1/10

"O Povo Negro e a União Soviética"


Eu sou extremamente grato por esta oportunidade de me juntar a mais de metade da população mundial na celebração de um grande aniversário. Sim, com metade da humanidade - e mesmo isto é uma subestimação. Porque seria errôneo supor que este 32º aniversário da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas é uma ocasião de alegria e orgulho e agradecimentos para apenas os 8 milhões de pessoas que vivem na União Soviética e nas Democracias Populares do Leste Europeu e na China.

É verdade, estes oito milhões, enquanto beneficiários diretos do surgimento da União Soviética e de suas políticas de luta pela paz e pela democracia, gozam de alegria por conta da nova segurança econômica e da liberdade política, a nova promessa de uma vida mais rica e mais plena para todos, da qual gozam porque vivem na terra soviética ou nos países de Democracias Populares. Os sentimentos de todos estes povos devem ser iguais aos do Presidente da República Popular da China, Mao Tsé-tung:

“Se a União Soviética não existisse”, Mao escreveu, “se não houvesse vitória na antifascista Segunda Guerra Mundial, se...o Imperialismo japonês não tivesse sido derrotado, se as várias novas democracias da Europa não tivessem