Notícias

"Conversa entre J.V. Stalin e Mao Tsé-tung"

A nível de curiosidade e também de informação, a página do Facebook Rompendo com Ideias Anticomunistas realizou uma tradução livre de uma conversa entre dois grandes baluartes do marxismo-leninismo: o camarada Joseph Stalin e o Grande Timoneiro e Presidente Mao Tsetung, datada de 1949, pouco tempo após a concretização da gloriosa Revolução chinesa. Mao Tsé-tung: A questão mais importante no momento é a questão do estabelecimento da paz. A China precisa de um período de 3-5 anos de paz, que seria aproveitado para trazer a economia de volta aos níveis do pré-guerra e estabilizar todo o país. Decisões nas questões mais importantes na China dependem das perspectivas de um futuro pacífico. Com is

"Carta da Komintern ao Comitê Central do PCB em 1933"

I. 1 ‒ A situação semicolonial do Brasil, seu papel de apêndice agroprimário dos países capitalistas desenvolvidos e o predomínio dos resquícios feudais e escravistas em sua organização socioeconômica determinaram a profundidade e a amplitude consideráveis da crise econômica que assola o país. Justamente esses fatores fizeram também com que o nível de vida das massas trabalhadoras caísse assustadoramente, chegando abaixo do necessário à sobrevivência, no que concerne a amplas camadas da classe operária e do campesinato. Ao mesmo tempo, é exatamente a situação semicolonial do Brasil e a competição anglo-americana pelo “direito” de monopolizar sua exploração que conduzem, no seio das classes d

Gramsci: "Legalidade"

Até onde vão os limites da legalidade? Em que momento deixam de ser respeitados? É certamente difícil fixar qualquer limite, dado o caráter bastante elástico que assume o conceito de legalidade. Para qualquer governo, toda ação que se manifesta no campo da oposição contra ele supera os limites da legalidade. Contudo, pode-se dizer que a legalidade é determinada pelos interesses da classe que detém o poder em cada sociedade concreta. Na sociedade capitalista, a legalidade é representada pelos interesses da classe burguesa. Quando uma ação busca atingir de algum modo a propriedade privada e os lucros que dela derivam, tal ação se torna imediatamente ilegal. Isso é o que ocorre no plano da subs

140 anos do camarada J.V. Stalin é celebrado na USP

Mais de setenta pessoas, entre estudantes e funcionários, reuniram-se na última terça-feira (26), no anfiteatro de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo para participar de uma atividade comemorativa dos 140 anos do nascimento do grande líder dos povos da União Soviética, J.V. Stalin. A atividade foi realizada em conjunto pela União Reconstrução Comunista (URC) e União da Juventude Rebelião (UJR). Na mesa, como palestrantes, estiveram os companheiros Alexandre Rosendo, membro da URC, e Queops Damasceno, membro do Partido Comunista Revolucionário (PCR) e da Direção Nacional do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB). Ap

"Educação, instrumento político de poder"

Educação, instrumento político de poder ou de condicionamento. O projeto MEC/USAID. A crise do petróleo, o embargo. Na Universidade do Texas, nos concentramos no estudo do sistema universitário norte-americano e suas consequências para o desenvolvimento do que veio a ser a maior potência mundial. Para isso, tivemos que analisar os sistemas equivalentes nas grandes nações europeias e no Japão. Esses estudos e pesquisas tinham em vista a possibilidade de exercer função executiva na área da educação, setor ao qual sempre atribuímos alto valor estratégico. Isso, porém, não veio a ocorrer. Nos seminários de que participamos na Universidade do Texas sobre o papel da educação formal e principal

"Notas sobre o problema agrário"

1) A primeira manifestação da crise agrária no Brasil, no último século, é a escassez de mão de obra. Ao iniciar-se a segunda metade do século XIX, o problema da terra no Brasil, para os latifundiários estava estreitamente ligado à falta de braços suficientes. A lavoura tradicionalista, da grande fazenda exportadora, considerava-se seriamente ameaçada pela extinção do tráfico de escravos africanos (1850). Discutiam-se, é claro, outros assuntos do interesse dos grandes proprietários rurais, tais como créditos, fretes baratos para os transportes, dispensa de imposto, etc., mas a todos sobrelevava o suprimento de abundante mão de obra. Pretendia-se assim compensar o atraso técnico de uma agricu

Diógenes Arruda: "O dirigente comunista se forja todos os dias"

Hoje, já não está conosco, contagiando-nos com seu entusiasmo com seu humor e ironia, com seu otimismo revolucionário, o nosso querido camarada Maurício Grabois. Se vivo estivesse, comemoraríamos, talvez juntos, seu 66° aniversário, no dia 02 de outubro, e seus 46 anos de militância ininterrupta e consequente nas fileiras de nosso Partido, de seu Partido, sob a bandeira do qual lutou com abnegação sem limites e a toda a prova. O camarada Maurício Grabois ingressou no Partido Comunista do Brasil antes de completar 20 anos, em 1932 quando aluno da Escola Militar. Desde então, dedicou a sua vida por inteiro à atividade partidária. Na Escola Militar e depois como simples soldado foi um dos prime

"Como Mao Tsé-tung estudava e investigava"

Mao não foi um teórico de escritório, nem um acadêmico focado em pilhas de livros, e sim um homem de ação. Ele se destacou na história mundial não precisamente por seu trabalho científico, e sim como um gênio político e um exímio estrategista militar, que dirigiu vitoriosamente a luta do povo chinês para sua libertação e para o desenvolvimento econômico socialista, uma das proezas de maior significado na história contemporânea. O Mao político é, então, quem destaca sua figura. Mas Mao têm sido, ainda mais, um intelectual de sólida cultura e um estudioso e investigador, também exímio. E mais, poderia ser dito que se Mao pôde realizar tal proeza foi precisamente porque se guiou sempre, diante

"Para você, amado camarada"

Não existe reserva maior de experiência humana, mais rica do que os contos populares, poemas populares e músicas de um povo. Em muitos, os heróis são sempre humanos totalmente reconhecíveis – apenas maiores e mais abrangentes em dimensão. Assim é também com o folclore russo, o chinês e o africano. Em 1937, uma audiência altamente animada composta por cidadãos de Moscou – trabalhadores, artistas, jovens, camponeses das cidades vizinhas – lotaram o Teatro Bolshoy. Eles aguardavam uma apresentação do Teatro Nacional de Uzbequistão, liderada pela altamente talentosa Tamara Khanum. A orquestra era grande, com instrumentos antigos e modernos. Quão emocionante seria a mistura da música da rica cult

"Necessidade contínua da Revolução Cultural"

Queridos camaradas artistas, trabalhadores da cultural, compatriotas e amigos, Estou extremamente honrado e profundamente grato por ter sido convidado como principal palestrante em sua Conferência de Cultura de 2016. Agradeço aos organizadores, artistas engajados e ao Sinagbayan pelo convite. E parabenizo os organizadores e demais participantes pelas suas conquistas no trabalho cultural e artístico e por suas soluções sempre criativas. Em 1966, eu fiz um discurso sobre a necessidade de uma Revolução Cultural nas Filipinas. Eu mostrei como o movimento de propaganda e a entrega revolucionária do movimento Katipunan, junto do governo revolucionário das Filipinas, haviam derrotado a dominação cu

Mao: "À Memória de Norman Bethune"

O camarada Bethune, membro do Partido Comunista do Canadá, tinha pouco mais de cinquenta anos quando foi enviado para a China pelo Partido Comunista do Canadá e pelo Partido Comunista dos Estados Unidos. Bethune não hesitou um só momento em transpor milhares de quilômetros para ajudar-nos na Guerra de Resistência contra o Japão. Chegou a Ien-an pela Primavera do ano passado, indo depois trabalhar no Vutaixan onde, para grande pesar nosso, veio a encontrar a morte, no seu posto. Aí está um estrangeiro que, sem qualquer interesse pessoal, fez sua a causa da libertação do povo chinês. De que espírito estava ele animado? Do espírito do internacionalismo, do comunismo, o espírito que todo e qualq

Stalin: "A Greve Geral Iminente"

Os operários de Baku atravessam tempos duros. A ofensiva dos industriais do petróleo, começada na primavera do ano passado, ainda continua. Anulam-se as velhas conquistas dos operários, não se deixa nenhuma delas. E os operários “são obrigados” a calar-se, a suportar tudo isso, “indefinidamente”. O salário é reduzido com um corte puro e simples ou com a supressão da indenização de alojamento, das gratificações, etc. Prolonga-se a jornada de trabalho, uma vez que o trabalho a três turnos é substituído pelo de dois turnos, e o trabalho extraordinário e fora da sede tornou-se de fato obrigatório. A chamada “redução do pessoal” continua como antes. Dispensam-se os operários — e especialmente o

"O papel das mulheres na defesa de Stalingrado"

"Recordando a batalha nas margens de Volga, devo conter-me por um momento em uma questão importante que, na minha opinião, não tem recebido grande atenção na literatura da guerra e que, ás vezes, sem motivo, é desprezada, na intenção de tirar conclusões de nossa experiência com ela. Estou pensando no enorme papel desempenhado na guerra pelas mulheres, não apenas na retaguarda, como também na linha de frente. Suportaram as dificuldades da vida militar do mesmo modo que os homens e os acompanharam até Berlin. Houve muitas mulheres na história militar, desde as marketankti dos tempos de Pedro, O Grande e Suvorov até as guerrilhas de 1812, as irmãs da caridade na defesa de Sevastopol e de Por

Lenin: "Sobre os Sindicatos, o momento atual e os erros de Trotsky"

Camaradas: antes de tudo, devo pedir desculpas por haver infringido o regulamento, pois para participar das discussões teria de ter ouvido, naturalmente, o informe, o co-informe e os debates. Infelizmente, meu estado de saúde não me permitiu. Mas ontem tive oportunidade de ler os documentos mais importantes impressos e de preparar minhas observações. Logicamente, a infração do regulamento a que me referi, implica em certos inconvenientes para vocês: é possível que faça repetições por não saber o que os outros disseram e não responda o que deveria ser respondido. Mas não pude fazer de outro modo. Meu material básico é o folheto do camarada Trotsky: Sobre o Papel e as Tarefas dos Sindicatos. C

URC: "Sobre o Golpe de Estado imperialista na Bolívia"

O golpe de estado orquestrado na Bolívia, que causou a renúncia do presidente Evo Morales, é mais um dos tantos golpes dirigidos pelas classes reacionárias e conservadoras da América Latina, lacaias do imperialismo estadunidense. A guerra comercial entre o imperialismo estadunidense e o bloco sino-russo, trouxe a necessidade do governo norte-americano de voltar seus olhos e suas garras contra a América Latina, território tido por este como seu quintal. Para tanto, torna-se indispensável a derrocada de governos que não estão totalmente alinhados aos seus interesses e que dessa forma, apresente-se como uma possibilidade de enfraquecer o bloco inimigo. Seguindo os manuais de Washington, o Comit

Engels: "Marx e a Neue Rheinische Zeitung"

Ao rebentar a Revolução de Fevereiro, o “Partido Comunista” alemão, como nós lhe chamávamos, consistia apenas num pequeno núcleo, a Liga dos Comunistas, organizada como sociedade secreta de propaganda. A Liga só era secreta porque, naquela altura, na Alemanha, não havia qualquer direito de associação e de reunião. Além das associações operárias no estrangeiro — onde ela recrutava —, tinha aproximadamente trinta comunas ou secções no próprio país, para além de membros isolados em muitos lugares. Mas esta insignificante força de combate tinha um dirigente, a quem todos de boa vontade se subordinavam, tinha em Marx um dirigente de primeira ordem e, graças a ele, um programa de princípios e táct

O XX Congresso do PCUS e a crise no Partido Comunista do Brasil (PCB)

Pouco antes das 10 horas da noite de cinco de março de 1953, o camarada Stálin parava de respirar e sua morte seria anunciada oficialmente pouco tempo depois. A crise, em torno da sucessão à secretaria-geral do Partido Comunista da União Soviética e à liderança do Estado Soviético, estava se agudizando. O livro Problemas econômicos do socialismo na URSS, uma coletânea de observações e comentários de Stálin sobre o Manual de Economia Política da União Soviética, de 1952, trazia relevantes apontamentos dialéticos, à luz do materialismo histórico e do marxismo-leninismo, do grande líder soviético e foi importante para o Movimento Comunista Internacional e para a construção do socialismo tanto n

Marx: "Carta a Pavel V. Annenkov"

Bruxelas, 28 de Dezembro [de 1846] Meu caro Sr. Annenkov, Já teria recebido há muito a minha resposta à sua carta de 1 de Novembro, se o meu livreiro não tivesse demorado até à semana passada a enviar-me o livro do sr. Proudhon: Philosophie de la misère. Percorri-o em dois dias, para poder comunicar imediatamente a V. a minha opinião. Como li o livro muito rapidamente, não posso entrar em pormenores, apenas posso falar-lhe da impressão geral que produziu em mim. Se V. quiser poderei entrar em pormenores numa segunda carta. Confesso-lhe francamente que acho o livro em geral mau e muito mau. Na sua carta, V. mesmo brinca "com o naco de filosofia alemã" que o sr. Proudhon alardeia nessa o

"Claudia Jones, uma pan-africanista, feminista e comunista pouco conhecida"

Jones utilizou o espaço organizacional do Partido Comunista para promover ações antirracismo, pela paz mundial, pela descolonização e da luta de classes. Claudia Jones foi uma revolucionária cujo ativismo atravessou dois continentes, a América do Norte e a Europa. Claudia Vera Cumberbatch nasceu em 21 de fevereiro de 1915 em Belmont, Trinidad e Tobago, a terra que deu origem a grandes políticos como C.L.R. James, Eric Williams, George Padmore e Kwame Ture (anteriormente Stokely Carmichael). Ela e a família foram obrigadas a migrar para a cidade de Nova York durante os anos 1922-24, como resultado das dificuldades econômicas que eles experimentaram como membros da classe trabalhadora de Trini

"Jornalista Anna Louise Strong sobre Stalin"

Já fazem anos, quando, pela primeira vez, almocei com o presidente Roosevelt, que acabava de ter uma entrevista com H. G. Wells, certifiquei-me de que o assunto que mais o interessava sobre a União Soviética era o relacionado com a personalidade de Stalin e, em particular, a técnica de governo de Stalin. Era um interesse natural, e creio que o assunto interessa à maioria dos norte-americanos. O crescente prestígio de Stalin, durante os últimos vinte anos, tanto dentro da União Soviética como além de suas fronteiras, merece, realmente, a atenção de todas as pessoas que se preocupam com a política. Apesar disso, a imprensa norte-americana dá mostras de sua total ignorância a respeito de Stal

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube