Fidel Castro: "Lenin é um daqueles casos de seres humanos verdadeiramente excepcionais"


Raramente em qualquer processo – e talvez nunca em um processo político – um pensamento, uma mente, uma inteligência foram capazes de dar uma contribuição tão grande. É que Lenin era um investigador infatigável, um trabalhador incansável. E pode-se dizer que, como ele era politicamente consciente, não descansou um único momento ao longo de sua vida, não descansou um único momento para investigar, estudar e trabalhar no caminho da revolução.

Não houve gladiador que tenha travado mais combates ideológicos do que Lenin. A quantidade de batalhas no campo ideológico travada por ele é surpreendente. E sua história não é, neste caso, comparável à de outros homens que fizeram ações extraordinárias como méritos pessoais.

Lenin é um daqueles casos humanos verdadeiramente excepcionais. A simples leitura de sua vida, de sua história e de seu trabalho, a análise mais objetiva do modo como seu pensamento e sua atividade se desenrolaram ao longo de sua vida, fazem com que ele realmente aos olhos de todos os seres humanos verdadeiramente excepcional – repito –.

Lenin teve a oportunidade não apenas de desenvolver a teoria, mas também encontrou o campo de ação concreto e a oportunidade de colocá-la em prática.

A homenagem a Lenin pode ser estendida a ele com sentimento. Mas quando estudam seu trabalho e sua vida, estudam seus pensamentos e doutrinas, os povos adquirem o que poderia ser chamado de verdadeiro tesouro do ponto de vista político.

Quando é feita uma avaliação superior das personalidades – repito – da história, Lenin, juntamente com Marx, se destacará entre os homens, os pensamentos, as inteligências, os comportamentos que terão maior importância na história da humanidade.

Lembramos quando, nos meses anteriores a 26 de julho de 1953, a maioria do pequeno grupo de companheiros dedicados a essas tarefas sempre andava com os livros de Marx e Lenin. E lembramos que alguns desses livros de Lenin – por serem de Lenin – caíram nas mãos da polícia, nos registros que fizeram após o Moncada. E nos lembramos de que, no processo de Moncada, um promotor criminal, entre as acusações mais sérias, entre as perguntas mais – digamos –, enganosas, fez a pergunta se era verdade que tínhamos esses livros de Lenin e se esses livros de Lenin eram nossos.

Lenin foi, desde o primeiro momento, não apenas um teórico da política, um filósofo da política, mas um homem de ação, um homem de prática revolucionária constante e incessante, e era sua responsabilidade desenvolver essa doutrina e aplicá-la em condições tão difíceis, que é realmente impossível imaginá-la em situações piores.

Dos trabalhos de Lenin, tiramos conclusões decisivas – é claro que, quando falo de leninismo, falo de marxismo, das ideias essenciais de Marx desenvolvidas por Lenin – e uma muito específica de Lenin, que era O Estado e a Revolução, que esclareceu tantos conceitos para nós que nos deu muita luz na elaboração da estratégia revolucionária, na luta pela conquista do poder revolucionário e no quão decisivo era ser capaz de elaborar essa estratégia.

Quando as luzes do pensamento revolucionário na Europa não levavam em conta os revolucionários russos, quando olhavam com certo desdém até mesmo para os revolucionários, quando muitos deles nem sequer se dignaram a considerar o pensamento de Lenin. Mesmo a possibilidade de uma revolução marxista naquela Rússia dos czares, Lenin empreendeu sua longa peregrinação, sua longa e prolongada luta para realizar a revolução marxista nas condições daquele país.

Mas é que um estudo verdadeiramente objetivo da história não admite uma comparação possível, não admite uma comparação possível! Não admite colocar ao lado de Lenin nenhum outro pensamento, porque o pensamento de Lenin se destaca do começo ao fim e é a espinha dorsal, a alma desse processo.

E é precisamente no seio daquele país, no seio do império dos czares, onde esse gênio, verdadeiramente gênio, surge e se desenvolve ali e se aplica ali, com um sentido extraordinariamente criativo, a doutrina marxista.

Ele defendeu a doutrina de Marx contra todas as mistificações, deturpações e deformações. Ele a defendeu e provou como estava correta. Fatos históricos demonstraram como todas as correntes contra as quais Lenin lutou levaram, nos diferentes países da Europa, à crise do movimento revolucionário, ao fracasso do movimento revolucionário, à traição ao movimento revolucionário.

Lenin disse que uma revolução valia quando era capaz de se defender. Para dizer a verdade, nossa Revolução mostrou que é capaz de se defender. E se defende com instrumentos poderosos.

Não deixaremos de admirar Lenin e todos os dias o admiraremos mais. Como sentimos sua falta!

Eles nunca poderiam imaginar que um país tão pequeno aqui, próximo ao monstro e por si só, sem a maior ajuda, nem um centavo, nem uma arma, nem nada, mas pelas nossas próprias conclusões, tivesse feito uma Revolução Social tão radical e profundo quanto o que fizemos em nosso país, inspirado nas ideias patrióticas tradicionais de nosso povo e nossos grandes heróis, em Martí, mas também em Marx, Lenin, Engels e outros que nos fizeram – eu pelo menos – tenha uma ideia de como era a sociedade e o mundo!

É preciso dizer que Lenin não foi apenas um dos homens mais criativos, mais lutadores e mais brilhantes, mas também um dos homens mais corajosos, moralmente corajosos. Coragem que ele demonstrou em provas muito difíceis, em decisões muito difíceis, ao longo de sua vida e durante todo o processo revolucionário.

Fragmentos de discursos do comandante em chefe Fidel Castro Ruz nos anos de 1970, 1981, 1992 e 2001.

Do Granma

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube