Notícias

"Carta Aberta de Eldridge Cleaver a Stokely Carmichael"

A Stokely Carmichael – Conakry, Guiné Sua carta de renúncia ao cargo de Primeiro-Ministro do Black Panther Party veio, penso eu, com um ano de atraso. Na verdade, desde o dia da sua nomeação a essa posição – 17 de fevereiro de 1968 –, os eventos provaram que você não era apto para a função, em primeiro lugar. Mesmo nessa época era claro que sua posição sobre a coalizão com organizações revolucionárias brancas estava em conflito com a do Black Panther Party. Mas pensamos que, naquela época, até você seria capaz de acabar com a paranoia da SNCC sobre controle branco e seguir para a tarefa de construir a maquinaria revolucionária que precisamos nos Estados Unidos a fim de unir todas as forças r

"Partido Comunista francês e Argélia: exemplo de social-chauvinismo"

De acordo com o internacionalismo proletário, o proletariado e os comunistas das nações opressoras devem apoiar ativamente tanto o direito das nações oprimidas à independência nacional quanto as suas lutas de libertação. Com o apoio das nações oprimidas, o proletariado das nações opressoras será mais capaz de vencer sua revolução. Lenin acertou em cheio quando ele disse: “O movimento revolucionário nos países avançados na verdade seria uma fraude completa, se em sua luta contra o capital, os trabalhadores da Europa e da América não estivessem intimamente e completamente unidos com as centenas de centenas de milhões de escravos coloniais que são oprimidos pelo capital”[1] No entanto, alguns a

Kim Jong Il: "O socialismo é a vida de nosso povo"

Nos anos recentes, os imperialistas e reacionários tem feito todos os esquemas possíveis para sufocar nosso país, que está avançando invariavelmente sob o bandeira do socialismo, sob a liderança do Partido e do Líder. Quanto mais desesperado se torna o inimigo em suas manobras, mais alto devemos levantar a bandeira do socialismo, frustrando as ofensivas contrarrevolucionárias do inimigo por todos os meios da ofensiva revolucionária. Ainda que os imperialistas e os reacionários estejam fazendo manobras para destruir o socialismo na terra, o socialismo permanece nos corações dos povos revolucionários do mundo e avança sem cessar. O socialismo é o ideal da humanidade, e que o socialismo será vi

"Das ONGs e das orgias: quando as máscaras caem, a face do capitalismo causa horror"

Há um tema recentemente mediado pela mídia dominante, que destaca a oposição entre Reforma e Revolução (que Rosa Luxemburgo já se desenvolveu e que continua a ser um nó gordiano de processos históricos, particularmente hoje em dia). Descobriu-se que os executivos e trabalhadores da Oxfam Haiti praticaram orgias aproveitando a miséria de mulheres e meninas, abusando delas na aberrante exploração que é prostituição (1); Diante desse fato, há pessoas que se perguntam: "Como alguém que "luta contra a pobreza "(sic) aja assim e aproveite a miséria para abusar das mulheres?"... A mídia principal está repleta de especialistas em pseudo-especialistas em "direitos humanos e cooperação internacional",

"Mulheres militantes nos dias da Grande Revolução de Outubro"

As mulheres que participaram na Grande Revolução de Outubro – quem eram elas? Indivíduos isolados? Não, havia multidões delas; dezenas, centenas e milhares de heroínas anônimas que, marchando lado a lado com os operários e camponeses sob a Bandeira Vermelha e a palavra-de-ordem dos Sovietes, passou por cima das ruínas do czarismo rumo a um novo futuro... Se alguém olhar para o passado, poderá vê-las, essa massa de heroínas anônimas que outubro encontrou vivendo nas cidades famintas, em aldeias empobrecidas e saqueadas pela guerra... O lenço em sua cabeça (muito raramente, até agora, um lenço vermelho), uma saia gasta, uma jaqueta de inverno remendada... Jovens e velhas, mulheres trabalhadora

"No Trabalho Sanitário materializemos o princípio de que a Revolução liberta o Povo"

Camaradas, Iniciamos hoje um novo curso para formação de enfermeiros. Em 1968 tínhamos sido obrigados a suspender estes cursos. Durante três anos eles estiveram interrompidos. Durante três anos a nossa luta, o nosso Povo, viram-se impedidos de receberem novos quadros de saúde. Durante estes últimos três anos morreram combatentes por falta de assistência sanitária, morreram elementos do Povo, morreram crianças, porque não estávamos em condições de lhes dar um mínimo de assistência médica. Para muitas regiões libertadas, para muitas populações, estes últimos três anos não foram anos de combate contra a doença. O nosso povo viu-se esquecido como na época colonial, durante este três anos. Há trê

"Especulação com terras no Matopiba deixa rastros de grilagem e violações aos direitos humanos&

Considerada uma das últimas fronteiras agrícolas do mundo, a região de Cerrado entre os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia – denominada Matopiba – tem sido alvo de uma desenfreada corrida por terras que vem intensificando os conflitos rurais devido à expulsão, muitas vezes violenta, de povos indígenas e comunidades tradicionais de seus lares. Segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT), em 2016 foram assassinadas 61 pessoas em conflitos por terras na região. É o que nos conta, com detalhes, o relatório “Imobiliárias agrícolas transnacionais e a especulação com terras na região do Matopiba”, divulgado no dia 15 pela Rede Social de Justiça e Direitos Humanos. De acordo com o time

"Duterte é um tirano misógino a caminho de sua queda"

Makibaka [1], a organização revolucionária clandestina de mulheres, do sul de Mindanao condena nos mais altos termos a recente ordem de Duterte para que soldados das Forças Armadas Filipinas (FAF) atirem nas vaginas de mulheres membras do Novo Exército Popular (NEP), uma vez que supostamente o levante armado dessas mulheres tornaria seus órgãos reprodutivos “inúteis”. Ao evocar a tradição fascista das FAF de chauvinismo masculino e da prática do estupro, Duterte assume ignorantemente que poderá reunir suas tropas para cometer os crimes de guerra mais hediondos com impunidade em sua operação reacionária “Oplan Kayapaan” [2]. Nós convocamos todas as mulheres, organizações, liberais defensores

A Ideia Juche e a Revolução Coreana

“Os revolucionários devem ter como máxima de suas vidas e de suas lutas, a verdade de que se confiam e se apoiam no povo, sempre se sairão vitoriosos, porém se são repudiados por ele, sofrerão mil derrostas.” Kim Il Sung É necessário notar que, mesmo entre comunistas, pouco se comenta sobre a experiência socialista coreana. Soma-se a falta de informação com o preconceito ideológico das classes dominantes e muita coisa deixa de ser explicada corretamente. Não é difícil encontrarmos militantes socialistas e comunistas defendendo a posição ideológica do imperialismo, de que a República Popular Democrática da Coreia (RPDC) vive sob uma “ditadura-monárquica” brutal. A experiência norte-coreana

"O papel da OTAN no surgimento de mercados de escravos na Líbia"

Os meios de comunicação americanos e britânicos acordaram para a cruel realidade da Líbia, onde refugiados africanos estão à venda em mercados de escravos ao ar livre. No entanto, um pormenor crucial deste escândalo está a ser desvalorizado ou mesmo ignorado em muitas reportagens da imprensa: o papel da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) no aparecimento da escravatura nessa nação do norte de África. Em março de 2011, a OTAN lançou uma guerra na Líbia expressamente para derrubar o governo do antigo líder Muamar Kadafi. Os Estados Unidos e os seus aliados fizeram cerca de 26 mil sobrevoos à Líbia e lançaram centenas de mísseis de cruzeiro, destruindo a capacidade do governo de

"A estratégia anti-indígena na fase da barbárie racionalizada no Brasil"

O ano 2018 apresenta-se como extremamente perigoso e desafiador para os povos indígenas no Brasil. Os assassinatos dos professores Marcondes Namblá Xokleng, a pauladas, e Daniel Kabinxana Tapirapé, apedrejado, nos estados de Santa Catarina e Mato Grosso, respectivamente, no mês de janeiro, e a queima da base de proteção na terra indígena Karipuna, em Rondônia, e o despejo extrajudicial com práticas de tortura contra famílias do povo Kaingang, pela polícia militar do Rio Grande do Sul, em fevereiro, dão mostras inequívocas de que o patamar de violências e violações contra os povos, seus membros e seus direitos, alcançou um nível de envergadura insuportável no país. Embora distantes uns dos

Grabois: "A Cassação dos Mandatos"

Sr. Presidente, Srs. Deputados. Ontem, ao encerrarmos a sessão, ainda pude usar da palavra durante cinco minutos. Naquele exíguo espaço de tempo, tive ensejo de recordar palavras de uma das figuras políticas de nossa história, Gaspar Silveira Martins, que, ao se dirigir à Câmara de sua época, considerava-a uma assembléia de servis. E, neste instante, Sr. Presidente, não há outras palavras, senão aquelas pronunciadas por Silveira Martins, para dirigir-me a uma Assembléia que se dobra servilmente aos imperativos e à vontade do grupo que se encontra encastelado no Catete, levando o País para a catástrofe e para o caos. É com essa compreensão, Sr. Presidente, que ocupo a tribuna, certo de qu

"Os ataques contra os direitos democráticos e as liberdades na crise capitalista mundial"

O documento "Os ataques contra os direitos democráticos e as liberdades na crise capitalista mundial: estratégias e ações de resposta" foi apresentado pelo Partido Comunista das Filipinas no Seminário Comunista Internacional realizado em 2013 na cidade de Bruxelas, por iniciativa do Partido do Trabalho da Bélgica. I . Ataques aos direitos e liberdades democráticas A opressão é uma necessidade inerente a exploração de classes. É parte da natureza da burguesia monopolista efetuar ataques aos direitos e liberdades democráticas da classe trabalhadora e ao resto das pessoas para poder preservar seu sistema de exploração. A burguesia monopolista não pode ficar com o valor excedente produzido pe

"A ilusão da erradicação do Daesh"

Se, com a queda do Daesh (EI), os dirigentes do mundo inteiro se interrogam quanto à reconstrução do Iraque e da Síria, muitas outras questões mais difíceis se colocam ainda, mesmo que não seja costume evocá-las em público. No fim de qualquer guerra ideológica, como as guerras religiosas do século XVI europeu, ou da Segunda Guerra Mundial no século XX, põe-se a questão do futuro dos soldados vencidos. Muitos cometeram crimes atrozes e não parecem poder ser reintegráveis nas sociedades vitoriosas. Após as quedas sucessivas de Mossul, Rakka, Deir ez-Zor e Al-Bukamal, o Califado já não tem território. O fim do Estado Islâmico surge após o abandono pelos Estados Unidos do projecto de “Sunistão”,

Abaixo à intervenção militar reacionária do governo golpista!

No dia 16 de Fevereiro de 2018, ano em que ocorrerá, ou não, eleições presidenciais, a depender do desenvolvimento do Golpe de Estado em curso, logo após o fim do feriado de Carnaval, o maior evento do ano para a cidade e para do Estado do Rio de Janeiro, o usurpador Michel Temer baixou um Decreto de intervenção federal na respectiva unidade federativa da União, com a justificativa da “manutenção da ordem pública” tendo em vista um suposto “combate ao crime organizado”, com prazo estipulado até dia 31 de Dezembro de 2018. Não é de hoje que ocorrem intervenções federais no Brasil, utilizando-se do Exército e das Forças Armadas no geral, como uma tentativa de dar uma resposta mais acalorada

"Por que tantos tiroteios acontecem nas escolas dos EUA?"

Após a recente tragédia em uma escola na Flórida, a mídia e personalidades americanas despertaram com a questão de por que tantos episódios deste tipo ocorrem em seu país, cujas taxas são incomparáveis com o resto dos países desenvolvidos Apesar da alta frequência de tiroteios em massa em locais públicos nos Estados Unidos, ataques como o de quarta-feira em uma escola secundária na Flórida, que causaram a morte de 17 pessoas e feriram outras 20, continuam causando estupor ao nível de violência registrada e acesso fácil às armas. Várias mídias e personalidades americanas despertaram com a questão de por que tantos episódios deste tipo ocorrem em seu país, cujas taxas são incomparáveis ​​ao

"Simples verdades socialistas"

Trabalhador. Mas se não houver mais patrões, quem me dará trabalho? Socialista. Essa é uma pergunta que frequentemente me fazem; vamos examiná-la. A fim de trabalhar, três coisas são exigidas: uma oficina, máquinas e matéria-prima. T. Certo. S. Quem constrói as oficinas? T. Pedreiros. S. Quem constrói as máquinas? T. Engenheiros. S. Quem cultiva o algodão que você tece, quem poda a lã que a sua mulher fia, quem escava os minerais que o seu filho funde? T. Lavradores, pastores, mineiros – trabalhadores como eu. S. Consequentemente, você, sua mulher e seu filho só podem trabalhar devido a todos esses outros trabalhadores que já lhes forneceram construções, maquinaria e matéri

Einstein: "Por que Socialismo?"

Será aconselhável que um não especialista em assuntos econômicos e sociais manifeste pontos de vista sobre o tema “socialismo”? Por várias razões, eu acredito que sim. Comecemos considerando a questão pelo ponto de vista epistemológico [isto é, que analisa o próprio conhecimento científico]. Poderia parecer que não houvesse diferenças metodológicas essenciais entre a Astronomia e a Ciência da Economia: nos dois campos, os cientistas tentam descobrir leis que sejam aceitáveis de modo generalizado para um determinado grupo de fenômenos, com a finalidade de tornar compreensível a interconexão desses fenômenos do modo mais claro possível. Na realidade, diferenças metodológicas existem. No camp

Notas à “Necessidade da Quarta Teoria Política”

I – O idealismo da quarta teoria política A Quarta Teoria política é mais uma variante da moda das teorias idealistas burguesas. Ele nega as bases materialistas de análise da história e reduz toda história a mera sucessão de teorias universais: liberalismo, comunismo e fascismo. Dessa maneira as três teorias seriam, de uma certa maneira, idêntica no seu fundo, por serem teorias universais, mas o seu conteúdo de classe pouco importa. O fascismo e o liberalismo não teriam um idêntico conteúdo de classes (burguês), e não se oporiam ao comunismo, igualmente, pelo seu conteúdo de classes. II – O marxismo e a história Um dos elementos utilizados por Savin para designar o carácter universalista do

"Projeto de lei ameaça soberania alimentar e genética do campesinato"

A liberdade de conservar, utilizar (plantar, colher, armazenar, reproduzir, ceder, e beneficia, trocar e vender) suas sementes é uma pratica cultural e comum aos agricultores há muitos séculos. E é também, um direito assegurado no artigo 9º do Tratado Internacional sobre Recursos Fitogenéticos para Alimentação e Agricultura – TIRFAA ao qual o Brasil é signatário, tendo sido promulgado pelo Decreto nº 6.476 de 05 de julho de 2008. O Projeto de lei (826/2015) colocará em risco a soberania alimentar e genética dos agricultores, na prática, é inegável que acontece um impacto sobre o custo de produção afetando a renda do agricultor e acréscimo dos preços ao consumidor, criando, portanto, restriçõ

NOVACULTURA.info

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube