"Como Stalin estudava"


Atravessamos atualmente uma situação na qual é urgente elevar, o mais rapidamente possível, o nível político e ideológico de todo o Partido; isto é necessário, para colocar os seus quadros à altura de seu papel de combatente de vanguarda, permitindo-lhes aproveitar as condições objetivas favoráveis para imprimir um conteúdo revolucionário às lutas do proletariado e do povo brasileiro, impulsionando-as e dirigindo-as pelo caminho da libertação nacional, da democracia popular e do socialismo. Num momento como este, devemos voltar-nos para Stalin, tomando-o como exemplo e assimilando seus ensinamentos, pois será o meio mais seguro e mais rápido para a elevação do nível político e ideológico dos comunistas.

A humanidade conhece poucos homens que tenham dominados a ciência em extensão e profundidade como Stalin. Stalin domina os mais variados ramos do conhecimento, iluminou-nos com sua inteligência e enriqueceu-os com novas elaborações teóricas. Isto lhe foi possível porque domina com perfeição a teoria e o método marxistas.

Porque Stalin conseguiu este domínio do marxismo e se transforma ele mesmo num clássico do marxismo? Neste sentido, podemos dizer que o gênio de Stalin está intimamente ligado à sua capacidade de estudar. Assim, analisando os seus processos e métodos de estudo poderemos realizar de modo mais proveitoso o estudo individual.

O que nos chama atenção em primeiro lugar é a grande perseverança de Stalin; tal qualidade, característica de toda a sua atividade política, indica-nos a importância que ele atribui a este aspecto da luta revolucionária. De fato, Stalin que desde cedo enveredou pelo caminho revolucionário, soube sempre dedicar-se ao estudo com o intuito de ser mais útil à causa da revolução. Para isto não media sacrifícios: desde muito jovem era sempre visto com um livro na mão, não o deixando sequer às refeições; no seminário em que estudou sofreu inúmeras punições, sendo afinal expulso porque estudava “livros proibidos”; para poder estudar o tomo I de “O Capital” juntamente com uns poucos colegas a quem incentivou – copiou a mão muitas páginas impressas. Mais tarde, ao deixar o seminário e dedicar-se inteiramente às atividades revolucionárias, Stalin jamais deixou de estudar, mesmo no exílio e na prisão – continuada e regularmente. E até hoje estuda sempre e cada vez mais. Savchenko, um oficial soviético, conta-nos que no manifestar enquanto diante da enorme quantidade de livros existentes no gabinete de Stalin, recebeu deste como resposta que diariamente repassava 500 páginas; esta era sua “ração” diária.

Outro problema de grande importância é o que se refere ao método de estudo adotado por Stalin. A pontualidade, a precisão e a organização por ele observadas em todo, os assuntos, emprega-as também quando se trata de estudar. Dedica sempre um certo número de horas ao estudo e as distribui planificadamente. Por compreender que o estudo individual é o melhor modo para a aquisição de conhecimentos, Stalin adotou sempre esse processo, mas realizava também estudos coletivos porque nunca deixou de se preocupar com a educação daqueles com quem conviveu, esforçando-se por elevar o nível político e ideológico dos seus camaradas do Partido e também das massas com que tinha contato. Além de lhes recomendar constantemente que lessem e estudassem mais nunca como fazê-lo, através do estudo, ensinando-lhes na prática como fazê-lo, através da realização de debates e círculos explicava pacientemente em linguagem simples e acessível as questões mais importantes do marxismo.

A união da teoria com a prática é o critério que orienta o grande mestre do marxismo na escolha do assunto que deve estudar a cada momento. Volta sempre a sua atenção para o estudo daquelas questões cujo aprofundamento, numa situação determinada, permite impulsionar mais rapidamente o movimento revolucionário. Para dar alguns exemplos, lembraremos que assim foram escritas algumas obras geniais como “Anarquismo e Socialismo”, “O Marxismo e o Problema Nacional”, “Sobre os Fundamentos do Leninismo”, para citar apenas umas poucas obras.

Outra das grandes lições que nos dá Stalin: não é possível separar a elevação do nosso nível ideológico da luta contra os inimigos do Partido. O inimigo de classe, através da propaganda descarada de sua ideologia ou através dos agentes que consegue infiltrar dentro da classe operária, procura fazer penetrar em nosso seio a ideologia burguesa. Com isto, visa afastá-lo do caminho revolucionário. É preciso, portanto, combater vigorosamente todas as tendências estranhas à ideologia do proletariado, bem como os elementos que dentro ou fora do partido se fazem porta-vozes destas tendências.

Devemos começar a aplicar os ensinamentos de Stalin sobre o estudo através da leitura de sua biografia. Este é um modo concreto e prático de comemorar condignamente o seu 72º aniversário que é agora festejado em todo mundo. Façamo-lo metodicamente. Cada militante e cada organização pode estabelecer um tempo semanal dedicado ao estudo de pelo menos um capítulo da biografia de Stalin e considerar este estudo como tarefa das mais importantes. Cada Militante poderá organizar o seu “Caderno de estudo de Stalin” no qual contará os trechos mais importantes da obra e resumirá os seus estudos aproveitando-os sempre para aplicar a nossa linha política no local onde atua.

Publicado originalmente no jornal “A Classe Operária”, 1 de janeiro de 1952, edição 408

Por João Vidal

Créditos ao blog Unidade e Luta

792 visualizações

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube