Cuba e Síria: 50 anos de solidariedade entre os povos


Cuba e Síria celebraram o aniversário de 50 anos do estabelecimento das relações diplomáticas, que se expressa em uma profunda amizade entre ambos povos e uma permanente solidariedade que supera as distâncias geográficas. Neste meio século de vínculos entre as nações, Cuba e Síria compartilharam posições comuns na área internacional, e ampliam constantemente a cooperação bilateral, apesar da agressão terrorista que sofre este país árabe desde 2011. Muitos foram os acontecimentos que uniram estes povos neste meio século de amizade construtiva, onde o compromisso com os mais necessitados é a principal ligação da aliança. Cuba esteve ao lado dos sírios em seus piores momentos, e a voz da ilha caribenha sempre se levantou nos principais cenários internacional a favor de buscar uma solução ao conflito árabe-israelense. A Revolução Cubana, em missão internacionalista em 1973, apoio o exército sírio para preservar a independência e integridade do território desta nação e respaldou o seu direito de recuperar as alturas de Golan, ocupadas por Israel desde 1967. Nessa mesma época, um contingente médico cubano integrado por especialistas em ortopedia e reabilitação, trabalharam arduamente em Damasco na atenção aos feridos na guerra de 1973. A amizade entre as duas nações se consolidou em 1979, com a visita à Havana do falecido presidente sírio Hafez al-Assad, na ocasião da celebração da VI Cúpula do Movimento dos Países não alinhados, ação que foi retribuída pelo mandatário cubano Fidel Castro em 2001, quando visitou Damasco. Em 2010, o atual presidente sírio Bashar al-Assad visitou Cuba, como uma reafirmação dos indissolúveis laços de amizade entre ambos os países. Em Cuba se formaram centenas de profissionais sírios, graduados em universidades cubanas, muitos dos quais ostentam posições científicas, e que aportam seus conhecimentos no desenvolvimento na sua nação. Por sua parte, Síria apoia constantemente as posturas políticas de Havana e têm sido uma invariável defensor do direito de autodeterminação do povo cubano, reclamando para que seja posto fim ao injusto e criminoso bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos durante mais de 50 anos. Hoje, a Síria resiste à agressão de várias potências ocidentais encabeçadas por Washington, e como afirmou o líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro em 2013: "é um valente país árabe, situado no coração de milhões de muçulmanos, cujo espírito de luta é proverbial, e declarou que resistirá até o último suspiro".

por Miguel Fernández Martínez, no Granma

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube