Notícias

Machel: "A luta armada começou em Manica e Sofala"

O desencadeamento da luta em Manica e Sofala certamente que resulta da determinação, da coragem, do patriotismo e da consciência da população, dos combatentes, dos quadros e responsáveis da Província. Mas o desencadeamento da luta também resulta do esforço, do combate de todos os Moçambicanos, em particular nas províncias já em luta armada. Quanto mais fogueiras existem na floresta, menos possibilidades tem o inimigo de apagar os novos fogos que nascem. Neste contexto, devemos saudar a consciência exemplar dos nossos camaradas na Província de Tete, que souberam assumir a nossa linha e assim transformaram-se em base de apoio para a expansão da luta para novas zonas. Fazendo-o, também consol

Stalin: "Viva o Primeiro de Maio!"

Camaradas! Desde o século passado os operários de todos os países decidiram festejar todos os anos este dia, o dia do Primeiro de Maio. Isso aconteceu em 1889, ano em que, no congresso dos socialistas de todos os países, realizado em Paris, os operários decidiram que justamente hoje, no dia Primeiro de Maio, quando a natureza desperta do sono invernal, os bosques e as montanhas cobrem-se de verde, os campos e os prados ornam-se de flores, os raios do sol tornam-se mais tépidos, vibra no ar a alegria do renascimento e a natureza abandona-se à dança e ao júbilo – decidiram eles que justamente hoje se declarasse ao mundo inteiro, altissonante e abertamente, que os operários trazem à humanidade

"Imperialismo e coronavírus"

O planeta vive uma pandemia brutal, que nem a ciência nem a tecnologia moderna são capazes de conter. Pior ainda, em vez de contribuir e ajudar o mundo com seus recursos, seu enorme poderio militar, econômico, financeiro e tecnológico, o imperialismo norte-americano, com seu presidente a frente, por incrível que pareça, faz tudo ao contrário. Primeiro e contra todas as advertências das instituições de saúde de seu país, ignorou a pandemia, e como seu par brasileiro, qualificou-a como uma simples gripe. Agora, diante das críticas que recebe todos os dias, afirma que adotou as medidas mais apropriadas. Entretanto, antes de adotar alguma medida contra a pandemia, utilizou enormes recursos para

"Sobre o estudo de história da filosofia"

Apelando aos quadros veteranos de nosso Partido para estudar seriamente os trabalhos marxista-leninistas, o Presidente Mao Tsé-tung indicou que eles deveriam ler alguns livros sobre história da filosofia, incluindo a história da filosofia chinesa e europeia. Essa instrução é de grande importância para nós, aprendendo a observar e analisar as coisas do ponto de vista materialista dialético e histórico e fazendo uma crítica profunda a todos os tipos de idealismo e metafísica. Dois campos opostos na frente filosófica A luta entre materialismo e idealismo e entre dialética e metafísica percorre toda a história da filosofia. Durante milhares de anos, a história da filosofia mostra que todas as

Lenin: "Um Catedrático Liberal Fala de Igualdade"

O senhor catedrático liberal Tugán-Baranovski lançou-se em campanha contra o socialismo. Desta vez não abordou a questão sob o ângulo político-econômico, mas sob o ângulo dos raciocínios gerais sobre a igualdade (talvez esses raciocínios gerais tenham parecido ao catedrático mais apropriados para as palestras religioso-filosóficas em que ele usou da palavra?). “Se considerarmos o socialismo», proclamou o Sr. Tugán, «não como uma teoria econômica mas como um ideal de vida, então não há dúvida de que ele está ligado ao ideal da igualdade, mas a igualdade é um conceito... que se não pode deduzir da experiência nem da razão.” Tal é o raciocínio de um douto liberal, que repete argumentos incrivel

Gramsci: "Homens ou Máquinas"

A breve discussão ocorrida na última reunião entre os nossos companheiros e alguns representantes da maioria a propósito dos programas para o ensino profissional merece ser comentada, ainda que de forma breve e resumida. A observação do companheiro Zini (“A corrente humanística e a profissional ainda chocam-se no campo do ensino popular: ocorre tentar fundi-las, mas não se deve esquecer que antes do operário existe o homem, ao qual não deve ser retirada a possibilidade de movimento nos mais amplos horizontes do espírito para submetê-lo subitamente à máquina”) e os protestos do vereador Sincero contra a filosofia (a filosofia encontra especialmente adversários quando afirma verdades que ferem

Kilnam Roh e a luta dos coreanos pela reunificação da Pátria

No último dia 25 de abril, faleceu em Los Angeles, Estados Unidos, o jornalista sul-coreano Kilnam Roh, vítima do coronavírus. Kilnam Roh nasceu em 3 de abril de 1954, na cidade de Gangneung, província de Gangwon, na Coreia do Sul; foi uma figura destacada do movimento de luta pela reunificação pacífica da península coreana no exterior. Ainda jovem, Kilnam Roh participou das lutas do movimento estudantil sul-coreano, que lutava contra a ditadura militar pró-imperialista, razão pela qual teve que buscar exílio. A causa da reunificação pela qual lutou o companheiro Kilnam Roh Já se tornou parte do nosso senso comum semântico falar em "Coreia do sul" e "Coreia do norte" como se tratassem de do

Engels: "Revolta da Cerveja na Bavária"

A cerveja bávara é a mais célebre de todos os tipos de bebidas feitas na Alemanha e, claro, os bávaros são fãs de seu consumo em altas quantidades. O governo decretou um novo imposto de mais ou menos 100s. ad valorem sob a cerveja e, em consequência disso, uma revolta ocorreu, durando mais de quatro dias. Os trabalhadores unidos em massa saíram de passeata pelas ruas, assaltando os bares, quebrando janelas, danificando a mobília e destruindo tudo a seu alcance, tudo para se vingar do aumento de preço de sua bebida favorita. O exército foi chamado, mas um regimento da guarda montada, quando convocada ao embate, recusou. A polícia, sendo considerada, em todos os lugares, mal-vista pelo povo, f

"A Revolução Proletária e o revisionismo de Kruschev"

Nesse artigo se tratará um problema bem conhecido por todos: o da “transição pacífica”. Este problema se tornou muito conhecido e tem chamado tanto a atenção, porque Kruschev o apresentou no XX Congresso do PCUS e o sistematizou em forma de programa no XXII Congresso do mesmo, opondo seus pontos de vista revisionistas aos do marxismo-leninismo. A carta aberta do Comitê Central do PCUS de 14 de julho de 1963 voltou a repetir esta cantilena. Na história do movimento comunista internacional, a traição de todos os revisionistas ao marxismo e ao proletariado acha sua expressão concentrada na oposição à revolução violenta e à ditadura do proletariado e na pregação da transição pacífica do capitali

Aspectos do desenvolvimento da questão agrária brasileira em 2019

Foi lançada recentemente a edição deste ano da publicação “Conflitos no Campo - Brasil”, de periodicidade anual, pela Comissão Pastoral da Terra (CPT). Tal publicação, de grande referência para os pesquisadores, acadêmicos e, sobretudo, para os movimentos de massas, é também utilizada frequentemente pela NOVACULTURA.info para fundamentar seus estudos sobre a questão agrária, repercutir as vitórias das massas trabalhadoras rurais em luta, bem como denunciar a repressão e as arbitrariedades dos latifundiários e grandes corporações contra o campesinato, o proletariado rural e as populações tradicionais de nossa Pátria. Estudar tal publicação é de grande importância para aqueles que se compromet

Marx: "Os Cartistas"

Londres, 10 de agosto de 1852 Enquanto os Tories, os Whigs e os Peelitas — na prática, todos os partidos comentados até aqui — pertencem mais ou menos ao passado, os Livre-Cambistas (homens da Escola de Manchester, os reformadores parlamentares e financeiros) são os representantes oficiais da moderna sociedade inglesa, da Inglaterra que controla o mercado mundial. Representam o partido da burguesia autoconsciente, do capital industrial que se esforça para converter seu poder social também em poder político, bem como para erradicar os últimos remanescentes arrogantes da sociedade feudal. É um partido dirigido pela parcela mais enérgica e ativa da burguesia inglesa, os empresários industriai

"Geografia política do Coronavírus na América Latina"

Na América Latina, a chegada da pandemia da COVID-19 aborreceu todos os apriorismos de analistas e formadores de opinião. Cada país, uma realidade. Os posicionamentos na cartografia ideológica, econômica e demográficas não servem para nos guiar quanto a medidas de confinamento, toques de recolher, suspensão de eventos eleitorais e outras medidas preventivas frente à crise. Entretanto, em meio dessa atomização nacional das respostas, é possível identificar alguns lugares comuns que traçam tendências regionais comuns reconhecíveis. É notória a reação exagerada de alguns líderes que enfrentavam grandes contestações sociais e políticas. O coronavírus estaria sendo assim uma desculpa para intensi

Jorge Amado: "A farsa da arte pela arte"

Hora espessa já chamou um poeta ao momento que atravessamos. E os poetas têm o instinto divinatório. Hora trágica, dolorosa, momento de dúvidas e angústias para todos os intelectuais. O mundo atravessa um momento essencialmente político. E é conhecida a velha chapa que colocava o artista, o intelectual, o homem de letras, à margem dos acontecimentos políticos. É o conceito célebre da “arte pela arte”. O artista trancado na sua clássica torre de cristal que quase sempre não passava de um quarto mal arrumado onde a miséria imperava, a cabeleira romântica caindo sobre os ombros, não se interessava pelos acontecimentos que se desenrolavam cá embaixo no velho mundo de homens sem senso artístico,

URC realiza atividade online em celebração aos 150 anos de Lenin

Desde o início do ano, nós, da União Reconstrução, estávamos planejando fazer uma série de atividades em torno dos 150 anos do nascimento de V.I. Lenin, em São Paulo e no Rio de Janeiro a princípio. Contudo, diante da atual pandemia e as limitações que se impuseram, tivemos que mudar os planos. Essas atividades fariam parte de uma campanha internacional capitaneada pela ILPS (Liga Internacional da Luta dos Povos) intitulada "Lenin em 150: Lenin Vive!”, cujo lançamento ocorreria em Amsterdã, no último dia 28 de março. Inclusive, enviamos um artigo para a ocasião, que será publicado em maio na nova edição da Revista Nova Cultura. Diante da atual conjuntura, mas para preservar a celebração dest

"A contribuição de Kim Il Sung para a África"

A África, que, sob o domínio colonial, tinha sido uma base de suprimento de combustível e outros materiais, um lugar onde o atraso e a pobreza haviam prevalecido, tornou-se um continente em desenvolvimento na trajetória da independência, um continente que obtém prosperidade por seus próprios esforços. Olhando para a nova África, as pessoas recordam com profunda emoção a nobre obrigação internacionalista, com a qual o Presidente Kim Il Sung indicou, por meio da Ideia Juche, o caminho a seguir para lograr a causa da independência da humanidade e prestou assistência material e espiritual ao povo africano em sua luta pela independência nacional e construção de uma nova sociedade. O President

"As finanças contra o povo na era da pandemia"

A atual pandemia trouxe à tona, com clareza excepcional, a contradição fundamental subjacente ao capitalismo contemporâneo, nomeadamente a contradição entre os interesses da finança e os do povo. Na verdade, esta contradição, que caracteriza a era da globalização como um todo, agora chegou a um ponto crítico. Isto está a tornar-se claramente visível, país após país. Tome-se o caso da Índia. Milhões subitamente passaram ao desemprego e centenas de milhares de trabalhadores migrantes que regressam penosamente de lugares longínquos, onde estavam empregados e agora já não estão, encontram-se em quarentena com pouco ou nenhum dinheiro. A principal necessidade do momento é que o Governo providen

Connolly: "A Bandeira Irlandesa"

O conselho do Exército Cidadão Irlandês acordou, por meio de uma greve que seria deliberação erguer a bandeira verde da Irlanda no Liberty Hall, como Fortaleza ocupada pela Irlanda pelas armas dos irlandeses. Esta é uma decisão transcendental na maior crise vivida pela Irlanda nos nossos dias. Estamos certos de que fará o coração de todos os homens e mulheres verdadeiramente irlandeses se arrepiaram e que chegará ao sangue vermelho correndo ardorosamente pelas veias de todos os amantes do povo. Significa que em meio a e apesar das traições e abandonos de líderes e guias, em meio a e apesar de toda debilidade, corrupção e covardia moral de uma parte do povo, em meio e apesar de tudo isso, ai

Giap: "O homem e a arma"

Segundo o marxismo-leninismo, o motor do desenvolvimento da sociedade humana dividida em classes, é a luta de classes, e são as massas populares as que sempre fazem a história. Portanto, ao analisar a relação entre o homem e a arma, nosso partido afirma que é o homem o fator decisivo, e critica energicamente a teoria burguesa de que a arma é o decisivo. Tratando de salvar-se do perigo de seu aniquilamento, o imperialismo leva a cabo, com todos seus esforços, a propaganda sobre a “onipotência das armas” e na realidade utiliza a arma para dominar o homem, ameaçando e reprimindo o movimento revolucionário dos povos trabalhadores. Para revisar os pontos de vista fundamentais do marxismo-leninism

A violência doméstica e a violência contra a mulher não são uma exclusividade dos tempos de pandemia

Os exorbitantes números de casos de violência doméstica divulgados nos últimos dias pela imprensa estão longe de ser uma exclusividade dos tempos de pandemia. Em todo o mundo, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), órgão ligado a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização dos Estados Americanos (OEA), “aproximadamente uma em cada três mulheres (35%) em todo o mundo sofreram violência física e/ou sexual por parte do parceiro ou de terceiros durante a vida”, esses são dados de 2017. O mais espantoso é que, segundo dados oficiais da Organização das Nações Unidas (ONU), “sete em cada 10 mulheres no mundo já foram ou serão violentadas em algum momento de sua vida”; e “mais d

URC: "Lenin vive! Os 150 anos do grande mestre do marxismo-leninismo"

Para los campesinos de mi patria quiero la voz de Lenin. Para los proletarios de mi patria quiero la luz de Lenin. Para los perseguidos de mi patria quiero la paz de Lenin. Para la juventud de mi patria quiero la esperanza de Lenin. Para los asesinos de mi patria, para los carceleros de mi patria, quiero el odio de Lenin, quiero el puño de Lenin, quiero la pólvora de Lenin. ROQUE DALTON Em 2020, em meio a uma crise do capitalismo mundial sem precedentes, celebramos os 150 anos de Vladimir Ilich Ulianov, confirmando a validade de seus aportes a ciência do proletariado e a vigência do seu pensamento. Em um momento onde o imperialismo, com os Estados Unidos à frente, amplia sua agressão para

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube