"A ideia de Lenin sobre a luta pela libertação nas colônias do Oriente está triunfando"


Estamos prestes a nos juntar aos povos progressistas do mundo para celebrar o memorável centenário de V. I. Lenin. Lenin, grande líder da revolução e gênio da humanidade, dedicou toda a sua vida à sagrada causa revolucionária da liberdade e libertação das classes trabalhadoras internacionais e das nações oprimidas em todas as terras e realizou proezas imortais pela vitória do socialismo e do comunismo. Lenin defendeu firmemente a quintessência revolucionária do marxismo por sua intransigente luta contra as tendências oportunistas de todos os matizes, e desenvolveu criativamente e enriqueceu ainda mais o marxismo para adequar-se às novas condições históricas da era do imperialismo e da revolução proletária. Desempenhando suas atividades na era do imperialismo quando as contradições da sociedade capitalista atingiram o seu auge, Lenin expôs cientificamente a natureza e o lugar histórico do imperialismo como o mais alto e último estágio do capitalismo, de acordo com as leis de Marx do surgimento, desenvolvimento e queda do capitalismo, e isso demonstrou a inevitabilidade de sua ruína e apresentou, pela primeira vez, a teoria da vitória revolucionária socialista em um único país. Ele desenvolveu ainda mais ideias sobre a ditadura do proletariado, formulou as bases organizacionais e ideológicas de um novo tipo de partido marxista e elaborou seus princípios táticos e mapeou um programa de construção socialista, despertando assim as classes trabalhadoras e as massas exploradas e oprimidas do mundo inteiro a uma batalha revolucionária decisiva pelo socialismo. O leninismo é o marxismo criativo na era do imperialismo, a teoria, a estratégia e as táticas da revolução proletária, uma arma poderosa para todo o povo revolucionário derrubar a velha sociedade e erigir um novo mundo, e uma grande bandeira militante dos nossos tempos. A realidade vividamente prova a vitalidade invencível do leninismo como a teoria revolucionária do proletariado para mudar o mundo. O estandarte revolucionário eterno de Lenin está pairando alto em todos os lugares ao redor do globo; e com o passar dos dias, está dando um ímpeto cada vez mais poderoso à luta dos povos progressistas ao redor do mundo e conduzindo de maneira confiável toda a humanidade a um futuro brilhante. A questão colonial-nacional ocupa um lugar importante na teoria de Lenin. Ele criou um sistema ordenado da teoria sobre a revolução colonial nacional na era do imperialismo, na era da opressão nacional baseada na dominação do capital financeiro. Na era do capitalismo monopolista, o mundo estava dividido em duas partes: um punhado de potências imperialistas de um lado e os países coloniais e dependentes habitados pelos povos oprimidos que constituem a maioria da população do globo, do outro. Sob as novas circunstâncias, Lenin vinculou a questão nacional à questão colonial, estendeu-a de uma questão local confinada às nações de países "civilizados" na Europa a uma questão geral de libertação das nações oprimidas do jugo do imperialismo, e considerou a questão colonial-nacional como parte de toda a questão da revolução proletária e da ditadura do proletariado. Lenin disse que os povos dos países coloniais e dependentes devem converter-se de uma reserva do imperialismo em aliado da revolução proletária e que a classe trabalhadora deve rejeitar totalmente o chauvinismo social e lutar em firme união com centenas de milhões de nações oprimidas que até então tinham estado completamente fora da órbita do progresso histórico e considerados simplesmente objetos da história. Lenin desenvolveu ainda mais profundamente a ideia científica de Marx sobre a autodeterminação das nações, que é o princípio básico de resolver a questão nacional-colonial. Ele apontou que todas as nações são iguais e independentes, que nenhum privilégio deveria ser dado a qualquer nação em particular, e que todas as ações de infração aos direitos das minorias nacionais deveriam ser declaradas ilegais, e sustentava que todas as nações deveriam desfrutar do direito à liberdade de secessão do Estado e o direito à autodeterminação política. Ao mesmo tempo, ele defendia a genuína solidariedade das nações com base no princípio do internacionalismo proletário e rejeitava categoricamente egoístas nacionalistas fanáticos e nacionalistas burgueses que 'em palavras', reconhecem a igualdade das nações, mas em atos muitas vezes secretamente, nas costas das nações defendem certos privilégios para uma das nações, e tentam sempre garantir maiores vantagens para a nação 'própria' (isto é, para a burguesia de sua própria nação); esforçando-se para separar e segregar nações, para promover a exclusividade nacional, etc. Lutando pela liberdade e independência dos povos dos países coloniais e dependentes, Lenin dedicou particular atenção à luta de libertação nacional dos povos do Oriente. Desde o final do século XVIII até o início do século XX, os países orientais foram divididos pelas potências imperialistas mundiais como suas colônias e o continente asiático foi transformado em uma fonte de matérias-primas, um lugar de exportação de capital, um mercado para mercadorias excedentes para as potências capitalistas mundiais - em uma vasta espinha dorsal do imperialismo. Isso impediu grandemente o desenvolvimento econômico normal dos países orientais, onde as relações capitalistas estavam surgindo em um grau considerável dentro da sociedade feudal. A intensificação da opressão e exploração dos países orientais pelas potências imperialistas e o impedimento ao desenvolvimento social e econômico dos países asiáticos agravaram inevitavelmente as diferenças nacionais entre as potências imperialistas e os povos das regiões. Em comparação com os povos dos países capitalistas avançados, os povos orientais foram submetidos a múltiplas explorações e opressões bárbaras nacionais e raciais por parte dos imperialistas. A intensificação da agressão das potências imperialistas sobre o Oriente e o acelerar do processo de colonização e semicolonização dos países asiáticos também levaram as contradições de classe a extremos. Combinado com a exploração pelas classes dominantes reacionárias nacionais, a pilhagem dos imperialistas estrangeiros tornou-se cada vez mais intolerável. As contradições entre as potências imperialistas e do capitalismo monopalista, combinadas com interesses coloniais e esferas de influência, também culminaram em sérios confrontos nessa área. Esta zona foi, de fato, um ponto focal das várias contradições que deram origem à revolução, o elo mais fraco da cadeia da frente imperialista e um campo de batalha decisivo na luta política mundial. O Oriente tornou-se a pintura central da questão nacional-colonial. Os povos orientais despertaram de um século de sono e, a partir do final do século XIX, os movimentos revolucionários dos povos pela liberdade e independência começaram a ocorrer em toda a Ásia. Lenin disse o seguinte: 'O período do despertar do Oriente na revolução contemporânea está sendo sucedido por um período em que todos os povos orientais participarão na decisão do destino de todo o mundo, para não serem simplesmente objetos do enriquecimento de outros. Os povos do Oriente estão se tornando vivos para a necessidade de ação prática, a necessidade de todas as nações tomarem parte na formação do destino de toda a humanidade.' A Grande Revolução Socialista de Outubro na Rússia abriu uma nova era na luta de libertação nacional dos povos orientais. A vitória da Revolução de Outubro despertou ainda mais os povos orientais que, ignorantes pelas políticas medievais, existiram até então apenas como material para fertilizar a civilização capitalista, e que ligaram a luta das nações oprimidas pela libertação com o movimento revolucionário das classes trabalhadoras internacionais, elevando-o a um novo nível de desenvolvimento mais elevado. Tendo ganho força e coragem imensuráveis ​​de Lenin sobre a questão colonial-nacional e encontrado um caminho correto de luta na vitória da Revolução de Outubro, os povos do Oriente conquistaram vitórias históricas em batalhas resolutas e valentes contra o imperialismo e o colonialismo na liderança da classe trabalhadora. Especialmente desde a Segunda Guerra Mundial, uma grande mudança revolucionária ocorreu no Oriente e a aparência da Ásia foi fundamentalmente alterada. O povo chinês finalmente expulsou os imperialistas estrangeiros e derrubou o regime capitalista feudal e burocrático através de uma longa luta de libertação contra o imperialismo. O triunfo da revolução chinesa foi um grande evento internacional, perdendo apenas para a importância da Grande Revolução de Outubro. O fato de que o povo chinês, compreendendo quase um quarto da população mundial, abandonou o grilhão do imperialismo e embarcou no caminho para o socialismo significou outra grande brecha feita no sistema colonial imperialista, e inclinou a balança de forças entre o socialismo e o imperialismo decisivamente em favor do socialismo. O heróico povo vietnamita expulsou colonialistas franceses e outros invasores estrangeiros travando lutas sangrentas e fundou o primeiro estado socialista no sudeste da Ásia. Hoje o Vietnã é uma poderosa força anti-imperialista, particularmente anti-EUA. É no solo do Vietnã que ocorre uma luta intensa entre as forças revolucionárias anti-imperialistas e as forças agressivas do imperialismo estadunidense. As forças armadas de libertação do povo e o povo do Vietnã do Sul já emanciparam quatro quintos do território e dois terços da população, estabelecendo o Governo Provisório Revolucionário da República do Vietnã do Sul. Eles continuam a infligir derrotas militares e políticas irremediavelmente sérias sobre os agressores imperialistas dos EUA, e estão empurrando os imperialistas estadunidenses e os fantoches do Vietnã do Sul para um canto apertado. Sob a liderança da Frente Patriótica Lao o povo laociano pegou em armas para a libertação e independência de seu país, para a salvaguarda da paz e segurança em toda a Indochina e Sudeste Asiático, e está dando ataques ininterruptos aos imperialistas dos EUA e seus fantoches, obtendo sucessos cada vez maiores em sua luta cotidiana. A classe trabalhadora e o povo do Japão estão exercendo uma vigorosa luta antiimperialista e antimonopólio, que condena duramente as políticas de guerra dos imperialistas dos EUA e o ressurgimento do militarismo japonês. Os povos tailandês e malaio estão desdobrando uma poderosa luta armada contra os imperialistas estadunidenses e as ditaduras pró-EUA; e o povo, jovens e estudantes filipinos foram bravamente às ruas para resistir à subjugação política e econômica do país pelo imperialismo estadunidense. O povo cambojano está lutando por sua soberania nacional e integridade territorial; e os povos da Índia, Ceilão, Birmânia (Myanmar), Indonésia e Paquistão estão avançando com todos os demais países asiáticos nas fileiras de combate ao imperialismo e ao colonialismo. Todo o curso da revolução coreana, tanto suas provações severas quanto seus eventos heróicos, tem sido uma das gloriosas vitórias sob a bandeira imortal de Lenin. O povo coreano encontrou uma arma de libertação nas grandes ideias de Lenin e, sob sua bandeira, travou uma luta sagrada pela liberdade e independência e esculpiu uma história de criação e vitória. Quando os infortúnios estavam afligindo nossa nação nos dias mais obscuros do domínio colonial imperialista japonês, os comunistas coreanos, levantando a bandeira da luta anti-imperialista de libertação nacional com as ideias de Lenin como sua diretriz estratégica e tática, travaram os quinze longos anos de heróica luta armada contra os agressores imperialistas japoneses, derrotando o imperialismo japonês e alcançando a vitória histórica - a libertação da pátria. Depois da libertação de 15 de agosto, nosso povo que embarcou em nova vida decretou plenamente a revolução democrática anti-imperialista e antifeudal e estabeleceu uma base revolucionária confiável na metade norte, repeliu heroicamente a invasão do imperialismo dos EUA e seus fantoches na Guerra de Libertação da Pátria e honrosamente salvaguardou os ganhos revolucionários. A vitória de nosso povo na Guerra de Libertação da Pátria mostrou que nenhuma força de agressão imperialista pode derrotar um povo que se levanta pela liberdade e independência de seu país sob a liderança de um partido marxista-leninista, expôs a vulnerabilidade e a corrupção do imperialismo norte-americano e firmemente convenceu as nações oprimidas do mundo que o imperialismo dos EUA não é de forma alguma invencível e é bem possível para eles derrotá-lo em batalha. O nosso partido alcançou grandes vitórias e sucessos na revolução socialista e na construção socialista aderindo firmemente à linha Juche de aplicar criativamente princípios universais marxistas-leninistas com as experiências de outros países para se adequar às condições históricas e peculiaridades nacionais do nosso país, resolver os nossos problemas sempre em nossas próprias responsabilidades, e de mostrar o espírito revolucionário de auto-suficiência. Hoje, nosso país tornou-se um estado socialista com pleno direito à autodeterminação política, com uma economia nacional poderosa e autossustentável, uma cultura nacional brilhante e poderosa força de autodefesa. As grandes mudanças socioeconômicas na metade norte da República exercem uma imensa influência revolucionária sobre o povo da Coreia do Sul que está gemendo sob o regime colonial tirânico do imperialismo norte-americano. O povo sul-coreano, que olha para a próspera e em desenvolvimento metade do norte como farol de esperança, vem conduzindo uma firme luta contra as políticas imperialistas dos Estados Unidos de subjugação colonial e agressão militar desde os primeiros dias da ocupação da metade sul. O domínio colonial imperialista dos EUA foi fundamentalmente abalado pela luta de resistência popular em outubro de 1946, a revolta popular de massa em abril de 1960, que derrubou o regime fantoche de Syngman Rhee, o antigo fantoche do imperialismo dos EUA, e por todas as lutas dinâmicas do povo sul-coreano para se opor às 'conversas Coreia do Sul-Japão', para esmagar o traidor 'Tratado Coreia do Sul-Japão' e se opor às manobras dos atuais governantes sul-coreanos para prolongar seu mandato. Atualmente, a luta revolucionária na Coreia do Sul está se organizando gradualmente e está se enraizando profundamente nos trabalhadores e camponeses, que são as principais forças da revolução; e as grandes massas estão intensificando a luta antiimperialista e anti-EUA. Com mais expansão e força em suas organizações revolucionárias, os revolucionários e os demais patrióticos sul-coreanos estão apoiando uma ativa luta em massa para liquidar o domínio colonial imperialista dos EUA, realizar a completa soberania, unificação e independência da nação e se opor à ditadura militar fascista a fim de ganhar liberdade política com direitos democráticos. O povo sul-coreano desperto alcançará a vitória final na revolução quando, fortalecidos pela luta, expulsarem os agressores imperialistas dos EUA e destruírem seus fantoches, alcançando assim definitivamente a vitória na revolução. A Ásia se transformou de um continente colonial em uma área onde furiosas tempestades revolucionárias se alastram para combater o imperialismo. Hoje, esta área se tornou a principal frente da revolução internacional contra o imperialismo, a principal arena da luta revolucionária sendo realizada em um âmbito mundial para a liberdade e a libertação. Atacados com golpes poderosos da luta de libertação nacional dos povos orientais, os imperialistas foram mortalmente desfigurados com feridas por todo o lado e completamente isolados. O imperialismo e o colonialismo aterradores que mantinham centenas de milhões de pessoas na pobreza e na fome estão agora vivendo seus últimos dias no Oriente, e sua liquidação total está à vista. A luta revolucionária antiimperialista dos povos do continente asiático, que somam mais da metade da população mundial e possuem enormes recursos naturais e econômicos, está fortalecendo a posição dos países socialistas na arena mundial e agravando a crise do sistema capitalista mundial; a revolução asiática está fornecendo condições favoráveis ​​para um avanço adicional do movimento internacional da classe trabalhadora. As nações orientais, submetidas a séculos de opressão, pilhagem, humilhação nacional e discriminação racial por agressores estrangeiros, emergiram como uma grande força revolucionária de nossos tempos que se opõe ao imperialismo e ao colonialismo, um grande poder motivador que leva adiante a história da humanidade. Lenin disse certa vez que "... suficientemente claro, na iminente batalha decisiva da revolução mundial, o movimento da maioria da população no globo tendente à libertação nacional no início se oporá ao capitalismo e ao imperialismo e, possivelmente, desempenhará papel revolucionário muito maior do que esperamos ". A cada dia que passa, a exatidão da previsão de Lenin é mais clara pela história moderna da humanidade, que é adornada com eventos revolucionários. Assustados pelas forças revolucionárias antiimperialistas que estão crescendo e se fortalecendo diariamente na Ásia, os imperialistas liderados pelo imperialismo dos EUA estão desesperados em seus esforços para reprimir as lutas antiimperialistas de libertação nacional dos povos nesta área que estão se espalhando como fogo na selva, e para reforçar o seu domínio colonial cambaleante. Os imperialistas estadunidenses despejaram a maior parte de sua ajuda militar no exterior na região asiática e montaram várias bases militares que abrigam dois terços de suas forças armadas de agressão no exterior. Ao mesmo tempo em que reforçam suas tropas agressoras, eles estão alimentando um fantástico sonho de atingir sua agressão asiática sem dificuldade, principalmente por meio de 'fazer os asiáticos lutarem uns contra os outros', fortalecendo o militarismo japonês como uma 'brigada de choque' e construindo estados fantoches na Ásia. Os imperialistas dos EUA rearmaram o militarismo japonês e o alinharam com aos fantoches sul coreanos, e estão fazendo tentativas frenéticas de montar uma aliança militar 'anticomunista' asiática como eixo. Especialmente ultimamente, as manobras conspiratórias dos imperialistas liderados pelo imperialismo norte-americano para cometer agressão na Ásia estão sendo levadas adiante. Os imperialistas dos EUA se propuseram a utilizar ativamente, por sua agressão asiática, as potencialidades militares e econômicas do Japão como seu aliado e base militar de agressão, enquanto os militaristas japoneses, por sua vez, estão abertamente enlouquecidos para realizar seu antigo sonho da 'Esfera de Coprosperidade da Grande Ásia Oriental' com apoio dos EUA. Os militaristas japoneses já estão participando ativamente da agressão imperialista dos EUA contra o Vietnã, intensificando os preparativos de guerra para invadir a Coreia e outros países asiáticos e intensificando sua penetração econômica e cultural nos países da região. Fazendo esforços desesperados, o imperialismo norte-americano e seus fantoches tentam escapar da destruição já selada na Ásia. À medida que os imperialistas dos EUA intensificam sua política de agressão e guerra na Ásia, os asiáticos os enfrentam com maior resistência. Os povos orientais defenderão uma luta intransigente e determinada pela construção de uma nova Ásia independente e próspera, derrubando, assim, de uma vez por todas, o sistema colonial dos imperialistas encabeçado pelo imperialismo dos EUA. Desde os dias de Lenin, o povo soviético manteve a bandeira da luta anti-imperialista de libertação nacional e contribuiu grandemente para a causa da libertação dos povos oprimidos do mundo. O povo soviético auxiliou nosso povo na causa da libertação do jugo do domínio colonial imperialista japonês e deu grande ajuda moral e material à luta de nosso povo para salvaguardar a liberdade e independência de nossa pátria e construir uma nova sociedade. Nosso povo se lembra do apoio e assistência internacionalistas que o povo soviético lhes deu. O povo coreano dá grande importância à sua amizade e solidariedade com o povo soviético na frente dos países anti-imperialistas e anti-EUA. Hoje, a solidariedade militante entre nosso povo e o povo soviético está sendo ainda mais consolidada. A solidariedade militante entre os povos da Coreia e da União Soviética, que foi formada em meio da batalha comum contra o imperialismo e colonialismo e pelo socialismo e comunismo, e que suportou as provações da história, continuará a se consolidar e desenvolver nos dias por vir. Viva a causa revolucionária anti-imperialista das classes trabalhadoras internacionais e das nações oprimidas em todo o mundo firmemente unidas sob a eterna bandeira revolucionária de Lenin! Artigo publicado no Pravda, órgão do Comitê Central do Partido Comunista da União Soviética, por ocasião do Centenário do Nascimento de V. I. Lenin, 16 de abril de 1970

Escrito por Kim Il Sung

Publicado pelo http://avozdopovode1945.blogspot.com

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube