"A Moral Comunista"


As questões de moral, assim como todas as questões da vida social, pela primeira vez foram colocadas em sólidas bases científicas quando surgiu o materialismo histórico, que é a verdadeira ciência das leis do desenvolvimento social. À luz do materialismo histórico, revela-se claramente a inconsistência das concepções idealistas da moral. Ficam assim expostos os defeitos das teorias sobre moral, correntes até antes do aparecimento da filosofia materialista de Marx. Os manuais idealistas ou ligam a moral à religião, afirmando que as concepções morais dos homens se originam da "razão divina", ou a atribuem a um sentimento moral particular, a uma consciência do dever moral instintiva da alma humana. Ordinariamente as concepções idealistas da moral apresentam a questão como se em todos os tempos e entre todos os homens existissem, concepções idênticas, e reconhecidas de modo geral, sobre o que é bom e o que é mau. A afirmação de que a moral é eterna e não se altera não é privilégio apenas das teorias idealistas. Os materialistas anteriores a Marx e Engels tinham ponto de vista idêntico, embora rejeitassem a origem divina da moral e tentassem ligar as concepções éticas aos pontos de vista materialistas sobre a natureza. Ao contrário das diversas teorias não cientificas sobre a moral, o marxismo apresenta a tese de que o homem, em todas as suas manifestações psíquicas, em toda a sua vida intelectual e moral, é o produto de um meio social e, sobretudo, de um meio social concretamente específico, determinado ele próprio, em última análise, pelos meios de produção. Por essa razão não pode haver um sistema de moral definitivo e em geral aceito como bom para todos os tempos e para todos os homens. Não só a concepção e o julgamento do bem e do mal diferem em cada época, como até, nos limites da mesma e única época, diferem as teorias morais e são contrárias entre si as concepções das classes sociais antagônicas. Salienta Engels que na sociedade burguesa distinguem-se nitidamente três formas de moral: a moral que nos ficou como herança do feudalismo, a moral da burguesia e a moral do proletariado. Mas se nas condições de uma sociedade caracterizada por seus antagonismos internos, a moral se apresentava inevitavelmente como moral de classe e não pode, portanto, ser reconhecida por todos, na sociedade que não conhece antagonismos de classes, criam-se condições para o triunfo de uma moral comum a todos os homens. A propósito, escrevia Engels: "A moral verdadeiramente humana, que se elevará acima das contradições e das reminiscências de classes, só será possível na etapa do desenvolvimento social em que o antagonismo das classes tenha sido não apenas eliminado, mas em que até os seus vestígios tenham desaparecido da vida prática"(1). Os fundadores do marxismo descobriram a natureza de classe da moral e mostraram suas origens e evolução na história da sociedade humana. Nas condições de nossa época, entretanto, os grandes mestres do proletariado apenas puderam esboçar, em traços largos, os contornos da futura moral comunista. Deve-se a Lênin e a Stálin a descoberta posterior das manifestações e da essência da moral comunista. Em seu notável discurso perante o III Congresso das Juventudes Comunistas da Rússia, Lênin deu a característica do conteúdo da moral comunista, traçando suas linhas essenciais. E o camarada Stálin, generalizando a grande experiência da luta do Partido e do povo soviético para a edificação do socialismo em nosso pois, desenvolveu as idéias de Lênin sobre a moral comunista. Em suas intervenções, o camarada Stálin indicou como devia proceder um membro do Partido Bolchevique, para ser digno desse título; mostrou o que devia ser um homem político do tipo Leninista; explicou o que se exige de cada cidadão soviético para que esteja ao nível da moral comunista e da conduta comunista. Nessas intervenções, o camarada Stálin deu a característica do papel da edificação soviética e da atividade dirigente do Partido Bolchevique e no ensino da moral comunista. As intervenções do camarada Stálin mobilizam as massas na luta pela vitória do comunismo, educam o povo num espírito de patriotismo a toda prova, no espírito da moral comunista. A moral comunista é a fase superior do desenvolvimento da moral proletária, que começa a elaborar-se dentro do quadro do capitalismo, na luta contra a moral burguesa, que ocupa a posição dominante no regime capitalista. A moral que domina na sociedade burguesa é determinada pelas relações capitalistas de produção, caracterizada pela exploração do homem pelo homem. Em que se baseia, afinal, a sociedade burguesa, do ponto de vista moral? A essa questão, responde Lênin: "Baseia-se no princípio de que — ou tu roubas aos outros ou os outros te roubam; ou trabalhas para os outros ou os outros trabalham para ti; ou és o senhor dos escravos ou tu serás o escravo. E é compreensível que os homens formados numa tal sociedade tenham, por assim dizer, bebido no leite materno a psicologia, os hábitos, as concepções ou de um senhor de escravos ou de um escravo, de um pequeno proprietário, de um pequeno funcionário ou de um intelectual — numa palavra, de um homem que apenas se ocupa de uma coisa: ter algo para si, e que se desinteressa do resto. Se eu sou o dono deste pedaço de terra, que me importa o semelhante; se o próximo tem fome, melhor, pois venderei meu trigo mais caro. Se tenho meu lugarzinho como médico, como engenheiro, professor, empregado, estou-me rindo do próximo. Se eu fôr indulgente, adulador do poderio dos ricos, talvez — raciocina ele — possa conservar meu lugarzinho e quem sabe mesmo se não poderei tornar-me burguês".(2) Essa ordem de coisas capitalistas engendra homens que são, do ponto de vista moral, uma pepineira de egoísmo empedernido e de insensibilidade em relação ao destino humano. A realidade capitalista engendra o mal e o crime, pelo próprio caráter das relações que estabelece entre os homens. Isto foi demonstrado pelo escritor inglês D. Priestley em sua peça "Ele Chegou". Nessa obra, o autor representou uma honrada família burguesa da Inglaterra, da qual todos os membros, o pai, a mãe, o filho, a filha e o noivo da filha foram culpados pela morte de uma jovem operária, embora nenhum deles tivesse desejado a morte dessa jovem. Mas objetivamente, pela lógica das relações existentes na sociedade burguesa, cada um dos membros dessa família burguesa teve sua parte de responsabilidade no crime. O capitalismo engendra tipos humanos que, mesmo ao reconhecerem o caráter desumano da ordem de coisas capitalista, evitam de todas as formas lutar contra o mal e a injustiça e são inteiramente absorvidos por seu pequeno e mesquinho mundo, por seus interesses estreitos e prosaicos. Tal é, por exemplo, o "jogo de dama" da novela de Wells: "Vejo bem, diz ele, que nos achamos ainda sob o domínio do homem das cavernas e que este prepara um reaparecimento em grande estilo. . . Que volte a idade da pedra, que seja, como dizeis, o declínio da civilização, é realmente uma pena; mas, esta manhã, nada posso fazer. Tenho minhas obrigações. Aconteça o que acontecer, vou jogar damas com minha tia". Quanto mais avança o capitalismo, tanto mais se aprofunda o precipício entre os preceitos morais, de um lado, e a conduta real, a verdadeira atividade dos homens, de outro lado. Os próprios ideólogos do capitalismo têm que concordar com isso. Um dos conselheiros de Roosevelt, James Arburg, que foi, em certo período, diretor de propaganda do Bureau de Informação de Guerra, escreveu em seu livro intitulado: "A política externa começa no próprio país": "O modo de vida atual na civilização européia, é um conflito insolúvel, pois, do ponto de vista ético e religioso, a civilização baseia-se na fé, na justiça e na igualdade, mas na vida prática o que reina é a doutrina da seleção natural e da eliminação dos mais fracos". É claro que não se pode falar da pretensa "seleção natural", que dizem reinar na sociedade. A verdade é que a civilização burguesa atual é cada vez menos compatível com as exigências elementares da moral humana, embora palavras como "o bem", "a equidade", ressoem freqüentemente nos discursos dos homens que servem ao capitalismo. Como harmonizar as palavras — liberdade, progresso, humanidade — usadas pelos representantes oficiais da sociedade burguesa, na América do Norte, por exemplo, com a hierarquia de raça que de fato reina ali e que está em contradição com as mais elementares exigências da moral humana? Como harmonizar essas exigências elementares com o desprezo e os atos desumanos contra a população, que se tornaram hábito nos Estados Unidos? Desde as primeiras etapas do desenvolvimento da sociedade burguesa, surgiu com toda a nitidez a diferença entre a propaganda oficial dos princípios elevados de igualdade humana, de fraternidade e de liberdade, e as relações existentes na sociedade burguesa, onde reina a exploração, a opressão e uma competição desenfreada. Esta circunstância marcou com o selo do tartufismo e da hipocrisia a moral burguesa. A propagação dessa moral reveste-se de um caráter servil, arranjado para disfarçar a hediondez da realidade, justificar a ordem capitalista, defendê-la contra o inconformismo crescente das massas trabalhadoras. Com o desenvolvimento da sociedade burguesa, à medida que a ordem estabelecida se torna um obstáculo ao desenvolvimento das forças produtivas e que a luta de classe entre o proletariado e a burguesia se exacerba — essas formas da ideologia burguesa, sob as quais os interesses de classe da burguesia, inclusive a moral burguesa, aparecem como sendo os interesses gerais, perdem seu conteúdo real e se tornam frases vazias, engodo consciente, premeditada hipocrisia. E quanto mais a vida demonstra a mentira e a falsidade interna dessa moral, tanto mais a linguagem da sociedade burguesa oficial se torna hipócrita. O grande dramaturgo inglês Bernard Shaw ridicularizou, com seu estilo mordaz, a tática do burguês britânico que comete as coisas mais infames sob a máscara da caridade cristã. Diz ele, em "O Homem do Destino": "E sempre, e para todos os casos, têm à mão uma atitude de homem de boa moral. Como grande combatente pela liberdade e a independência nacional, conquista e anexa ao seu país a metade do mundo e chama a isso colonizar, é necessário, por exemplo, um novo mercado para suas mercadorias acumuladas em Manchester? Então ele envia rapidamente um missionário a tal parte e, em seguida, tomando das armas, vai no rastro do missionário defender a cristandade. Ele se bate pela cristandade, faz suas conquistas em nome do cristianismo e apodera-se do mercado como de uma recompensa celeste". Por outro lado o capitalismo moderno engendrou e engendra verdadeiros apologistas do canibalismo, os quais tentam cada vez mais soltar a besta que existe no homem. Através dos imperialistas alemães reacionários, cultivou-se e alimentou-se o fascismo, que conduziu aos limites extremos a ideología do ódio entre os homens, a prática do extermínio bárbaro e em massa dos homens, a prática da destruição da cultura material e espiritual da humanidade. O diabólico "fuehrer" dos fascistas alemães declarou: "Eu liberto o homem da quimera aviltante que tem por nome consciência. A consciência, assim como a instrução, deforma o homem. Tenho a vantagem de que nenhuma consideração de caráter teórico e moral me detém". O condutor dos modernos canibais, que se declarou o símbolo do princípio do amoralismo, conseguiu arrastar milhões de alemães na senda dos crimes mais monstruosos contra a humanidade. Devido à vitória militar contra o imperialismo alemão e japonês, o fascismo sofreu uma derrota moral e política. Entretanto, os círculos reacionários do mundo imperialista atual tentam, cada vez com maior insistência e obstinação, impedir a derrota política e moral definitiva do fascismo, cultivando a ideologia do ódio humano, representada pelo racismo, chamando em seu socorro as revivescências do canibalismo, a fim de ter o terreno preparado para realizar seu plano de agressão, sua política de conquista territorial e de escravização dos povos. Só uma luta enérgica das forças progressitas da humanidade contra as forças da reação poderá assegurar a derrota moral e política definitiva do fascismo. Nesta luta das forças progressistas, visando liquidar completamente a ideologia bestial do fascismo e extirpar o canibalismo fascista, cabe o primeiro papel à URSS como baluarte da democracia e do progresso. Nos países estrangeiros são os representantes de vanguarda da classe operária, lutando sob a bandeira das idéias sociais e políticas mais avançadas e sob a bandeira de uma moral de vanguarda, que estão combatendo o fascismo de maneira conseqüente. A história confiou ao proletariado a grande missão de liquidar a estrutura de classe da sociedade, de liquidar a exploração e as causas que lhe dão origem e de criar um novo regime social — o comunismo. Do ponto de vista proletário, só é moral a conduta dos homens baseada na grande luta pela libertação da humanidade de todos os jugos e de quaisquer formas de exploração. Qualidades de caráter tais como a honestidade, a sinceridade, a dedicação, a coragem, a energia e a solidariedade entre camaiadas, a dedicação à causa da libertação dos trabalhadores e muitas outras qualidades morais, desenvolveram-se e fortaleceram-se entre os massas trabalhadoras; embora a burguesia tenha brutalmente espezinhado esses princípios morais e empestado a atmosfera social com o egoismo, a extorsão, a hipocrisia e outros sentimentos amorais. Ainda no início de sua atividade revolucionário, observando os operários que entravam no movimento socialista, afirmou Marx: "A fraternidade humana em seus lábios não é apenas uma frase, mas uma verdade, e de seu rosto endurecido pelo sofrimento toda o beleza da humanidade nos contempla"(3). O desenvolvimento da moral proletária manifestou-se com particular nitidez em nosso país, porque, devido a condições históricas, foi ele o primeiro a começar a reconstrução da sociedade em base socialista. O movimento oparário em nosto país, nascido mais tarde de que nos outros países europeus, chocou-se com a recção feroz da polícia do tzarismo. Os bolcheviques, que a autocracia transformava nos revolucionários mais conseqüentes e irredutíveis, sofreram particularmente suas cruéis sevícias. Achando-se no próprio âmago do movimento operário, os bolcheviques elevaram o nível da consciência política dos operários, cultivaram em si os sentimentos necessários à vitória da classe operária, da solidariedade de classe, da união entre camaradas, o sentimento da dedicação. A luta pela honestidade moral, pela firmeza e o espírito de princípio entre os revolucionários profissionais e entre todos os operários que participavam no movimento revolucionário, forma uma das páginas mais brilhantes da história do bolchevismo na Rússia. II A MORAL comunista é a moral de tipo novo, e sua base difere da base das outras morais que a precederam. Por isso tem outro conteúdo e outra é sua missão. Na sociedade que assenta sobre a propriedade privada, a moral que domina, ao lado do direito, destina-se a manter a instituição da propriedade privada. A burguesia apenas colocou a lei do Estado a serviço desta instituição: declarou que a propriedade privada era sagrada e inalienável, emprestou-lhe um aspecto moral e religioso. A moral que domina na sociedade burguesa consagra o regime de exploração e desigualdade, o regime de opressão e escravidão criado pela propriedade privada. Bem ao contrário da moral burguesa, a moral comunista, da mesma forma que o direito comunista, destina-se a servir ao fortalecimento da propriedade socialista coletiva. Na sociedade em que a terra, as fábricas e as usinas deixaram de ser a propriedade dos exploradores e se tornaram apanágio do povo inteiro, a propriedade socialista coletiva é sagrada e inalienável; tem seu defensor fiel não só no direito socialista, como também na moral comunista. A moral comunista defende o novo regime social criado na base da propriedade socialista coletiva, regime de que foram banidas a exploração e todas as formas de opressão e escravização. Lênin acentuou: "A moral comunista baseia-se na luta pelo fortalecimento e pelo aperfeiçoamento do comunismo"(4). Desta finalidade da moral comunista deriva seu conteúdo de princípios diferentes. Se, na sociedade baseada nos princípios da propriedade privada dos meios de produção, é alimentada entre os homens a psicologia da propriedade privada em todas suas manifestações amorais, na sociedade socialista, onde existe a propriedade socialista coletiva dos meios de produção, estabelecem-se relações de solidariedade entre todos os seus membros, que possuem interesses comuns, fins comuns e aspirações comuns. Durante a transformação socialista da sociedade, realiza-se entre os homens uma renovação do sistema moral; a antiga psicologia, ligada à propriedade privada, é substituída pela psicologia do apoio mútuo a serviço da causa comum. Os homens perdem pouco a pouco os antigos hábitos e tradições, os sentimentos de cupidez e desse egoísmo calculado e frio que a sociedade burguesa cultiva. Em sua obra "Anarquismo ou socialismo?", escreveu o camarada Stálin: "No que se refere às opiniões e aos sentimentos bárbaros dos homens, não são tão antigos como alguns pensam: houve tempo, na época do comunismo primitivo, em que o homem não conhecia a propriedade privada; veio o tempo da produção individual em que a propriedade privada se apoderou dos sentimentos e da razão dos homens; aproxima-se um tempo novo, o tempo da produção socialista — que há, pois, de extraordinário em que os sentimentos e pensamentos dos homens se embebam nas aspirações socialistas? Pois não é certo que o tipo da vida determina "os sentimentos" e as "opiniões dos homens"?"(5). A experiência, de importância histórica mundial, da edificação do socialismo em nosso país, demonstrou em seus contornos práticos o processo da transformação socialista da consciência dos homens, o processo da formação da moral comunista. Os homens que se ligaram à edificação do socialismo, saíram da sociedade capitalista. É natural que, em sua maioria estivessem sob a influência de tradições, hábitos, preconceitos, vestígios do passado, que se fizeram sentir fortemente na consciência dos milhões de homens chamados a edificar uma vida nova. Este o caso principalmente das massas camponesas, mas também foi o caso de amplas camadas de trabalhadores que não tiveram imediatamente a consciência dos interesses comuns do Estado. No entanto, na base da edificação socialista, que principiou a se desenvolver, e graças ao trabalho de organização e educação do Partido Bolchevique, as fileiras dos operários de vanguarda, pelo seu exemplo de dedicação e heroísmo, cresceram rapidamente. Desde os primeiros anos de existência do Estado Soviético, a atitude comunista dos operários em face do trabalho, evidenciando a existência de novas relações entre os homens — as relações de ajuda e apoio recíprocos — manifestaram-se com bastante clareza. Os "domingos comunistas" o comprovam. O valor particular da iniciativa dos operários na organização de "domingos comunistas" estava, conforme indicou Lênin, na preocupação desinteressada "dos operários de base, em aumentar a produtividade do trabalho, zelar cada "pud" (medida equivalente a 16 kg.) de trigo, de carvão, de ferro e de produtos destinados, não especialmente ao operário, nem a seus parentes, ou amigos mais próximos ou afastados, mas à sociedade em seu conjunto às dezenas e centenas de milhões de homens reunidos, primeiro num só Estado socialista e depois na União das Repúblicas Socialistas"(6). Mas enquanto na economia do país subsistiam numerosas camadas sociais e enquanto a agricultura produzia pouco para o mercado, a massa dos milhões de camponeses continuava com a herança do passado, ainda sob a influência da psicologia da propriedade privada. O desenvolvimento da moral comunista entre as massas camponesas só encontrou terreno propício quando, segundo o projeto genial do camarada Stálin, e sob sua direção, os camponeses de nosso país foram reunidos nos kolkozes. Só nos kolkozes a consciência dos milhões de camponeses começou a tornar-se socialista. No regime kolkozeano o campesinato encontrou a forma de sua união, a forma da colaboração e da ajuda mútua entre camaradas, forma que constituía base da consciência e da moral comunista. A vitória do regime kolkozeano levou igualmente ao fortalecimento considerável dessas relações amistosas entre os camponeses e operários de nosso país e a um fortalecimento da união entre essas duas classes. Durante a edificação socialista e graças a seus resultados, surgiram novos intelectuais, animados de sentimentos fraternais em relação aos operários e camponeses e agindo de acordo com eles. Desta forma, devido à vitória do socialismo, à liquidação das classes exploradoras na sociedade soviética, formou-se e consolidou-se a unidade moral e política de nosso povo. A ajuda mútua fraternal também triunfou nas relações entre todas as nações e povos de nosso país. A formação da unidade moral e política da sociedade soviética marcou a consolidação das nações, a verdadeira unidade nacional. Os laços que unem os homens, na base de suas tradições nacionais, foram pela primeira vez libertados do caráter de antagonismo inerente à nação na sociedade burguesa, sociedade em cujo seio a noção é dividida por contradições internas de classes. A verdadeira simpatia mútua triunfou entre todos os homens pertencentes a uma determinada nação e unidos pela comunidade de sua história e de sua cultura. Ao mesmo tempo, esses sentimentos de simpatia entre homens unidos pela origem nacional, harmonizam-se com os sentimentos de amizade em relação aos homens das outras nacionalidades. A amizade cresceu e se fortificou entre os povos, paralelamente com os resultados da edificação do socialismo. Assim, no domínio das relações entre classes e grupos sociais, da mesma maneira como no domínio das relações entre nações, triunfou um verdadeiro sentimento de humanidade. Tudo isto significa que na sociedade socialista, o sentimento de humanidade, nas relações mútuas entre os homens, adquire realmente essa universalidade tão decantada em todos os estatutos morais de todos os tempos, mas que se conserva como uma palavra vazia de sentido, nas sociedades internamente antagônicas. É por isso que a moral comunista é reconhecida por todos os povos e recebe assim a consagração que nenhuma outra sociedade poderia receber, ao contrário da sociedade burguesa, onde coexistem sistemas opostos de moral e onde a moral das classes exploradoras dominantes é imposta aos trabalhadores com toda a espécie de falsidades. Na sociedade socialista, a moral comunista existente goza do apoio geral. Explica-se desta forma o fato de que, ao contrário da moral dominante nas sociedades internamente antagônicas, que sempre caminha de par, com a religião, tendo necessidade dela como tutor, a moral comunista está liberta de tal união. Para que a moral das classes exploradoras dominantes possa ser inculcada no povo, necessita do beneplácito e do apoio da religião. Quanto à moral comunista, esta não tem necessidade de ser consagrada pela religião, visto que é sincera, correspondendo inteiramente aos interesses do povo, e sendo a expressão de sua consciência e de sua vontade, apoia-se em sua unanimidade e goza do reconhecimento geral. Os princípios da moral comunista são princípios sinceros e têm base científica. A moral comunista, criada pelas necessidades da classe social mais avançada, sendo o reflexo fiel, completamente científico, de suas necessidades, é a moral que educa, ao contrário da moral burguesa, que degrada e degenera. Engels demonstrou que a única "moral que contém em si os elementos mais numerosos, prenunciadores de uma longa existência e que exprime o futuro é a moral proletária"(7). Na medida em que a moral comunista, proletária, exprime o ponto de vista do futuro, interfere, como ideal moral, na base científica. Kautsky afirmou que cada ideal moral, via de regra, não tinha base no conhecimento científico, mas isso não corresponde à verdade. Na realidade, o ideal moral do comunismo baseia-se no conhecimento científico. O Partido Comunista, apoiando-se no conhecimento das leis da edificação do comunismo, define claramente as tarefas que deve cumprir para ensinar a moral comunista e formar o homem novo. Estas tarefas de ensino de moral comunista, propostas por nosso Partido, não são um ideal moral sedutor qualquer — têm suas raízes na própria realidade. Em que se manifesta a moralidade comunista e que exige ela do homem? Na sociedade socialista, o bem pessoal de cada um dos membros da sociedade é inseparável do bem geral de todos, o bem geral das classes trabalhadoras e de todo o povo soviético. Este caráter inseparável do interesse pessoal e do interesse social, além de estender-se a todas as esferas da vida e da atividade do homem, distingue-se pela sua continuidade. Numa sociedade de classes antagonistas, há momentos em que os interesses individuais concordam com os interesses gerais, por exemplo quando a nação, o Estado, está ameaçado por um inimigo externo e que é do interesse de todos os patriotas se unirem para lutar contra o inimigo comum. Mas uma tal concordância de interesses privados e gerais é apenas transitória e termina logo que desaparece o perigo de uma invasão estrangeira. Na sociedade socialista, a concordância entre os interesses de todos os seus membros, existe permanentemente pelo fato de que, em seu trabalho diário, o homem soviético tem nos outros trabalhadores — não concorrentes ou inimigos, mas camaradas e amigos. Pela primeira vez na história da humanidade, o domínio do trabalho se tornou a arena em que se podem desenvolver e desenvolvem, as forças morais do indivíduo, sua dedicação à causa comum, seus esforços pessoais visando o progresso geral, sua ajuda aos que estão sendo superados, e sua própria aspiração em alcançar os melhores. Isto se aplica na emulação socialista que vê manifestar-se o alto valor moral dos homens, de forma diametralmente oposta à crueldade da concorrência, com seu princípio desumano; líquida aquele que ficou para trás, caminha sobre aquele que tombou. Lênin nos ensinou que: "O comunismo é a produtividade de operários voluntários, conscientes, unidos, dispondo de uma técnica de vanguarda; produtividade elevada em relação à produtividade do trabalho capitalista"(8). As qualidades morais dos trabalhadores socialistas, baseadas na consciência profissional, na boa vontade e solidariedade dos operários, são os fatores decisivos de uma alta produtividade do trabalho. A moralidade comunista adquire assim o papel de fator extremamente poderoso de nossos progressos. Hoje, nosso país começou uma nova era de desenvolvimento pacífico e realiza o programa grandioso da edificação econômica e cultural, fixado no novo plano qüinqüenal. A realização desse plano representa um passo a frente, e grande importância, no caminho da completa edificação da sociedade socialista e no caminho da passagem progressiva ao comunismo. Na realização dessa obra, cabe importante tarefa ao Partido Comunista, que deve educar os trabalhadores de maneira comunista, que deve desenvolver o princípio da moral comunista e incorporá-la à vida. Ensinar a moral comunista é, antes de tudo, educar os homens soviéticos, a juventude soviética em particular, no espírito de uma dedicação sem limites à causa do comunismo e de abnegação ao serviço da pátria socialista. Educar os trabalhadores de forma comunista, é inculcar no povo a dedicação à política do Estado Soviético, política que constitui a base vital do regime soviético. A educação é incompatível com a falta de espírito político. Na resolução do Comitê Central do P. C. (b), relativa às revistas "Estrela" e "Lêningrado", observa-se: "O regime soviético não pode aceitar que a juventude seja educada num espírito de indiferença diante da política soviética, num espírito de conformismo, falho de convicções". Não se serve à causa do desenvolvimento e do fortalecimento da moralidade comunista senão dando convicções elevadas e a consciência do dever comum a todos os cidadãos. A moral comunista, as idéias morais comunistas, que são idéias de vanguarda, possuem como todas as outras idéias de vanguarda, a virtude de fazer marchar para a frente a sociedade humana. Sobre isso, ensina o camarada Stálin: "As novas idéias e teorias sociais não surgem senão quando o desenvolvimento da vida material da sociedade colocou novas tarefas diante da sociedade. Mas, uma vez nascidas, elas tornam-se uma força muito importante que facilita a solução das novas tarefas colocadas na ordem do dia pelo desenvolvimento da vida material da sociedade e facilita os progressos da sociedade"(9). O ensino da nova moral destina-se, em primeiro lugar, a reforçar a atitude socialista, em relação ao trabalho, a favorec«r o desenvolvimento da emulação socialista, aumentar a preocupação dos homens soviéticos pelo crescimento e consolidação do poderio econômico e militar da União Soviética. O novo e poderoso impulso da emulação socialista, dado em toda a União Soviética, sob a iniciativa dos trabalhadores das empresas de vanguarda, é uma brilhante demonstração do crescimento da consciência comunista dos homens de nosso país. Se não ensinarmos a moral comunista aos homens, é inútil falarmos da criação das condições necessárias para passar ao comunismo. A questão do ensino da moral, do ensino da atitude socialista diante do trabalho e diante da propriedade sociaJ, tem ainda maior importância visto que os vestígios do capitalismo ainda não desapareceram da consciência dos homens e que o perigo da influência da psicologia da propriedade privada, hostil ao comunismo, não foi ainda liquidado em certas camadas da população. Deve-se igualmente ter em vista que nos anos de guerra, nas regiões ocupadas pelos alemães, a população foi submetida a uma propaganda fascista que tentou implantar o espírito adequado ao regime da propriedade privada, espírito hostil aos kolkozes e ao Estado. Os delapidadores da propriedade social, que causam prejuízo ao Estado socialista com objetivos de lucros pessoais, ainda não desapareceram. A luta contra esses violadores da lei do Estado deve ser severa e impiedosa. Nesta luta, a vigilância sempre desperta dos homens soviéticos perante os violadores das regras da comunidade socialista, que recorrem, com fins pessoais de lucros, a roubos, pilhagem, e cuja conduta criminosa causa prejuízo aos trabalhadores conscienciosos de nosso país, tem importância considerável. A luta contra o relachamento pequeno burguês na produção e na administração uma atitude honesta em relação ao trabalho, uma atitude cuidadosa perante a propriedade socialista coletiva, o cuidado de fortalecer o poderio econômico e militar do país, são as principais exigências da moral comunista. Não há nada mais progressista, mais digno dos esforços humanos do que servir ao comunismo, que é o regime social mais avançado e o mais justo. Servir com desinteresse à pátria socialista é a mais alta manifestação do dever moral. Por isso o patriotismo do homem soviético é a expressão mais completa e mais conseqüente de sua alta moralidade. Foi o que demonstrou, bem claramente, de forma desconhecida até ao presente, a guerra patriótica do povo soviético contra os conquistadores fascistas alemães, durante a qual se desenvolveram, em toda a sua magnificência, relações de alta moralidade entre os homens soviéticos. O patriotismo soviético é uma grande força moral e por essa razão é incompatível com o nacional-chovinismo; por isso também as tradições nacionais dos povos da URSS se misturam de modo harmonioso aos seus interesses vitais comuns. A moral soviética considera que toda demonstração de hostilidade ou de ódio para com os homens de outra nação é uma violação das mais grosseiras dessa moral. Eis por que o fortalecimento ulterior da amizade entre os povos e a eliminação definitiva de todos os vestígios nacionalistas ocupam um lugar de destaque no ensino da moral comunista. O camarada Stálin, mais de uma vez advertiu contra os vestígios vivos da psicologia nacionalista. Escreveu ele: "É necessário notar que os restos do capitalismo na consciência dos homens estão mais vivos no domínio da questão nacional do que em qualquer outra. São mais vivos nessa questão, porque têm a possibilidade de se fantasiar sob vestes nacionais"(10). Os vestígios nacionalistas acabam sempre por se manifestar. Isso se nota especialmente nas regiões que desde há pouco tempo fazem parte da União Soviética: nas Repúblicas do Báltico, na Moldávia, na Ucrânia e na Bielo-rússia Ocidental, onde é necessário realizar um grande trabalho de educação para eliminar os vestígios do nacionalismo burguês, assim como os vestígios do velho ódio nacional. O anti-semitismo também faz parte dos vestígios do chovinismo de raça. O camarada Stálin ensina que: "O chovinismo nacional e de raça é o vestígio dos caracteres misantrópicos próprios do perigo do canibalismo. O anti-semitismo, como forma extrema do chovinismo de raça, é o mais perigoso vestígio do canibalismo". Uma das tarefas no ensino da moral comunista consiste em extirpar complementamente os restos dos preconceitos nacionalistas e de raça, em reforçar por todos os meios a amizade e o respeito mútuos entre os homens de diferentes nacionalidades, tendo em mente o que diz Stálin: "a amizade entre os povos da URSS é uma grande e séria conquista, pois, enquanto esta amizade existir, os povos do nosso país serão livres e invencíveis". O ensino da moral comunista é orientado para a criação de relações entre os homens, baseadas nos princípios do humanismo socialista. Estas relações devem estar impregnadas de um verdadeiro sentimento, humano, excluindo o interesse pessoal e o cálculo egoísta. A ajuda mútua, a amizade sincera, a camaradagem e o profundo respeito pela dignidade da personalidade humana devem ser o apanágio de todos os trabalhadores. A moral comunista exige que todas as manifestações de insensibilidade e de burocratismo sejam energicamente combatidas. A conduta digna de um membro da sociedade comunista, no seio da família, é uma das partes integrantes da ética comunista. A moral comunista, que educa o homem como cidadão, como construtor ativo da nova sociedade, não é absolutamente indiferente à sua vida familiar. O governo soviético procura fortalecer a família soviética. Elevou a um nível extraordinário o título de mulher-mãe, criando as condições materiais necessárias para ajudar as mães de família numerosa. Ensinar é também ajudar o fortalecimento da família soviética. A destruição da propriedade privada dos meios ds produção e a libertação do trabalho de toda espécie de exploraçio são uma base firme para o desenvolvimento progressivo da moral comunista, para que os homens se libertem de todos os vestígios bestiais, incentivados e cultivados durante séculos e na sociedade de classes. Dentro dos limites do capitalismo, é impossível dominar no homem os vestígios do animal. Aos homens que se preocupam com esta maldade, de que o mundo está cheio, mas que não compreendem ou não querem compreender que só a liquidação da exploração do homem pelo homem pode criar as condições necessárias para uma verdadeira existência humana, a esses homens nada mais resta a fazer do que se entregarem ao desespero e ao pessimismo sem saída. Em nome deles, fala um dos personagens que Wells, o doutor Norbert, que em seu desespero, escreve: "O homem ficará sempre como foi: eternamente bestial, invejoso, traiçoeiro, ávido! O homem, nu e sem polimento, é sempre o mesmo animal medroso, rosnento e feroz tal como era há centenas de milhares de anos. . . O que vos estou dizendo é uma verdade monstruosa". Somente numa sociedade em que as classes exploradoras foram liquidadas e onde foram criadas condições de relações verdadeiramente humanas é que se abre de fato a possibilidade de destruir entre o homem os vestígios da besta. E, até certo ponto, isto é, facilitado pelo fato de que a cultura é accessível a todo o povo. A sociedade soviética, sã, cheia de heroísmo no trabalho, sem cessar, criando o novo, é o mais favorável para o desenvolvimento de todas as qualidades morais do homem. O desenvolvimento das novas qualidades morais efetua-se na luta contra as influências e as revivescências do passado. As ervas daninhas da moral burguesa serão arrancadas, pois, como disse Gorki: "Na União Soviética, a vontade do indivíduo acha-se limitada, sempre que é hostil à vontade da massa, consciente de seu direito de edificar as formas novas da vida, sempre que essa vontade do indivíduo é hostil à vontade da massa, que fixou para si um objetivo inaccessível ao indivíduo isolado, mesmo que seja dotado do gênio mais excepcional" (11). O ensino da moral comunista, a educação dos homens no espírito da comunidade socialista, a despeito dos resultados importantes já obtidos neste caminho, não podem sem por um momento ser esquecidos enquanto, como observa Lênin: "os homens não se tiverem habituado progressivamente a respeitar as regras elementares da vida em comum, já há séculos conhecidas, repetidas há milênios em todos os tratados sobre moral; enquanto não se acostumarem a respeitar sem imposição, sem submissão, sem o uso de aparelho especial de coerção, chamado Estado»"(12). O ensino da moral comunista interessa à opinião pública soviética de modo geral, a todas as suas organizações e instituições (do Partido, das Juventudes Comunistas, dos Pioneiros, dos Sindicatos), assim como aos órgãos do Estado Soviético e ao Tribunal Soviético, que se baseia na opinião geral do povo, na defesa do direito soviético e que colabora no fortalecimento da moral comunista. O portador das qualidades e virtudes morais mais elevadas e o educador do povo no espírito da moral comunista é o grande Partido de Lênin e Stálin. A fisionomia moral do Partido Bolchevique revelou-se durante os longos anos de uma história heróica, durante os combates cruéis contra os inimigos, combates que exigiram dos bolcheviques uma força de caráter extraordinária. Na luta e na edificação socialista, o Partido de Lênin e Stálin ensinou aos comunistas uma grande firmeza e um grande sangue-frio, a audácia e a coragem, a dedicação ilimitada à causa dos trabalhadores e ensinou-lhes também a se sacrificarem em nome da vitória do socialismo. O Partido de Lênin e Stálin educa os comunistas no amor à pátria, no ódio aos inimigos e na valentia no combate, na solidariedade entre camaradas e na vontade de vencer todas as dificuldades, na modéstia e no desprezo ao lucro e ao egoísmo, no desdém por tudo aquilo que opõe o individual ao geral. O Partido cultiva entre os comunistas uma alta ideologia, o espírito de princípio, a intolerância pelos erros, a atitude bolchevique diante da crítica e da autocrítica. Estes traços da fisionomia moral do Partido Bolchevique servem igualmente de modelo à moral comunista; são a expressão dos princípios do código moral dos comunistas. Só um tal partido, dotado das melhores qualidades dos heróis, combatendo pela verdade e a justiça, pode educar os milhões de trabalhadores no espírito da dedicação à causa do socialismo e aos interesses da pátria. O papel do Partido Bolchevique, inspirador das massas populares em seu trabalho e em seus atos, é verdadeiramente inestimável. As organizações do Partido têm como missão educar, sem descuido, suas próprias fileiras, no espírito da moralidade comunista e arrastar toda a massa de trabalhadores por seu próprio exemplo. O papel da propaganda do Partido, notadamente da propaganda impressa, destinada a educar os homens no espírito do leninismo e elevar sempre mais, por conseqüência, sua consciência comunista e a implantar sempre mais amplamente e mais profundamente as bases da moral comunista, e particularmente grande na educação da juventude comunista. A família e a escola têm um grande papel a desempenhar no ensino da moral comunista. A família lança as bases na formação da fisionomia moral do homem. A família sempre desempenhou um papel educativo imenso; colocou seu timbre na psique da criança, em sua conduta, em sua formação, seus hábitos e aspirações. A família soviética deve ser o auxiliar ativo do Partido e do governo soviético na educação comunista da consciência dos homens. Não é necessário trazer esclarecimento especial para compreender o papel que a escola e os pedagogos soviéticos têm que desempenhar para forjar o modelo do pensamento e da conduta comunistas dos homens. A influência pessoal do mestre, do pedagogo é, por vezes, tão grande que deixa um traço profundo, e para toda a vida, na alma do homem. O pedagogo soviético tem a felicidade de cultivar no homem algo de verdadeiramente humano, que corresponde justamente à expectativa do professor destinado a desenvolver as forças morais e intelectuais do homem. Por isso a responsabilidade do pedagogo soviético é tão grande, por isso seu papel é tão relevante na edificação da sociedade comunista. A literatura e a arte soviéticas desempenham grande papel no ensino da moral comunista. A literatura russa do século XIX e do início do século XX adquiriu fama mundial pelo fato de ser a expressão clara da consciência social. A literatura russa mereceu esta alta classificação pela profundeza ideológica com que se manifestou contra as vilanias, da antiga sociedade, denunciando inflexivelmente a mentira e a hipocrisia da moral feudal e burguesa, partindo a máscara de todos os que sufocavam a liberdade de nosso país, e revelando toda a sordidez que reinava então na sociedade. A literatura soviética, herdeira ideológica das melhores tradições da literatura clássica russa, tem uma tarefa criadora a cumprir: a de educar o homem novo. A literatura soviética reflete na arte, o processo grandioso da edificação da sociedade comunista, o processo de transformação da consciência dos homens e coopera para cultivar neles novas e altas qualidades morais. Durante a grande guerra patriótica, que exigiu a mobilização de todas as forças morais do povo soviético, nossos escritores produziram inúmeras obras de valor, que refletem a superioridade moral e a grandeza dos homens soviéticos, as quais contribuíram seriamente para a educação de milhões de leitores soviéticos. A literatura soviética e a arte soviética destinam-se, hoje, na nova conjuntura, a levantar bem alto a bandeira da educação comunista dos homens. A literatura e arte soviéticas devem refletir, sob formas artísticas, tudo o que há de heróico e de criador na vida dos povos soviéticos, formá-los nos exemplos de heroísmo, no combate, no trabalho e nas manifestações de um verdadeiro humanismo. A literatura e a arte soviéticas devem desempenhar um grande papel na luta contra os remanescentes do capitalismo na consciência dos homens, revelar as manifestações da instabilidade moral, da psicologia ligada à propriedade privada, da dissolução pequeno-burguesa dos costumes e da indisciplina anarquista dos "defensores das tradições do capitalismo". A literatura soviética deve possuir uma alta ideologia e tomar por guia a política do Estado soviético. A resolução do Comitê Central do P. C. (b), de 14 de agosto de 1946, acentua: "A força da literatura soviética, a literatura mais avançada do mundo, está no fato de que não tem, nem pode ter outros interesses do que os interesses do povo e do Estado. A tarefa da literatura soviética consiste em ajudar o Estado, a educar bem a juventude, responder às necessidades, formar uma nova geração de homens ardentes, confiantes em sua obra, não temendo as dificuldades e dispostos a vencê-las todas, quaisquer que sejam. Por essa razão a falta de ideologia, o caráter apolítico, "a arte pela arte", são estranhos à literatura soviética, são prejudiciais aos interesses do povo e do Estado soviéticos e não devem ter lugar em nossas revistas". A arte dramática soviética, o teatro, devem desempenhar grande papel educativo. Todo mundo sabe o quanto as representações cênicas têm o poder de impressionar. É claro que a questão do repertório tem uma importância primordial. Se começarmos a fazer prevalecer no teatro as peças dos autores burgueses, no gênero das peças de Moguem, se não dermos uma atenção limitada às peças que têm um tema do passado longínquo, portanto relativas à vida das camadas superiores da antiga sociedade e representando os hábitos, os costumes e as opiniões dos parasitas, é claro que nesse caso, o teatro, o propagador da cultura socialista e da moral comunista, se transforma numa instituição que arrastará o espetáculo soviético para a moral e a ideologia do inimigo. Os homens soviéticos têm necessidade de peças saturadas de um conteúdo ideológico elevado e que reflitam a verdade magnífica de nossa vida. Temos necessidade de peças que cultivem entre os homens soviéticos os pensamentos, os sentimentos, os traços de caráter novos e que lhes mostrem as novas normas de conduta dos homens. O cinema tem excepcional importância como instrumento de combate ideológico de nosso Partido e do Estado soviético na formação cultural e política do povo. O que distingue o cinema soviético, o que o coloca bem acima da cinematografia estrangeira, é seu valor ideológico. É inadmissível encontrar no cinema soviético, a arte de massa por excelência, a ausência de conteúdo político, o abandono da atualidade e a fuga para o passado distante, assim como uma atração desmedida pelas produções literárias e dramáticas antigas. O cinema deve ser estreitamente ligado à vida, à atualidade soviética e ser seu fiel reflexo. Isto exige dos diretores uma grande probidade na elaboração do tema. 0 filme feito às pressas, sem um conhecimento bastante profundo da vida soviética, sem um estudo atento dos caracteres, do meio representado, faz surgir a realidade sob uma forma desfigurada e tolhe a educação política justa das massas. Só os filmes que são profundamente ligados à realidade soviética, que são o fruto do estudo consciencioso desta realidade e que a refletem com veracidade, sob uma forma artística, podem servir com maior êxito à causa da educação comunista. Na hora presente, quando nosso povo sofreu com heroísmo a prova cruel da guerra e obteve uma vitória sem par na história, devemos estar especialmente vigilantes às manifestações de auto-suficiência, capazes de prejudicar o desenvolvimento ulterior da sociedade soviética. Novas tarefas exigem de nós um novo impulso ds nossas forças, exigem que vençamos novas dificuldades que se apresentam diante do país. Para cumprirmos essas tarefas com êxito, é necessário elevar a educação comunista das massas, ensinar-lhes a moral comunista, ensinar-lhes, em suma a servir com desinteresse à pátria e a causa do comunismo.

Notas

(1) Karl Marx e F. Engels — "Obras", vol. XIV, pág. 94 — Edição russa Moscou. (2) Lênin — "Obras", vol. XXV, pás;. 393 — Edição russa — Moscou. (3) Karl Marx — "Obras", vol. III, pág. 661 — Edição russa — Moscou. (4) Lênin — "Obras", vol. XXX, pás. 41S — Edição russa. Moscou. (5) Stálin "Obras", vol. I, pág. 338 — Edição russa — Moscou. (6) Lênin "Obras", vol. XXIV, pág. 342 — Edição russa — Moscou. (7) Marx e Engels — "Obras", vol. XIV, pág. 93 — Edição russa — Moscou. (8) Lênin — "Obras", vol. XXIV, pág. 342 — Edição russa — Moscou. (9) Stálin — "Questões do Lêninismo", págs. 546 e 547 — 11.ª edição russa — Moscou. (10) Stálin — "Questões do Leninismo", pág. 474 — Edição russa — Moscou. (11) Máximo Gorki — "Se o inimigo não se entrega, esmagá-lo-emos", pág. 186 — Edição russa — Moscou. (12) Lênin — "Obras", vol. XXI, pág. 431 — Edição russa — Moscou.

por V. Kolbanoski, publicado na Revista Problemas nº 17, fevereiro-março de 1949

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube