1/10

Stalin: "Lenin, organizador e chefe do Partido Comunista da Rússia"


Existem dois grupos de marxistas. Ambos trabalham sob a bandeira do marxismo e consideram-se "verdadeiros" marxistas. Contudo, estão bem longe de ser idênticos. Pelo contrário, um abismo os separa, uma vez que seus métodos de trabalho são diametralmente opostos.

O primeiro grupo limita-se habitualmente ao reconhecimento exterior do marxismo, à sua solene proclamação. Não sabendo ou não querendo penetrar a substância do marxismo, não sabendo ou não querendo aplicá-lo na prática, esse grupo transforma as teses vivas e revolucionárias do marxismo em fórmulas mortas que não dizem nada. Esse grupo não baseia sua atividade na experiência, nos ensinamentos do trabalho prático, mas nas citações tomadas de Marx. Tira indicações e diretivas, não da análise da realidade viva, mas das analogias e dos paralelos históricos. A discordância entre as palavras e os atos: eis a doença principal desse grupo. Daí, as desilusões e a perpétua insatisfação com o destino, que contínua e regularmente o trai, e zomba dele. O nome desse grupo é menchevismo (na Rússia), e oportunismo (na Europa). No Congresso de Londres [1] o camarada Tyszko (Jogiches) deu uma definição bastante precisa desse grupo, dizendo que ele não parte do ponto de vista do marxismo mas repousa sobre este.<