívida de sangue. Nosso sangue fluiu. Ouvimos falar do Plano Marshall que reconstruiu a economia da Europa. Mas nunca ouvimos falar do plano africano que permitiu à Europa enfrentar as hordas nazistas quando suas economias e estabilidade estavam em jogo. Quem salvou a Europa? África. É raramente mencionado, a tal ponto que não podemos ser cúmplices desse silêncio ingrato. Se outros não podem louvar, pelo menos devemos dizer que nossos pais foram corajosos e que nossas tropas salvaram a Europa e libertaram o mundo do nazismo. Dívida também é resultado de confronto. Quando somos informados sobre a crise econômica, ninguém diz que essa crise ocorreu repentinamente. A crise sempre esteve lá, mas piorava cada vez que as massas populares se tornavam cada vez mais conscientes de seus direitos contra os exploradores. Hoje estamos em crise porque as massas recusam que a riqueza esteja concentrada nas mãos de alguns indivíduos. Estamos em crise porque algumas pessoas estão economizando enormes quantias de dinheiro em contas bancárias estrangeiras que seriam suficientes para desenvolver a África. Estamos em crise porque estamos enfrentando essa riqueza privada que não podemos citar. As massas populares não querem viver em guetos e favelas. Estamos em crise porque em todos os lugares as pessoas se recusam a repetir os problemas de Soweto e Joanesburgo. Há uma luta, e sua intensificação é preocupante para quem tem poder financeiro. Agora, somos solicitados a ser cúmplices de um equilíbrio - um equilíbrio que favorece os que têm poder financeiro; um equilíbrio contra as massas populares. Não! Não podemos ser cúmplices. Não! Não podemos ir com aqueles que sugam o sangue do nosso povo e vivem com o suor do nosso povo. Não podemos segui-los de maneira assassina. Senhor Presidente, ouvimos falar de clubes - o Clube de Roma, o Clube de Paris, o clube que seja. Ouvimos falar do Grupo dos Cinco (G5), do Grupo dos Sete (G7), do Grupo dos Dez (G10) e talvez do Grupo dos Cem. E o que mais? É normal que também tenhamos nosso próprio clube e nosso próprio grupo. Vamos fazer com que Adis-Abeba se torne agora o centro de onde surgirá um novo começo. Um clube de Addis-Abeba. É nosso dever criar uma frente unida Adis-Abeba contra a dívida. Essa é a única maneira de afirmar que a recusa em retribuir não é um movimento agressivo de nossa parte, mas um movimento fraterno para falar a verdade. Além disso, as massas populares da Europa não se opõem às massas populares da África. Quem quer explorar a África é também quem explora a Europa. Nós temos um inimigo em comum. Portanto, o nosso clube de Addis-Abeba terá que explicar a todos que a dívida não será paga. E dizendo isso, não somos contra a moral, a dignidade e o cumprimento da palavra. Achamos que não temos a mesma moralidade que os outros. Os ricos e os pobres não têm a mesma moral. A Bíblia, o Alcorão, não pode servir aqueles que exploram as pessoas e aqueles que são explorados da mesma maneira. Pode ser usado em favor de ambos os lados; deve haver duas edições diferentes da Bíblia e duas edições diferentes do Corão. Não podemos aceitar ser informados sobre dignidade. Não podemos aceitar ser informados sobre o mérito daqueles que retribuem e a desconfiança em relação aos que não o retribuem. Pelo contrário, devemos reconhecer hoje que é normal que os mais ricos sejam os maiores ladrões. Quando um homem pobre rouba, é apenas um roubo, um crime mesquinho - trata-se apenas de sobrevivência e necessidade. Os ricos são os que roubam do tesouro, são os que cobram o imposto aduaneiro e os que exploram o povo. Senhor Presidente, minha proposta não visa simplesmente provocar ou criar um espetáculo. Gostaria apenas de dizer o que cada um de nós pensa e deseja. Quem aqui não deseja que a dívida seja totalmente cancelada? Quem não pode, pode sair, entrar no avião e ir direto ao Banco Mundial para pagar! Todos nós desejamos isso ... minha proposta não é mais nada. Eu não gostaria que as pessoas pensassem que a proposta de Burkina Faso está sendo apresentada em nome da juventude sem maturidade ou experiência. Eu também não gostaria que as pessoas pensassem que apenas os revolucionários falam dessa maneira. Eu gostaria que alguém admitisse que é apenas objetividade e obrigação. E posso dar exemplos de outros que aconselharam não pagar a dívida - revolucionários e não revolucionários, jovens e velhos. Eu mencionaria Fidel Castro, por exemplo, que disse para não pagar; ele não é da minha idade, mesmo sendo um revolucionário. Eu também mencionaria François Mitterand, que disse que os países africanos, países pobres, não poderiam pagar. Eu mencionaria a senhora Primeiro Ministro [primeiro ministro norueguês Gro Harlem Brundtland] - eu não sei a idade dela e gostaria de perguntar a ela - mas é um exemplo. Eu também mencionaria o Presidente Félix Houphouët-Boigny; ele não tem a minha idade, mas declarou oficialmente publicamente que, pelo menos no que diz respeito ao seu país, a Costa do Marfim não pode pagar. Agora, a Costa do Marfim está entre os países mais ricos da África, pelo menos na África francófona; é também por isso que naturalmente tem que pagar uma parcela maior aqui. Senhor Presidente, isso definitivamente não é uma provocação. Gostaria que você nos oferecesse soluções muito inteligentes. Eu gostaria que nossa conferência assumisse a necessidade urgente de dizer claramente que não podemos pagar a dívida. Não com espírito belicoso ou belicoso - mas para impedir que sejamos assassinados individualmente. Se Burkina Faso se recusar a pagar, não estarei aqui para a próxima conferência! Mas, com o apoio de todos, o que eu preciso, com o apoio de todos que não precisaríamos pagar. Ao fazer isso, dedicaríamos nossos poucos recursos ao nosso próprio desenvolvimento. E eu gostaria de concluir dizendo que cada vez que um país africano compra uma arma, é contra um país africano. Não é contra um país europeu, não é contra um país asiático. É contra um país africano. Consequentemente, devemos aproveitar a questão da dívida para resolver o problema das armas. Eu sou um soldado e carrego uma arma. Mas, senhor presidente, eu gostaria que desarmemos. Porque eu carrego a única arma que tenho e outros ocultaram armas ou armas que eles possuem. Meus queridos irmãos, com o apoio de todos, faremos as pazes em casa. Também usaremos nossas imensas potencialidades para desenvolver a África, porque nosso solo e subsolo são ricos. Temos corpos suficientes e um vasto mercado - de norte a sul, de leste a oeste. Temos capacidade intelectual suficiente para criar ou, pelo menos, usar tecnologia e ciência de onde quer que a encontremos. Senhor Presidente, vamos formar esta frente unida Adis-Abeba contra a dívida. Vamos assumir o compromisso de limitar os armamentos entre países fracos e pobres. Os tacos e facas que compramos são inúteis. Vamos também fazer do mercado africano o mercado dos africanos: produzir na África, transformar na África, consumir na África. Vamos produzir o que precisamos e consumir o que produzimos em vez de importar. O Burkina Faso veio aqui mostrando o tecido de algodão produzido em Burkina Faso, tecido em Burkina Faso, semeado em Burkina Faso, para vestir cidadãos de Burkina Faso. Nossa delegação e eu estamos vestidos por nossos tecelões, nossos camponeses. Não há um único fio vindo da Europa ou da América. Eu não faria um desfile de moda, mas simplesmente diria que devemos aceitar viver como africanos - essa é a única maneira de viver livre e digno. Agradeço-lhe, senhor presidente. Patria ou morte, venceremos!

Discurso de Thomas Sankara na cúpula da Organização da União Africana, realizada em Addis Abeba, Etiópia, em 29 de julho de 1987 Do marxists.org

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube